Antologia Virtual

X

Setembro 2012

Pág. 16 de  16 Págs.


 

 

71 - VON TRINA

von Trina, Poeta ideólogo do movimento «Hiper-Espiritualista», assume definitivamente desde1988 o nome literário de ‘von Trina’. Cedo se desdobra, seguramente a
partir deste pseudónimo, em vários heterónimos [são-lhe conhecidos em 2003, pelo menos seis (6), havendo a carteza que alguns dificilmente serão associados ao autor], no âmbito da poesia, crítica literária, intervenção cultural e artigos de opinião. Desde meados de 2004, adoptou a assinatura,
von Trina, suicidário-literário.
Nasceu a 8 de Julho, na Lisboa dos anos sessenta, mas reivindica naturalidades nas três Beiras portuguesas, a genética (Proença-a-Nova, Beira Baixa), a afectiva (Coimbra, Beira Litoral) e a adoptiva (Gouveia, Serra da Estrela, Beira Alta), assumindo assim, um gesto de desafio ao pensamento insuportavelmente 'queque' do eixo Lisboa-Estoril-Cascais, onde aliás manteve residência durante mais de 30 anos. Actual e muito recentemente, vive na portuguesa lezíria ribatejana , na histórica vila de Samora Correia.
Escreve desde que tem consciência da força da palavra e da importância da atitude, dispersando colaboração descontínua –com diversos heterónimos- em jornais, revistas e nomeadamente no ‘site’ «CÁ ESTAMOS NÓS». Desde 1996, está regularmente representado em colectâneas poéticas (livros e CD’s), tendo o grupo “ESCOLA VELHA-TEATRO DE GOUVEIA” incluído no seu espectáculo “NOITE DE POESIA”, trabalhos seus. Foi membro dos “Jograis Orpheu”, participando (também individualmente) em incontáveis sessões de divulgação cultural por todo o país, de escolas a lares de 3ª idade, de cafés a livrarias. Animou ainda a “Tertúlia Orpheu”. É membro fundador do grupo “O SEU CONTRÁRIO – Música, Poesia & Jograis”, cuja intensa intervenção cultural, se reflecte em 2 CD’s gravados e dezenas de recitais, no primeiro ano de actividade.
Foi considerado pelos leitores da revista cultural on-line, “ARTJORNAL”, ex aequo com o Prémio Nobel da Literatura de 1982, Gabriel Gárcia Márquez, como o vencedor da categoria ‘Literatura 2003’. Individualmente é autor das obras, «A Dádiva Astuciosa dos Deuses», poesia, Editorial Minerva, 2000; «SÓ O AMOR de um ser interessante É belo e excitante», poesia, Biblioteca Virtual do Portal Cá Estamos Nós e da peça teatral «A Retirada», sobre a guerra colonial portuguesa (1961-1974) em África (Guiné-Bissau). Actualmente está no prelo o seu último livro de poesia inédita (CE), a publicar em breve, em papel e em versão on-line.
Manuel Farinha,
in ‘von Trina - Biografia Insustentável do Poeta’

 

O MEU PRIMEIRO ORGASMO


a minha memória festa
sorriso perpétuo bom
sabe ainda bem
em mim-eu
deus omnipotente
possuidor do céu e da terra

hoje
a minha toda
subversão
devassidão
fecunda raízes
fugazmente sublimes
nas vertiginosamente inclinadas
meia hora precedente
e seguintes
desse cúmulo

eu
digo eu
serei ELA talvez
a sensibilidade a ternura
como matiz
ainda o também
savoir-faire savoir-vivre
de sex appeal
inegável estonteante
ai sorte
que tendo sido tido
tive tendo-A

e AFIRMO
ASSEGURO E JURO
não foi crime
não sendo
paixão relação instituição
FOI
de atenção amor
afinal
impulso desejo
perdição e tesão

e foi e É
horizonte da saudade
onde TE saúdo
PURA

solstícios
serenos e seguros uns
precoces desajeitados
virgens e imberbes outros
trinta e quatro teus
catorze meus
em mítico ritual
dissimulado
sacerdotiza e iniciado
eu personagem-mim
tu personificando
mãe-de-namorada

von Trina, suicidário-literário
Lisboa - Portugal

 

 

 

72 - WILSON DE OLIVEIRA JASA

Nasceu em São Paulo - SP - Brasil (12 de Setembro de 1954). Presidente das entidades: Casa do Poeta “Lampião de Gás” de São Paulo; Movimento Poético em São Paulo; Casa do Poeta Maçom do Brasil. Membro das entidades: Sociedade Mundial dos Poetas (Presidente de Honra); Movimento Poético Nacional; Ordem dos Jornalistas do Estado de São Paulo; Associação Paulista de Imprensa; Academia Paulistana Maçônica de Letras; Academia Maçônica Internacional de Letras; Ordem dos Velhos Jornalistas. Príncipe dos Poetas Paulistanos; Príncipe dos Sonetistas do Brasil; Príncipe dos Poetas Maçons do Estado de São Paulo. Autor dos livros: Elo Eternal (Poesias); A Pedra Francesa (Crônicas e Contos); A Rosa e o Poeta (Infantil); Pardalino o Pardal (Infantil); Poemas de Amor (Poesias). Organizador de mais de 50 Antologias e Coletâneas. Participação em dezenas de Antologias e Coletâneas no Brasil e Exterior.

