HISTÓRIA de P O R T U G A L

(Resumo)

 

 

 

República Portuguêsa

 

 

(1910 - ...)

 

 

 

Trabalho e Pesquisa de Carlos Leite Ribeiro

 

 

 

 

 

 

 

A Bandeira Nacional

 

 

Com a proclamação da República, foi adoptada a Bandeira Nacional Portuguesa verde e vermelha, em substituição da azul e branca.

Além daquelas duas cores – verde-escuro e vermelho-claro – a Bandeira Portuguesa tem ao centro o escudo de Portugal sobre a esfera armilar – em amarelo – que representa as nossas descobertas marítimas, através de todo o globo terrestre. O Escudo – em vermelho e branco – contém ao centro as cinco quinas – em azul – que representam os cinco reis mouros vencidos em Ourique por D. Afonso Henriques. Os cinco pontos brancos que se vêem em cada quina representam as cinco chagas de Jesus Cristo. Os sete castelos – em amarelo – sobre a parte vermelha do escudo, simbolizam os sete castelos (Albufeira, Aljezur, Cacela, Castro Marim, Estombar, Paderne e Sagres) tomados aos mouros por D. Afonso III.

 

 

"A Portuguesa"
Hino Nacional Português


Data: 1890 (com alterações de 1957)

 

 

 

Letra: Henrique Lopes de Mendonça Música: Alfredo Keil

 

 

I  (cantado em actos oficiais)


Heróis do mar, nobre povo,
Nação valente e imortal
Levantai hoje de novo
O esplendor de Portugal!
Entre as brumas da memória,
Ó Pátria, sente-se a voz
Dos teus egrégios avós
Que há-de guiar-te à vitória!
 

Às armas, às armas!
Sobre a terra, sobre o mar,
Às armas, às armas!
Pela Pátria lutar
Contra os canhões marchar, marchar!
 

II
Desfralda a invicta Bandeira,
À luz viva do teu céu!
Brade a Europa à terra inteira:
Portugal não pereceu
Beija o teu solo jucundo
O oceano, a rugir de amor,
E o teu Braço vencedor
Deu mundos novos ao mundo!
 

Às armas, às armas!
Sobre a terra, sobre o mar,
Às armas, às armas!
Pela Pátria lutar
Contra os canhões marchar, marchar!


III
Saudai o Sol que desponta
Sobre um ridente porvir;
Seja o eco de uma afronta
O sinal de ressurgir.
Raios dessa aurora forte
São como beijos de mãe,
Que nos guardam, nos sustêm,
Contra as injúrias da sorte.
 

Às armas, às armas!
Sobre a terra, sobre o mar,
Às armas, às armas!
Pela Pátria lutar
Contra os canhões marchar, marchar!
 


Trabalho e pesquisa de Carlos Leite Ribeiro – Marinha Grande - Portugal