Grandes Entrevistas Carlos Leite Ribeiro
 
 

 

 

 

 



 
A. A. Assis
 
 

 
 

Antônio Augusto de Assis
 

          Como habitualmente desde que me conheço como Jornalista, gosto sempre de pesquisar o local onde vou fazer a entrevista, seja ela real ou virtual. Será um "defeito profissional" ? Talvez.
          Estava no Rio de Janeiro e tinha agendada uma entrevista com o António Augusto de Assis, em Maringá PR. Consultei o mapa e vi que estava a 1.100 Km de Maringá, e para lá chegar, podia ser de automóvel, ou de ônibus (Viação Garcia), ou de avião (GOL ou VARIG). Optei pelo avião e pela Varig, uma companhia aérea muito conhecida. Já no avião e antes de aterrar no Aeroporto Silvio Name, fui lendo os apontamentos de uma pesquisa que fiz sobre Maringá:
          John dos Passos, viajante inglês ao descrever a cidade, em 1954.
          Fonte: "O Brasil Desperta", trad. Pinheiro de Lemos, Record, RJ, 1964

           Seu Nascimento
          Maringá, fundada pela Companhia Melhoramentos Norte do Paraná, foi traçada obedecendo a um plano urbanístico previamente estabelecido. Praças, ruas e avenidas foram demarcadas considerando, ao máximo, as características topográficas da área escolhida, revelando preocupação lúcida no que se refere à proteção de áreas verdes e vegetação nativa. Com esta filosofia, caracteristicamente contemporânea, nasceu Maringá, a 10 de maio de 1947, como Distrito de Mandaguari. Em 1951 foi elevada a Município, com os distritos de Iguatemi, Floriano e Ivatuba. Em 1954 foi instalada a Comarca de Maringá. Hoje é a sede de uma grande região que abrange cem municípios.

         
 