 

AMADA MINHA


Em teu corpo sensual tens o perfume,
da mais sensível flor, rosa de amor;
mas mesmo nos meus braços tens queixume,
querendo para ti bem mais calor.

Voas em sonho pra mim, qual vaga-lume,
iluminando a noite com fulgor;
és minha doce amada com teu lume,
que é meu nume em momento abrasador.

Inspiradora musa da poesia,
que transporta meu ser na fantasia,
fazendo-me viver o amor paixão.

És tu, amada minha e companheira,
minha mulher e amiga verdadeira,
quem aquece ninh’alma e coração.

Wilson de Oliveira Jasa

 

 

 

73 - ZZCOUTO

Maria José S.R.Couto, nascida no Estado do Rio de Janeiro, residente em Niterói-RJ, cidade em que ama viver. Chegou à Internet no ano de 2004 com suas formatações em slides (pps) e assinando como ZzCouto, se tornou conhecida.
No ano de 2006, foi criado o site http://www.zezecoutoslides.com/
a menina de seus olhos, onde são hospedados os slides por ela elaborados e também os poemas que escreve...
No ano de 2008, começou a passar para o papel, suas inspirações, que até então não haviam sido reveladas.
No mesmo ano de 2008, criou o seu próprio grupo:
Grupo ZzCoutoSlides, através do qual envia seus slides e poemas para aqueles que solicitam, em forma de atualizações do site.
Artista plástica, participou de várias exposições nas quais obteve premiações.
Ama as cores do arco-íris que envolvem, enlevam e transmitem a alegria de viver... A beleza das cores extasiam a sua sensibilidade.
Gosta de leitura, escrita, teatro, música e de um bom filme, sem preferências por autores e atores...
Me chamam de poetisa. Mas sou apenas um ser de alma sensível que ao se inspirar, transmite para um pedaço de papel, o que sai de dentro de meu coração...
Pratico a religião Católica Apostólica Romana, respeitando as demais crenças que levam a um só Pai: Deus!
ZzCouto, pessoa simples, que luta pelos seus ideais!!!
Com carinho, ZzCouto

 

DESTROÇOS


Fez-se o amor do nada e nada ficou,
a vida, o corpo, a máscara e a fala,
tudo passou, porque tudo é efêmero...
Jogados na surdez do eco...

O amor se perdeu com o esquecimento,
se foi com a brisa fresca,
roçando minha face ardente,
e o meu corpo dorido ansiando prazer...

Nas noites inócuas e vazias,
num simples aceno, o amor se perdeu,
indo as lembranças e os carinhos,
afogados num copo vazio...

De um amor que se perdeu,
lembranças e saudades somente,
onde eu era o piscar da primeira estrela,
até não restar mais nada de mim...
Simplesmente destroços!

ZzCouto

 

 

 

74 - ROZELENE FURTADO DE LIMA

Rozelene Furtado de Lima –Teresópolis/RJ/ Brasil. Professora., Bibliotecária, Escritora, Poeta. Livros: Banquete de Idéias de memórias e “No Limiar Sex” de poemas; Participante dos livros: Nous Les Femmes Du Brésil e Le Grand Show des Ecrivaines Brésiliennes-Paris; We, Womem of 21th Century-NY; .“Quando Os Povos Se Encontram” Roma; “Mil Poemas a Pablo Neruda/Chile e em mais de cem Antologias nacionais e internacionais. Textos na revista literária “VARAL DO BRASIL”-Brasil/Genebra; verbete no Dicionário de Mulheres Escritoras de Hilda Flores; Membro da Associação Internacional de Escritores e Acadêmicos; Membro da AVBL; Associada à Rede de Escritoras Brasileiras.; Integrante do Grupo A.G.U.I.A. Membro de Poetas Del Mundo. Membro Correspondente da Academia de Letras de Teófilo Otoni- ALTO-MG;
http://www.rebra.org/escritora/escritora_ptbr.php?id=1573
http://www.poetasdelmundo.com/verInfo_america.asp?ID=5991
www.varaldobrasil.ch/182178/183685.html
www.camarabrasileira.com/gal-ranyane.htm

 

