MAGAZINE CEN / Fevereiro 2012 “POESIA“

 

3º BLOCO

 

 

Edição de Carlos Leite Ribeiro

 

 

 

Joaquim Marques
V. N. de Gaia (Porto)

 

CARAVELA À DERIVA



Vem caravela, não vaciles sobre as ondas
De oceanos por ti nunca navegados...
Se tua carga são erros, não os escondas.
Em porto seguro serão descarregados.

Atreve-te, sem desviares tua rota!
Sulca todos os mares, iça tuas velas;
Assim, poderás juntar-te a outra frota
Porque este é o país das caravelas...

Aqui receberás treino necessário
Para navegares oceanos profundos;
A combater o mais temido corsário
E a dares novos mundos ao mundo.

Mesmo em noites de céu tenebroso
E carregado de nuvens pardacentas,
 Teu timoneiro é valente e fogoso...
Ele dobrará o cabo das tormentas.

Onde não reza história dos vencidos
Mas sim, a dos que com perseverança
Lhe mudaram o nome, convencidos
Ser ali, o Cabo da Boa Esperança...

Que, depois de dobrado, caravela,
Já com teus marinheiros, sem temores
Irás desaguar na lagoa mais bela...
A paradisíaca "Ilha dos Amores"...

Conta a lenda que lá desembarcaram
Briosos navegadores que, com pudor,
De formosas ninfas, desfrutaram...
As mais lindas histórias de amor!...

PORTUGAL

Joaquim Marques

 


 

 

José Hilton Rosa
Belo Horizonte

Cor de Romeiro


Moreno de cor
me valha com seu saber
o saber que não tem cor
me valha do medo

Moreno do fogo
faz medo em crianças de colo
o fogo que não queima
faz o brilho da vida

José Hilton Rosa

 

 

 

Juçara Medeiros Lasmar
Belo Horizonte - Minas Gerais

Carícias de Cristal

 

 

Gosto de estar só
sinto prazer
em me ouvir
falar comigo
e me ver
 
gosto de mim
quero momentos
compartilhados
comigo apenas
ao meu lado
 
poder brindar feliz
erguer a taça
vestida de vermelho
sentir carícias
de cristal
do meu espelho.
 
Carícias de cristal
tudo é tão frio
sinto falta de alguém ao lado meu
para poder compartilhar todos os momentos
os bons, os maus, os meus, os seus.
 
Aconchegar minha cabeça em seu peito
poder sonhar
enroscar os dedos nos seus pêlos
sentir na minha pele o seu pulsar
os meus lábios nos seus pousar.
 
Prazer compartilhar
todo o seu corpo
junto ao meu
e nossas mentes
em uníssono a vibrar
e dois são um
e somos uno
na felicidade
de estar juntos na vida a caminhar.
 

Juçara Medeiros Lasmar

 

 

 

Lauro Kisielewicz
Ponta Grossa - Paraná

Cósmico Lar


 
Dentre bilhões de galáxias,
jamais exploradas nem visitadas,
simplesmente avistadas,
através de potentes telescópios,
despertando a curiosidade
de sábios cientistas da humanidade...
ao cosmo se voltam indiferentes
ao que aqui atinge todas as gentes,
sejam ricos, classe média, indigentes...
vivendo em tribos, sítios ou cidades,
habitantes do belíssimo planeta azul,
autêntico paraíso com exuberância,
do leste ao oeste, do norte ao sul,
em um universo de tons e fragrâncias...
 
Estamos na iminência de ver se esgotar
suas fontes de recursos essenciais,
pela contaminação dos mananciais...
enquanto a ganância só visa aumentar
os ganhos imediatos a custo barato,
sem perceber que nesse mesmo ato
a vida enquanto vida tende a se esvair...
pois a terra já não consegue resistir
aos ataques poluidores e destruidores,
de tanta sujeira produzida e liberada
de forma louca e desenfreada,
entulhando rios, mares e enseadas...
ninguém mais importa-se em preservar
este pequeno planeta, nosso Cósmico Lar...
 
Lauro Kisielewicz

 

 

 

 

Luiz Carlso Leme Franco
Curitiba, Paraná

 

A VERDADE


 
Deve ser sentida.
Deve ser vivida.
Nunca pode ser repetida.

Luiz Carlso Leme Franco

 

 

 

 

 

Márcia Sanchez Luz  
Araras/SP

 

 

Lua Negra


 

Amo demais que até ferida brota
na cálida, escondida lua negra
dos meus delírios (dor que desintegra
calma desnuda em chuva de gaivota).
 
Os olhos choram mares, geram grotas,
fabricam densa nuvem que se integra
ao corpo equivocado pela entrega
sofrida num adeus desfeito em gotas.
 