           Urbanização de Maringá

          Maringá nasceu na prancheta de desenhos do Arquiteto e Urbanista Jorge de Macedo Vieira, paulista, responsável por projetos como o Jardim América, de São Paulo e Águas de São Pedro, na região de Piracicaba. Contratado pela Cia. Melhoramentos Norte do Paraná, Jorge de Macedo Vieira jamais esteve aqui e, no entanto, criou um projeto considerando na época, 1945, como um dos mais arrojados e modernos, seguindo apenas a orientação da Cia que exigia largas avenidas, muitas praças e espaços para árvores. A grande preocupação da Cia. Melhoramentos, ao encomendar a confecção do projeto urbanístico a um engenheiro tão ilustre, era a de conjugar o plano urbano à topografia da região. Essa preocupação fica latente quando caminhando por Maringá, podemos observar suas ruas retas e largas e amplas avenidas com ajardinamento central, onde a especulação imobiliária, de início, não teve vez.
          Planejada para ser uma cidade de 200 mil habitantes (hoje já com número muito maio), numa atividade considerada na época como "Visionária", Maringá transformou-se num grande centro de convergência econômica e esse sucesso deve-se em grande parte ao traçado urbanístico original que previa zona industrial, zona comercial e zona residenciais. Jorge de Macedo Vieira e sua equipe realmente planejaram uma cidade nos moldes de uma cidade ultra moderna, distribuída da seguinte forma:
          - uma avenida principal, a Av. Brasil, que atravessaria a cidade de ponta a ponta;
          - quarteirões rigorosamente planificados, subdivididos em datas (terrenos menores), que formariam as diversas zonas, cada qual destinada a uma finalidade: zonas residenciais destinadas à classe média, zonas residenciais populares, zona industrial, Centro Cívico, aeroporto, estádio municipal, núcleos sociais, etc.;
          - o comércio ficaria concentrado na zona 1, onde ainda se localizariam os edifícios públicos do Centro Cívico: Prefeitura Municipal, Fórum, Biblioteca Municipal e Agências dos Correios e Telégrafos. No Centro Cívico também seria construído um hotel – atual Bandeirantes Hotel e a futura Catedral, hoje Catedral de Nossa Senhora da Glória, cuja arquitetura, em estilo arrojado e futurista, tornou-se o símbolo de nossa cidade, sendo considerado o décimo monumento, em altura, mais alto do mundo e o 1° da América Latina.
          - A zona 1 ainda concentraria, fora da área denominada "Centro Cívico", estabelecimentos bancários, centrais de telefonia, mercado público, estações rodoviária e ferroviária. As zonas 2 e 5 foram consideradas como áreas de categorias residencial; a zona 4 seria destinada a residências, ao lado da Vila Operária e na zona 3 ficariam faixas destinadas à fixação do parque industrial.
          Nenhuma casa poderia ser construída fora do planejamento geral e zonas residenciais Ter-se-ia que deixar um espaço na frente, para jardins e muros. Não se permitia também a construção de prédios em desobediência ao plano determinado, notadamente com relação a altura. Preocupada com a questão ambiental que a derrubada da mata fatalmente abalaria, a Cia solicitou ao arquiteto Jorge de Macedo Vieira que fizesse constar no desenho original de Maringá, três áreas ecológicas e que hoje formam um verdadeiro "pulmão verde". São elas:
          - Horto Florestal "Dr. Luiz Teixeira Nendes", área de propriedade da Cia Melhoramentos, com 17,5 alqueires, imaginada como ponto de reserva e destinada também à criação de mudas para recomposição da arborização urbana;
          - Parque do Ingá, com 19,5 alqueires, de início uma preservada naturalmente, mas que foi urbanizada em 1970, tornando-se um dos mais conhecidos pontos turísticos da cidade. No Parque do Ingá podemos encontrar um jardim zoológico, jardim japonês, numa homenagem ao imigrante em maior número na cidade e represa, na qual os visitantes podem passear de pedalinho;
          - Bosque Tupinambá ou "Bosque Dois", como é mais conhecido, com cerca de 25 alqueires. Constitui-se numa reserva natural da mata original.
          Essas três áreas ecológicas estão localizadas no perímetro urbano. Maringá, possui uma das maiores concentrações de área verde – 26,65 metros quadrados – por habitante. São 90 alqueires de matas nativas, distribuídos por 17 bosques e milhões de árvores de diversas espécies plantadas ao longo das ruas e avenidas.
          - Acácias, Quaresmeiras, Paineiras, Ipê Roxo, Ipê Amarelo, Pata - de –Vaca, Flamboyant, Jacarandá-mimoso, Tamareira do Oriente, Acácia Imperial, Palmeira Imperial e outras.
          Sobre a tão decantada arborização de Maringá, iniciada em 1949, não podemos deixar de lembrar três nomes, considerados os verdadeiros criadores do projeto paisagístico:
          - o primeiro, Dr. Luiz Teixeira Mendes, chegou aqui em 1949, contratado pela CMNP e que tinha exercido a função de Chefe do Serviço Florestal de São Paulo, foi o idealizador da paisagem urbana da cidade. Profundo conhecedor de Botânica e um grande técnico em Sivicultura, o Dr. Luiz Teixeira Mendes, preocupou-se primeiro em formar canteiros, dentro do Horto Florestal, para acomodar as diversas mudas que vinham principalmente de São Paulo, encomendadas pela Cia Melhoramentos para serem plantadas em nossa cidade. Foi auxiliado nessa tarefa, a partir de 1952, e depois substituído na função de "jardineiro" da cidade, pelo Eng° Agrônomo Aníbal Bianchini da Rocha, que procurou seguir o plano paisagístico em consonância com o traçado original: para cada rua, avenida ou praça era escolhida uma espécie de árvore, de tal maneira que Maringá é uma das poucas cidades do país a terem árvores floridas durante todo o ano. Um terceiro nome a ser lembrado quando se fala da paisagem urbana da cidade, é Geraldo Pinheiro Fonseca, Funcionário da Cia Melhoramentos e que era encarregado do plantio de árvores, tendo sido ele a plantar a primeira árvore do perímetro urbano, na esquina das Av. Duque de Caxias com a rua Joubert de Carvalho, em frente aos escritórios da CMNP.

           A Origem do Nome
          A cidade de Maringá teve seu nome extraído de uma canção muito famosa na época, intitulada Maringá, de autoria do Compositor Joubert de Carvalho, daí advindo o nome da "Cidade Canção" (*). Entre as datas que marcaram a história de Maringá estão a da instalação da telefonia automática, em 1953 e a da chegada do primeiro trem no ano seguinte. Maringá, terceira cidade do Estado de Paraná, está localizada no Norte do Paraná, é cortada pelo trópico de capricórnio e possui altitude de 554,9 metros.
          Por estar localizada entre os rios Pirapó e Ivaí, que fazem parte da Bacia Hidrográfica do rio Paraná, Maringá possui um solo de grande fertilidade, denominado Latossolo Roxo Distrófico. O Clima é subtropical com chuvas de verão e inverno seco. Além das características climáticas e de localização, a cidade se favorece também das rodovias BR 376 (Maringá - Curitiba), BR 369 (Maringá - São Paulo), BR 317 (Maringá – Foz do Iguaçu) e BR 323 (Maringá – Guaíra), que possibilitam o deslocamento às cidades da região e a outros Estados. Os transportes aéreos e ferroviários também compõem essa estrutura. Maringá faz parte das cidades turísticas do Brasil, pela beleza natural, com seus bosques centralizados e também pela belíssima Catedral de Nossa Srª da Glória, em forma de cone, com 124 metros de altura e suas fontes no mesmo formato. É o décimo monumento mais alto do mundo.
         