O MUNDO ACABOU EM CARNE SECA


Acabara de colocar as crianças para dormir e olhava-as com carinho. Teve quatro filhos e três maridos, mas não sabia com qual dos maridos tivera dois filhos.
O primeiro marido, alto moreno, magrinho e trabalhador. Calado, silencioso e muito organizado. Morrera de acidente de moto. Ficaram juntos dois anos.
O segundo era um estrangeiro, cabelo ruivo estatura média e falava com dificuldade o idioma dela. Depois de três anos de casa desapareceu. Ela esperou, esperou e nada.
O terceiro tinha um temperamento descontraído, muito bom humor. Trabalhava como gerente numa fábrica de bebidas. Viveram dois anos juntos e felizes. Num final de semana ele foi buscar a mãe para morar com eles. A mãe estava viúva e sozinha. Ele voltaria no máximo em um mês, só o tempo necessário para resolver todas as questões da mãe.
Dessa vez quem saiu da casa com os filhos foi ela. Tinha quatro filhos e tivera três maridos e não sabia com quem teve dois filhos. Morar com sogra nunca!
Ligou para o pai que vivia num país vizinho e pediu para buscá-la.
Era pequena, magra, cabelos negros e sempre presos numa longa e muito bem feita trança. Que é que era atraente naquela mulher que tinha quatro filhos e tivera três maridos e não sabia com qual deles teve dois filhos? O dedo indicador estava fininho de tanto chupar e quando estava ocupada com os afazeres domésticos, disfarçadamente tirava uma chupeta de dentro do porta seios, sem chupeta o serviço não rendia. Ela sorria com os olhos e com o dedo na boca. Parece que essa atitude fascinava os homens. Era cuidadosa, caprichosa, dengosa e sedutora.
Quando ouviu no rádio que o mundo ia acabar na sexta-feira ficou muito preocupada.
Foi perguntar ao seu mentor espiritual se podia ser verdade que o final do mundo estava próximo, ao que ele explicou: - ninguém sabe ao certo que dia o mundo vai acabar, mas viva como se fosse acabar na sexta-feira, faça tudo que tenha para fazer, aproveite a semana para colocar a vida em dia, faça o que você mais gosta e assim estará preparada para o final do mundo sem precisar mais se preocupar. Berenice foi pelos caminhos pensando no que ouviu, e pensou... Pensou... E pensou e continuou pensando. Quando chegou a casa beijou os quatro filhos e olhou demoradamente para todos e sabia que dois eram filhos de um dos três maridos, mas com qual dos maridos tivera dois filhos?
No dia seguinte (quarta-feira) pela manhã falou ao pai que queria ir à cidade fazer umas compras. O pai mandou o chofer levá-la e recomendou ao empregado que não desgrudasse dela, ela poderia ir embora e ele amava muito os netos e a filha. Quando ela regressou das compras foi logo para cozinha e avisou a cozinheira – “quem vai fazer o almoço amanhã sou eu”. Dito e feito. A preparação começou na noite de quarta-feira, colocou a carne de molho para dessalgar. Fez um caldeirão enorme de feijão com carne seca para o almoço de quinta-feira. Todos acharam deliciosa a feijoada. Ela comeu muito, mas muito mesmo no almoço e precisou tomar um chá digestivo. No jantar ela comeu mais do que no almoço. Passou mal à noite, foi parar no hospital. Pela manhã voltou para casa, deitou-se e ansiosa aguardou o Fim do Mundo. E ele não veio!
E cada semana ela aparava as arestas e embelezava-se por dentro e por fora: - não acumulava mais nada, sorria sempre, cultivava as amizades e o bom humor, amava com intensidade e aprendeu a conviver com as adversidades sem se lamentar e principalmente aproveitar o tempo, pois só tinha até sexta-feira quando “O Final do Mundo iria chegar”
E dessa forma ela passava a semana ocupada realizando coisas boas. Tinha decidido que quando o Final do Mundo viesse estaria prontinha para viagem derradeira. Esperava pelo Final do Mundo como se ele fosse um pretendente que a levaria para sempre. Imaginava que ele amorosamente carregava-a nos braços por um longo caminho sem volta e ela deixava-se conduzir cheia de felicidade. Até o vício de chupar o dedinho e a chupeta ela abandonou receosa de quando chegasse ao céu fosse rejeitada na seleção para ser anjo. Anjo não poderia ter defeitos.
E toda semana era a mesma coisa – comia feijoada com carne seca – e comia mais e sempre mais. Até que numa dessas sextas-feiras foi levada ao pronto socorro às pressas.
Finalmente ele chegou!!! Ela acompanhou-o com um sorriso nos lábios de satisfação!!!
No dia anterior, quinta-feira, tinha completado noventa e sete anos.
Ninguém viveu mais feliz e comeu mais feijão com carne seca do que Berenice a mulher que teve quatro filhos e três maridos e não sabia com qual deles tivera dois filhos, que dividiu a vida em semanas, viveu cada semana como se fosse a última, refinou o gosto pelo bem viver preparando-se para a chegada do tão esperado Final do Mundo.

Rozelene Furtado de Lima

 

 

 

 

     para Antologias   

                               .