5 Março 2012

- Página 2 -

 

PARABENSSS!

CARLOS LEITE RIBEIRO

 

Antologia

"TEUS AMIGOS"

 

 

 

Meu amigo Carlos, que esse dia possa trazer-lhe todas as alegrias que você merece... Alegrias luminosas, coloridas, você que esparramou luz e cores pelo mundo com a honestidade do seu trabalho, com o empenho da sua luta corajosa a favor da difusão da Cultura. A você o meu caloroso abraço... Feliz Aniversário!
 
Cônsoli.

 

 

 

Modesta homenagem a um grande homem e poeta...

 

Competência e sensibilidade,
Amor pela humanidade,
Raro senso de solidariedade,
Luminosidade em seu verso,
Olvidando momento adverso,
Sua fala ecoa no universo

Liderança nata no Portal
Emana saber fenomenal,
Indicando-nos ao celestial
Trata a todos com cortesia
Exteriorizando sua simpatia

Reluzindo n'alma dos leitores
Iluminando outros autores,
Brilhando como refletores!
Enquanto se negam andar,
Imagina-se como que a voar,
Refrigerando almas de passagem

Obervando feliz toda paisagem!

 

E nesta terrena viagem, celebras mais um aniversário... Que sejam muitos outros mais!
Felicíssimo aniversário amigo-colega poeta Carlos Leite Ribeiro!
Abraços,

Lauro Kisielewicz

 

 

 

Vou homenageá-lo com uma trova singela,mas feita especialmente para si com carinho. 

Neste momento festivo,
abraço-te com amizade,
e a cada dia eu avivo
toda paz,felicidade!

 Que Deus derrame uma cachoeira de bênçãos sobre sua vida tão querida e importante para nós.


Ester Figueiredo

 

 

 

A meditação é o melhor alimento do espírito.
Hoje, este é meu tema de meditação:

A rapidez do tempo corrói a juventude do corpo, não da alma.
A falta de paz de espírito envelhece a alma.
Se precoce o envelhecimento da alma, precoce também o do corpo.
O envelhecimento natural do corpo, pelo correr do tempo, será apenas aparente se o espírito for sadio.
O corpo reflete a idade. O espelho reflete o corpo. Nem sempre o espelho e o corpo refletem a alma.
De verdade, o espelho da alma são os comportamentos, as atitudes, a consciência do estar e do porque estar vivo, do entender que o fim é apenas o começo, que esta existência é efêmera porque é só passagem e preparação para depois.
O individualismo e a vaidade desenfreados acarretam a conturbação e envelhecem a alma. Ignorar o outro significa ignorar os próprios reflexos.
Alma sem reflexo é alma solitária. Alma solitária é alma infeliz. Então, como será o seu depois?
Em suma, a preparação para a velhice independe da ação do tempo. Depende, sim, do estado d’alma.
O corpo se avalia pela idade e a alma pela maturidade.

Alceu Sebastião Costa

 

 

Caro amigo Carlos. Carinho, atenção e demonstrações de amizade não lhe
faltam no trato com os amigos e participantes do CEN. Siga assim!
Neste seu aniversário, meu abraço muito sincero e fraterno.

Parabéns, Saúde e Felicidade!

Carolina Ramos
(Santos Sp Brasil)

 

 

 

 

Carlos Leite Ribeiro

Tão claro quanto o mais belo dia
seja o dia cinco de março.
Tão lúdico quanto as mais divertidas férias
seja o dia do teu aniversário
Tão rico quanto quanto as maiores afortunados
Seja o teu coração de amigos
nesta data tão querida.
Parabéns!