          Ainda no avião, fui trauteando, muito baixinho (porque alto seria um desastre) a canção que deu o nome a Maringá:
          (*) Maringá - Canção - Joubert de Carvalho
         
          Foi numa leva que a cabocla Maringá / Ficou sendo a retirante que mais dava o que falá,
          E junto dela veio alguém que suplicou / Pra que nunca se esquecesse
          De um caboclo que ficou.
         
          Maringá, Maringá, / Depois que tu partiste / Tudo aqui ficou tão triste / Que eu garrei a imaginá
          Maringá, Maringá, / Pra haver felicidade, / É preciso que a saudade,
          Vá bater noutro lugá.
         
          Maringá, Maringá, / Volta aqui pro meu sertão, / Pra de novo o coração
          De um caboclo assucegá.
         
          Antigamente uma alegria sem igual, / Dominava aquela gente / Da cidade de Pombal
           Mas veio a seca, / Toda a chuva foi embora, / Só restando então as água,
           Dos meus olhos chora!!!
          Finalmente cheguei ao Aeroporto Silvio Name, onde apanhei um táxi para o Hotel Deville, que fica próximo da enorme (em altura) Catedral. No bar deste hotel, já se encontrava à minha espera, o nosso entrevistado, o António Augusto de Assis. Depois dos cumprimentos e das boas-vindas, iniciámos esta entrevista:
          Carlos: - António Augusto de Assis, quais os seus passatempos preferidos ?: -
          Assis: - Olha Carlos, ler, escrever, conversar com amigos, brincar com os netos, navegar na Internet, viajar.
          Carlos: - Qual a sua profissão ?: -
          Assis: - Professor universitário (aposentado).
          Carlos: - Para você, o dia começa bem se ... ?: -
          Assis: - Logo cedinho ouço cantar um sabiá (fêmea) que mora no quintal vizinho. Fiz até uns versinhos para ele: "No quintal da casa da frente / mora um meigo sabiá ... / Mando um beijo, e ele, contente / Manda um gorjeio de lá !"
          Carlos: - Que influência tem em si a queda da folha e a chegada do frio ?: -
          Assis: - Não gosto muito do outono – inverno. Meu metabolismo funciona melhor na primavera – verão.
          Carlos: - A cultura será uma botija de oxigénio ?: -
          Assis: - Cultura só não é tudo porque acima dela está a capacidade de amar.
          Carlos: - Que livro anda a ler ?: -
          Assis: - Ando a reler as Confissões, de Santo Agostinho.
          Carlos: - Vamos falar de sua obra literária ?: -
          Assis: - Poesias, contos, crónicas; tenho e.Books no PortalCEN.
          Carlos: - Autores e livros preferidos ?: -
          Assis: - Poesia: Manuel Bandeira e Fernando Pessoa. Prosa: Machado de Assis e Guimarães Rosa.
          Carlos: - Música e autores preferidos: -
          Assis: - Tenho preferência pela música clássica. Da música popular brasileira, prefiro Caetano Veloso, Chico Buarque de Holanda e Milton Nascimento.
          A hora já era tardia e, assim, combinámos continuar a entrevista para o dia seguinte, aproveitando a gentil oferta do entrevistado, para um tour à cidade de Maringá.
          Na manhã seguinte e depois de ouvir o sabiá no quintal do vizinho, o António Augusto de Assis foi buscar-me ao hotel e iniciámos a passeio turístico pela linda cidade de Maringá.
          Passámos pela Catedral, Horto Florestal, , Teatro Municipal, Mesquita, Templo Budista, Cocamar (Cooperativa Agropecuária), Universidade Estadual de Maringá, Parque de Exposições (agrapecuária e industrial), Parque do Ingá (grande bosque que internamente tem um lago e um zoológico, além de trilhas para caminhada), etc.
         
