Antologia Virtual

- XI -

Outubro 2012

 

ORGANIZADORA:

Maria Beatriz Silva (Flor de Esperança)

Pág. 5  de  13 Págs.

ELIZAETE RIBEIRO

 

TEMPOS QUE NÃO VOLTAM MAIS...


Nos meus tempos de criança era assim: brincávamos de roda, de carrinho de rolimã, de pique - esconde, de amarelinha, e de estatua. O dia parecia mais longo e as tardes mais fagueiras, as noites eram mais enluaradas, e o céu pontilhados de estrelas.
Nos meus tempos de criança ganhei brinquedos que se tornaram inesquecíveis e as mãos dos doadores nunca esqueci. Os pais
eram mais rígidos, mamãe, por exemplo: não teve amigos na infância, e nem brincar podia, já nos meus, os dias eram mais festivos, roupas novas aos domingos, a páscoa era comemorada de forma religiosa, a família toda reunida, sem tecnologia, o calor humano nos unia, não sabia que existia coelhinho, muito menos chocolate na páscoa. Meio do ano, banquete de festas juninas, me recordo da imensa fogueira no pátio da casa grande, vovô ateiava fogo nela, queimava por três dias sem parar, o rojão não podia faltar, e nem o som da velha vitrola. No fim de ano, Natal, essa data memorável, inesquecível, o grande banquete; peru, pernil, e muito biscoito de polvilho, a família toda em volta da mesa, o vinho tinto, as iguarias de vovó, eram deliciosas. Confesso que recordo com saudade, porque eles foram assim: Felizes.

Elizaete Ribeiro

Biografia do Autor em:

http://www.caestamosnos.org/autores/autores_e/Elizaete_Ribeiro.htm


FÁTIMA MELLO(FOFINHA)

 

SOU


Sou brisa mansa,
após dia escaldante.
Sou chuva fina,
que molha e refresca a'lma.
Sou o antes e o depois
Sou o certo,o errado
Sou o branco, o negro
Sou a vida, e a morte
Sou a verdade e a mentira
Sou quem dá, mas quem tira
Sou verbo,substantivo
Sou a rosa, sou espinho
Sou o sim , o não
Sou o verso e o reverso
Sou o côncavo e o convexo
Sou certeza e incerteza
sou...sou...sou
sou ...tantas...sou
Mas quem é mesmo que sou?
e nesse emaranhado de ser
con tantas incertezas eu apenas sou.

Fátima Mello(fofinha)

Biografia do Autor em:

http://www.caestamosnos.org/autores/autores_f/Fatima_Mello.htm


FERNANDES OLIVEIRA

 

NÃO CULTIVO A LÍNGUA EM PORMENORES


Não cultivo a língua em pormenores
nas vírgulas e acentos graves
mas não são dela donos, os senhores
que aos meus versos põem entraves.

a vagar estão qual rapinas aves
em busca de carnicentos odores
e qual Pilatos que nas águas lavem
a boca dos comentários zombadores.

se prevalecer a força, morre o diálogo
e sendo o verso metafórico e análogo
se postará de forma sempre enfática,

mas jamais, em nenhum momento,
haverá de se sobrepor ao sentimento
ou ao meu lirismo a matemática.

Fernandes Oliveira

Biografia do Autor em:

http://www.caestamosnos.org/autores/autores_f/Fernandes_de_Oliveira_Cerqueira.htm


HUMBERTO RODRIGUES NETO

 

DESFECHO


Sei que é preciso, deste amor suspeito,
esperar dias hibernais, tristonhos,
e estar consciente de cruciais, medonhos
e atros suplícios a ferir-me o peito!

Sim, é preciso que eu, a teu respeito,
não borde anseios por demais risonhos,
nem ponha em altos pedestais meus sonhos,
nem sonhe o Éden no teu níveo leito!

Se houver o adeus final de um sonho ardente,
que eu me acostume a não te ver jamais
e viva apenas de um idílio ausente...

Fins de romance...Tão comuns e iguais...
a flor-mulher que amamos loucamente,
que um dia nos deixa... E que não volta mais!

Humberto Rodrigues Neto

Biografia do Autor em:

http://www.caestamosnos.org/autores/autores_h/Humberto_Rodrigues_Neto.htm


HELENITA SCHERMA

 

MEMÓRIAS


Ah, pensamento vil! Ah, coração maldoso!
Por que me atormentar com inúteis memórias,
Se lá se vão tão longe as minhas histórias
E o prazer pueril de um tempo saudoso...

Por que esta nostalgia chegou de repente
E sem pedir licença acabou por ficar?
Quem foi que permitiu que adentrasses meu lar
E espalhasses no ar o olor reminiscente?

Ah!... cada cena passada no olhar se projeta;
Fico aquii sem estar e lá não estou também!
Como se o ontem e o hoje morassem no além

E a minh’alma ansiosa vagasse, inquieta,
A abrir porta a porta, num longo corredor,
Tentando descobrir para onde foi o Amor!

Helenita Scherma

Biografia do Autor em:

http://www.caestamosnos.org/autores/autores_h/Helenita_Scherma.htm


 
     

                                 para 6ª pág.