Maria de Lourdes Scottini Heiden
Blumenau - SC - Brasi

 

 

 

 

Carlos Ribeiro,
alguém me disse uma vez que fazer aniversário é olhar para trás com gratidão e para a frente com fé.
É neste pensamento que lhe desejo um dia intenso de gratitudes e fé unidos às alegrias que comemoram
mais uma vez a sua vida. E que esta seja sempre abençoada.
Parabéns e um grande abraço,

 

Michèle
Minas Gerais/Brasil

 

 

 

Ao cultivador de palavras
Carlos Leite Ribeiro:

Estou na literatura desde a minha pré-adolescência e, por isso, aprendi a conduzir o meu trabalho literário como o fiel conduz o andor de seu santo devoto – com zelo, oração, humildade e alguma renúncia!
Os poetas e escritores que encontram abrigo no PORTAL CEN têm que louvar o generoso desprendimento de Carlos Leite Ribeiro, ao se entregar de corpo e alma à divulgação de agentes e autores da boa e promissora cultura.
Assim sendo, teço loas ao presidente do PORTAL CEN, pela comemoração de seu aniversário neste 5 de março, afirmando explicitamente:
Benditos são os Carlos Leite Ribeiro do mundo cultural, que agem como cultivadores espontâneos da palavra transformada em arte, dando-lhe a oportunidade de florescer, ao ser semeada e levada, através da divulgação, ao jardim do coração das pessoas.
Ou seja, Carlos Leite Ribeiro, representa uma indispensável espécie de polinizador da sofrida e muitas vezes abandonada flor da cultura.
Feliz aniversário, muita saúde, prosperidade e vida longa!
São os votos do xará,


Carlos Lúcio Gontijo.
www.carlosluciogontijo.jor.br

 

 

 

C alar jamais !

L er ler e ler " projetos "


R  everberar o saber dos
I    nventores de prosas e versos
B  rasileiros afins ... mais que irmãos
E  m espera de grandes encontros...
I    novar é o que importa ! mesmo porque ...
R  eceber e dividir ... resulta
O  inserto ... em multiplicação

Helena Armond

 

 

 

DR. CARLOS RIBEIRO
Nosso Presidente e amigo

D - Dignas obras desinteressadas,
R.- Refletem as consciência sociais.


C- Cá entre nós, amigos, digo e escrevo,
A- A Cultura anda em atoleiros.
R- Raros defendem o fator primevo:
L- Lições diárias formam cavalheiros!
O- O labor pelo bem da humanidade,
S- Sustentado no cosmopolitismo,



R- Ruiu por terra baixa, em cataclismos,
I - Indo ajuntar-se a tal vulgaridade...
B- Bem, no outro extremo, sublinho o Confrade
E- Emérito Dr. Carlos Ribeiro
I - Impondo seus “Valores de Palácio”, em
R - Raiz formatada à Letra Lusa:
O - Ouro da frágua da “Última Flor do Lácio”.


Renã Leite Pontes

 

 

 

Grande abraço de felicitações ao querido amigo Carlos, neste festivo dia natalício, mirando o tempo futuro, eis que o passado colore o campo já percorrido.
Que Deus o abençoe e fortaleça, hoje e sempre.
Com grande estima.

Ariovaldo Cavarzan
Campinas (SP) Brasil



CONTADORES DE TEMPO


Contadores de tempo, em batalhão,
Contam tempo em batalhas da vida,
Ferindo firmes calcanhares no chão,
Em sinuosos campos de subida e descida.

Um, dois, três, quatro,
Cinco, seis, sete, oito!...
Anotam tempos já vividos,
Contando idades pelo que ainda vem.

Solidão, saudades, dores,
Relembranças do que passou,
Em corações varridos de vento
E em suspiros de quem muito amou.

Em argamassa d'água, terra, fogo e ar,
Espargem sementes por munições de obuses,
Fazendo vicejar flores e não cruzes,
Em eterna espera de sempre e sempre andar.

Contam tempo os contadores,
Legando à retaguarda miríades de cores,
Em faina de enfeitar nostalgias de amores,
Vicejados em campos de ilusões.

Ariovaldo Cavarzan

 

 

para Índice Geral  para pág 3

Registre sua opinião no

Livro de Visitas: