Dia de São Valentim

 

 

Dia dos Namorados – 14 de Fevereiro

Não só em Portugal como em muitos países

(no Brasil este evento comemora-se a 12 de Junho)

 

Trabalho e pesquisa de Carlos Leite Ribeiro

 

Arte Final: Iara Melo

 

 


As comemorações de 14 de Fevereiro, dia de São Valentim, como Dia dos Namorados, tem várias explicações possíveis – umas de tradição cristã, outras de tradição romana, portanto, pagã.
A Igreja Católica reconhece três santos com o nome Valentim, mas o santo dos namorados parece ter vivido no século IIIº depois de Cristo, em Roma, tendo morrido como mártir em 270. Em 496, o papa Gelásio reservou o dia 14 de Fevereiro ao culto de São Valentim.
Valentim era um sacerdote cristão contemporâneo do imperador Cláudio, que queria constituir um exército romano grande e forte; não conseguindo levar muitos romanos a alistarem-se, acreditou que tal sucedia porque os homens não dispunham a abandonar as suas mulheres e famílias para partirem para a guerra. E a solução que encontrou ... foi proibir os casamentos dos jovens !
Valentim ter-se-ia revoltado contra a ordem imperial e, ajudado por São Mário, terá casado muitos pares em segredo. Quando foi descoberto, foi preso, torturado e decapitado a 14 de Fevereiro.
A lenda tem ainda algumas variantes que acrescentam pormenores a esta história. Segundo uma delas, enquanto estava na prisão Valentim era visitado pela filha do seu guarda, com quem mantinha longas conversas e de quem se tornou amigo. No dia da sua morte, ter-lhe-á deixado um bilhete dizendo : "Do teu Valentim".
Quanto à tradição pagã, pode fundir-se a história do mártir cristão: na Roma Antiga, celebrava-se a 14 de Fevereiro ( que no calendário romano, coincidia aproximadamente com o início da Primavera) um festival, os Lupercalia. Na véspera desse dia, eram colocados em recipientes pedaços de papel com o nome das moças romanas. Cada moço retirava um nome, e essa moça seria a sua "namorada" durante o festival (ou, eventualmente, durante o ano que se seguia).
Com a cristianização progressiva dos costumes romanos, a festa de Primavera, comemorada a 14 de Fevereiro, deu lugar à comemorações em honra de São Valentim.
Há também quem defenda que o costume de enviar mensagens amorosas neste dia não tem qualquer ligação com o santo, datando da Idade Média, quando se cria que o dia 14 de Fevereiro assinalava p princípio de acasalamento das aves.
Com o andar dos tempos, o dia 14 de Fevereiro ficou marcado como a data de troca de mensagens amorosas entre namorados, sobretudo em Itália, Inglaterra, França e na Alemanha – e, mais tarde, nos Estados Unidos. Neste último país, onde a tradição está mais institucionalizada, os cartões de São Valentim já era comercializados no início do século XlX.
Actualmente, o dia de São Valentim é comemorado em cada vez mais países do mundo como pretexto para os casais de namorados trocarem presentes.
Se a Internet é, hoje em dia, um meio muito utilizado para suavizar a solidão, o que dizer dos que se apaixonam e querem mostrar isso no mundo inteiro ? A "rede" está cheia de sites onde há inúmeros casais a viver um grande amor, ou mesmo outros, sozinhos, a curtir imensas dores de um amor perdido ou ultrapassado.
Existem páginas de declarações ("Quando te conheci não sabia que te amaria tanto ...", ou "Eu nunca deixarei de te amar. Eu ainda te amo e sempre amarei" – etc., etc...). Tudo muito bem decorado com emails com fundo bonitos, flores, estrelas, corações e mais que a criatividade de momento dita. Mas quando chega o momento da verdade, os actos não correspondem a palavras ocas ...
Há os que expõem o seu "drama" em plena praça pública: " ... um sonho lindo, que durou alguns meses ..." – " ... só mais tarde soube que não tinha esquecido uma antiga paixão ..." – e ainda a "saga" toda do interlúdio, que vai desde a primeira mensagem até à esperança de recuperar esse amor; também, todos os dias rezo na esperança de ELE me ajudar a retirar este meu defeito que está fora da Sua Lei, esquecendo-se que será o próprio com a obrigação de arrepiar caminho, etc..
São Valentim, interceda por nós, que procuramos o verdadeiro Amor; nós, que pelo verdadeiro Amor que Vós nos ensinou somos capazes de remover as maiores montanhas ...