          Durante o percurso, fomos fazendo perguntas ao nosso entrevistado:
          Carlos: - Para si, qual o cúmulo da beleza, e, da fealdade ?: -
          Assis: - Beleza, a pureza de coração; fealdade, a inveja.
          Carlos: - Qual a personagem que mais admira ?: -
          Assis: - São Francisco de Assis.
          Carlos: - De que mais se orgulha ?: -
          Assis: - Da família e dos amigos que me cercam.
          Carlos: - A sua melhor qualidade, e, seu maior defeito ?: -
          Assis: - Qualidade, talvez seja o respeito às crenças, convicções e preferências das outras pessoas; defeito, são tantos ... as um deles é a dificuldade de memorizar nomes e fisionomias.
          Carlos: - Uma imagem do passado que não quer esquecer no futuro ?: -
          Assis: - A infância vivida na terra natal, São Fidélis, Estado do Rio de Janeiro.
          Carlos: - Que vício gostaria de não ter?: -
          Assis: - O que eu mais gostaria de não ter, felizmente não tenho mais: era o de fumar.
          Carlos: - O arrependimento mata ?: -
          Assis: - Matou Judas, por exemplo, e por certo continua matando muita gente ainda hoje.
          Tinha chegado a hora do almoço, que foi realizado na Churrascaria Pavan, onde saboreámos um churrasco à moda gaúcha, regado por um vinho tinto seco. Embora o prato preferido do Assis, seja esparguete.
          Durante a refeição, o entrevistado foi falando da cidade de Maringá, que ele tanto ama:
          "Maringá é uma jovem cidade fundada no dia 10 de maio de 1947. Tem hoje cerca de 300 mil habitantes. Localiza-se a 400km de Curitiba (capital do estado), 400km de Foz do Iguaçu (fronteira com o Paraguai e Argentina), 620km de São Paulo. A economia local tem sua base principal no agronegócio (café, soja, algodão, trigo, pecuária), contando ainda com expressivo parque industrial. A cidade é também um importante pólo cultural, com cerca de 30 mil estudantes universitários. O monumento mais importante é a Catedral-Basílica de Nossa Senhora da Glória, em forma de cone, com 124m de altura. As ruas, avenidas e praças são fartamente arborizadas.
          Depois do almoço, fomos para uma esplanada da Praça D. Pedro 2º (Centro Cívico), onde se encontram a Prefeitura Municipal e outros serviços públicos, onde fizemos a última parte desta entrevista:
          Carlos: - Qual foi o maior desafio que aceitou até hoje ?
          Assis: - A missão de professor, que considero das mais importantes e delicadas, porque atua na construção de pessoas.
          Carlos: - Quando era criança ?: -
          Assis: - Era um menino "arteiro", meio sonhador, entusiasta dos esportes.
          Carlos: - E hoje, como se auto-define ?: -
          Assis: - Um homem de hábitos simples.
          Carlos: - Como vai de amores ?: -
          Assis: - Com 72 anos de idade, amor para mim é o carinho da família e a bem-querença dos amigos.
          Carlos: - Que género de filme daria sua vida ?: -
          Assis: - No máximo uma novelinha contando a história de um poeta amador.
          Carlos: - Acredita em fantasmas ou em "almas do outro mundo" ?: -
          Assis: - Não.
          Carlos: - E em histórias fantásticas ?: -
          Assis: - Não fazem parte das minhas preocupações.
          Carlos: - E na reencarnação ?: -
          Assis: - Acredito na vida eterna: um tempo infinito de infinita paz para os que na terra tenham sabido imitar Jesus Cristo no amor ao próximo.
          Carlos: - O que é para você o Esoterismo ?: -
          Assis: - Não sou íntimo do esoterismo.
          Carlos: - O imaginário será um sonho da realidade ?: -
          Assis: - Mais ou menos.
          Carlos: - Deus existe ?: -
          Assis: - Claro que existe ! Deus Pai, Deus Criador, Deus Amigo, Deus Amor.
         
          E assim, falámos de:
          Antônio Augusto de Assis
          Nascido em Fidélis RJ – em 07 de Abril de 1933
          Olhem a rosa os que ainda
          Costumam dizer-se ateus.
          - Ela é a resposta ais linda
          Quanto à existência de Deus !
 

Carlos Leite Ribeiro – Marinha Grande – Portugal

 



  

 

Livro de Visitas

Recomende

Retornar




Formatação: Iara Melo
 

 

Copyright © 2007 -  Cá Estamos Nós  Web  Page

Todos os Direitos Reservados