Amo demais, eu sei, mas o que faço
se de outro jeito não conheço o amor?
A minha sina é nunca combater
 
o que me atrai e gera descompasso.
Se por um lado existe o dissabor,
tenho da vida a flor que vi nascer.

 

Márcia Sanchez Luz

 

 

 

 

 

Maria José Zovico
Limeira-São Paulo

 

 Antes do Adeus


Antes que a tarde caia calmamente,
Antes que as trevas invadam o mundo...
Deixa-me mirar meiga e docemente,
Neste teu olhar suave e profundo!...

Antes que o sol recline no horizonte,
Sua loura cabeça de Astro Rei
Um terno beijo em minha fronte,
De teus sedosos lábios sentirei...

Ah! Com o adeus não restará mais nada!
Só a lembrança do teu rosto amado...
Antes que venha a fria madrugada,
Deixa-me também sonhar ao teu lado...

Quero guardar nítida sua imagem
E fecharei nos olhos tua presença...
Porém falta-me em tudo esta coragem,
De então te pedir... Que permaneça!

Parte e se puder, que vá sorrindo
Lembra porém, nunca te esquecerei!
E, sempre que a tarde estiver caindo,
Cheia de perdão, a esperar, estarei!...

Maria José Zovico

 

 

 

 

Maria Luiza Bonini
São Paulo

A ENTREGA



Quando a um poema, minh' alma entrego, por inteiro
Sinto o sabor de um mergulhar, sem os meus medos
Como suaves ondas a acariciar indiferentes rochedos
À espera de que sejam, de minha ternura, mensageiras

Quando a um poema, minh' alma entrego, por inteiro
Sinto-me penetrar em um infinito que é só meu
Onde me torno, deliciosamente alada, em apogeu
Como o alegre libertar de um pássaro em cativeiro

Quando a um poema, minh' alma entrego, por inteiro
Sinto-me a mais afortunada de todas as criaturas
A desfrutar, de todas as benesses, a mais pura  

Quando a um poema, minh' alma entrego, por inteiro
Recebo as vibrações d' uma rara extasia, tão gratificante
Que a ele me consagro, com a fieldade una, de mulher amante

São Paulo/Brasil     

Maria Luiza Bonini

 

 

 

 

 

Maria Tomasia Middendorf
Rio de Janeiro

Sonhar Sempre



Para continuar a sonhar,
debruço-me nas costas do vento.
Não quero deixar a vida passar,
porém vê-la com deslumbramento.

Peço ao meu amigo vento
que me leve para bem distante,
para além do firmamento
onde sonhe por um instante.

O lugar é de intensa beleza,
circundado pelos jardins dos amores.
É a comunhão com a natureza;
há flores de todas as cores.

Mas, haverá um certo momento
em que voltarei  à crua realidade.
Sonhar sempre foi meu alimento:
só quem sonha, chega à  divindade.

Maria Tomasia Middendorf

 

 

 

 

Maura Soares
Florianópolis, Santa Catarina

MARCAS NA AREIA



Marcas na areia
ao fim da caminhada.
Meus pés, descalços,
figuram na estrada
por onde tantas vezes
ao meu lado percorreste.
Íamos como dois seres
que jamais iriam se separar.
Hoje,
só os meus pés marcam o caminho.
Trilho por esta vereda
com a lembrança daquele amor que,
levado pelo Criador,
deixou-me só nesta estrada
Para onde vou? Não sei.
Só sei que o companheiro, de mim  arrebatado,
partiu e no meu peito o amor sucumbiu.
Marcas na estrada.
Agora só dois pés caminham na certeza
que breve, no Além,
encontrarei novamente meu amor
pra caminhar comigo, novamente,
também.
Maura Soares

 

 

 

 

Wilson de Jesus Costa
Vila da Penha-RJ

MULHER
 


Mulher criança, mulher esperança
A mãe no futuro com muitas lembranças
Dos tempos passados, são os tempos idos
Jamais esquecidos, nunca perdidos
São as mulheres gentis comandando os homens Reinando com os filhos a casa,
seu castelo de bens...
Mulher, senhora rainha do calor e do frio E tudo arrumado do armário à vida
Mulher é perfeita, não deixa vazio Dá vida à vida, vida bem vivida Ganhou o
seu dia, a sua homenagem Dia Internacional, mínima percentagem Para quem
sempre merecerá ser dono do mundo Nem que seja ao menos por um par de
segundos...

Wilson de Jesus Costa

 

 

 

Fim do 3º BLOCO

 

PARA ÍNDICE         PARA 4º BLOCO