 

SÃO VALENTIM (Dia dos Namorados)

Que prenda hei-de dar à minha namorada ?... Um beijinho?... dou-lhe todo o ano e em qualquer altura – não é a solução ideal. Um jantar à luz de velas, com sobremesa no final ?... Hmmmm, fazemos isso muitas vezes durante o ano – também não é solução. Um ramo de flores ?... Com frequência ofereço-lhe – não dá. Um perfume, um baton ?... Ela é esquisita e eu não sou perito no assunto – passa adiante. Uma langeri preta ?... Não. Gosto tudo às claras – vai procurando. Uma carteira de pele de crocodilo?... – Tenho pena dos bichinos (ainda se fosse de uma jacaraca qualquer ...). Dizer-lhe que é a "única" mulher no mundo – É um grande exagero e ela pode acreditar... – hoje não estou nada inspirado ! Mas ...
Porque está tudo a imaginares estas coisas ?... Tu deves estar maluco, pois não tens namorada !...
Bem, vou pedir a São Valentim que dê ordens ao Cupido, para que este me arranje uma bela, meiga, sensual, inteligente e culta namorada ! (adenda: com uma sólida conta bancária e uns bens ao luar !...).
Como ? ... Não sei, eles é que têm os "esquemas" !
Autor Desconhecido ...
(O santo protector dos Namorados poderá ter sido decapitado por contrariar as ordens de Cláudio IIº)
As comemorações de 14 de Fevereiro, dia de São Valentim, como Dia dos Namorados, tem várias explicações possíveis – umas de tradição cristã, outras de tradição romana, portanto, pagã.
A Igreja Católica reconhece três santos com o nome Valentim, mas o santo dos namorados parece ter vivido no século IIIº depois de Cristo, em Roma, tendo morrido como mártir em 270. Em 496, o papa Gelásio reservou o dia 14 de Fevereiro ao culto de São Valentim.
Valentim era um sacerdote cristão contemporâneo do imperador Cláudio, que queria constituir um exército romano grande e forte; não conseguindo levar muitos romanos a alistarem-se, acreditou que tal sucedia porque os homens não dispunham a abandonar as suas mulheres e famílias para partirem para a guerra. E a solução que encontrou ... foi proibir os casamentos dos jovens !
Valentim ter-se-ia revoltado contra a ordem imperial e, ajudado por São Mário, terá casado muitos pares em segredo. Quando foi descoberto, foi preso, torturado e decapitado a 14 de Fevereiro.
A lenda tem ainda algumas variantes que acrescentam pormenores a esta história. Segundo uma delas, enquanto estava na prisão Valentim era visitado pela filha do seu guarda, com quem mantinha longas conversas e de quem se tornou amigo. No dia da sua morte, ter-lhe-á deixado um bilhete dizendo : "Do teu Valentim".
Quanto à tradição pagã, pode fundir-se a história do mártir cristão: na Roma Antiga, celebrava-se a 14 de Fevereiro ( que no calendário romano, coincidia aproximadamente com o início da Primavera) um festival, os Lupercalia. Na véspera desse dia, eram colocados em recipientes pedaços de papel com o nome das moças romanas. Cada moço retirava um nome, e essa moça seria a sua "namorada" durante o festival (ou, eventualmente, durante o ano que se seguia).
Com a cristianização progressiva dos costumes romanos, a festa de Primavera, comemorada a 14 de Fevereiro, deu lugar à comemorações em honra de São Valentim.
Há também quem defenda que o costume de enviar mensagens amorosas neste dia não tem qualquer ligação com o santo, datando da Idade Média, quando se cria que o dia 14 de Fevereiro assinalava p princípio de acasalamento das aves.
Com o andar dos tempos, o dia 14 de Fevereiro ficou marcado como a data de troca de mensagens amorosas entre namorados, sobretudo em Itália, Inglaterra, França e na Alemanha – e, mais tarde, nos Estados Unidos. Neste último país, onde a tradição está mais institucionalizada, os cartões de São Valentim já era comercializados no início do século XlX.
Actualmente, o dia de São Valentim é comemorado em cada vez mais países do mundo como pretexto para os casais de namorados trocarem presentes.
Se a Internet é, hoje em dia, um meio muito utilizado para suavizar a solidão, o que dizer dos que se apaixonam e querem mostrar isso no mundo inteiro ? A "rede" está cheia de sites onde há inúmeros casais a viver um grande amor, ou mesmo outros, sozinhos, a curtir imensas dores de um amor perdido ou ultrapassado.
Existem páginas de declarações ("Quando te conheci não sabia que te amaria tanto ...", ou "Eu nunca deixarei de te amar. Eu ainda te amo e sempre amarei" – etc., etc...). Tudo muito bem decorado com emails com fundo bonitos, flores, estrelas, corações e mais que a criatividade de momento dita. Mas quando chega o momento da verdade, os actos não correspondem a palavras ocas ...
Há os que expõem o seu "drama" em plena praça pública: " ... um sonho lindo, que durou alguns meses ..." – " ... só mais tarde soube que não tinha esquecido uma antiga paixão ..." – e ainda a "saga" toda do interlúdio, que vai desde a primeira mensagem até à esperança de recuperar esse amor; também, todos os dias rezo na esperança de ELE me ajudar a retirar este meu defeito que está fora da Sua Lei, esquecendo-se que será o próprio com a obrigação de arrepiar caminho, etc..
São Valentim, interceda por nós, que procuramos o verdadeiro Amor; nós, que pelo verdadeiro Amor que Vós nos ensinou somos capazes de remover as maiores montanhas ...

 

Trabalho e pesquisa de Carlos Leite Ribeiro – Marinha Grande - Portugal

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Arte Final: Iara Melo

Fundo Musical: Minha Namorada

Vinicius de Moraes/Carlos Lira

Voltar

 

 

 

 

 

Todos os direitos reservados ao Portal CEN -
Página criada por
Iara Melo