O Aleijadinho

 

Morreu a 18 de Novembro de 1814

 

 

 

 

 

Trabalho e pesquisa de Carlos Leite Ribeiro

 

Formatação: Iara Melo

 

António Francisco Lisboa, mais conhecido como Aleijadinho, nasceu em Ouro Preto – na época em que a cidade tinha o nome de Vila Rica -  no dia 29 de Agosto de 1730 e morreu a 18 de Novembro de 1814. Hoje, ele é considerado o mais importante artista plástico de estilo barroco do Brasil. Filho natural de uma escrava de nome Isabel, formou-se nas lides artísticas com seu pai, o arquitecto português Manuel Francisco Lisboa e com o tio, António Francisco Pombal, entalhador dotado. A sua obra como escultor, entalhador e arquitecto encontra-se nas igrejas de 11 cidades de Minas Gerais, mas, em Ouro Preto as principais esculturas e obras em talha e em Congonhas do Campo as mais significativas. Aos 50 anos de idade, ficou privado do uso dos membros inferiores e de alguns dedos das mãos – motivo da sua alcunha – mas manteve-se em actividade até dois anos antes de falecer. Autor de realizações imaginativas e expressivas, é tido como o maior dos artistas plásticos brasileiros.
Considerado filho bastardo, foi alforriado pelo pai no dia em que nasceu. Teve a infância acompanhada de perto pelo seu pai, que cuidou de sua educação. Aprendeu a ler e escrever, gostava de música e artes em geral. Conheceu o latim com seus amigos das irmandades religiosas. Através deles, tinha acesso às bíblias ilustradas e ficava deslumbrado com as gravuras e ilustrações.
 Era mulato, Seu pai, em 1741, participou dos arremates do Palácio dos Governadores e, mais tarde, trabalhou na decoração da Igreja de Santa Efigénia, em Ouro Preto; em 1766, projectou a Igreja de Nossa Senhora do Carmo, também em Ouro Preto. Seu tio, Francisco António Pombal, fora o primeiro a romper com as limitações de espaço na decoração das igrejas mineiras, acrescentando paredes de madeira à construção de taipa. Foi nesse meio, em contacto com mestres da talha e da escultura, que se deu a sua formação.
Visão de mulato, o carácter de brasilidade na concepção do barroco, e a saúde, robustez e dignidade de sua obra, aliaram-se para fazer do Aleijadinho o maior e mais admirado arquitecto e escultor de que se tem notícia em todo o Brasil colonial.

De personalidade forte e perseverante, teve noções de música e latim, aprendeu a ler, escrever, estudou desenho e arquitectura com os mestres da época. Em 1812 ficou totalmente paralítico e morreu pobre em 1814. Seu corpo está enterrado no interior da Igreja Matriz Nossa Senhora da Conceição.

António Francisco Lisboa herdou o apelido de Aleijadinho devido a uma doença misteriosa, popularmente conhecida na época como zamparina, que atacou seus membros, atrofiando-os. A mutilação não abalou suas forças; seus escravos prendiam os instrumentos em suas mãos.

A doença é implacável. Cada vez mais arredio, ele se esconde com a ajuda de seus leais escravos Maurício, Agostinho e Januário. Executa belas obras em Sabará e Congonhas do Campo, consagrando-se como o maior artista brasileiro do período colonial. Quando uma obra isolada do mestre escultor está diante de nossos olhos, ficamos com a impressão de que nela existe vida.

Por volta de 1766 é contratado pela Ordem Franciscana de Assis para construir a Igreja de São Francisco de Assis, sua obra-prima, na qual consagra seu estilo rococó. Seu nome e sua fama correm entre os aristocratas portugueses e de todos os lugares das Minas Gerais chegam convites para o mestre.

Num percurso de apenas duzentos metros em linha repta, na modesta cidade de Congonhas do Campo, entre as montanhas de Minas Gerais, a milhares de quilómetros dos grandes centros mundiais da civilização ocidental, acham-se concentradas 78 esculturas que compõem o mais esplêndido conjunto de arte barroca do mundo: são as 66 imagens no cedro dos Passos da Paixão e os 12 Profetas na pedra-sabão. Entre elas contam-se, no mínimo, 40 peças consideradas obras-primas. Esse conjunto, executado no espaço de apenas dez anos, de 1796 a 1805, por um só escultor, o Aleijadinho, e alguns oficiais de seu atelier, faz parte de um conjunto barroco mais amplo, que abrange algumas cidades da mesma região, tendo-se desenvolvido e florescido durante o curto período do século 18, e envolvendo alguns poucos arquitectos e escultores. Este é um fato único na História moderna da arte, tendo como precedente nas culturas ocidentais somente na arte da Grécia Antiga.

Morreu pobre, mas até hoje suas obras estão aqui para contar os mistérios e a vida das pessoas de Minas da época colonial.

Lista de obras:
Ouro Preto:
Hospício da Terra Santa – Projecto e execução do chafariz em esteatita, situado nos fundos do monastério;
Palácio dos Governadores – Risco em sanguínea do chafariz interno (1752); feito de uma mesa de jacarandá preto; dois bancos de encosto e dois bancos torneados (1761), peças não identificadas;
Chafariz do Pissarrão – Projecto do chafariz situado no Alto da Cruz, antiga rua Larga, proximidade da Igreja de Santa Efigénia (1761); busto de Afrodite no remate do frontão;
Igreja de Nossa Senhora do Carmo – Modificação do projecto original (1770); altares colaterais de Nossa Senhora da Piedade (1807) e de São João Batista (1809); acréscimo dos camarins e guarda-pós dos altares de Santa Madalena e Santa Luzia;
Casa do Açougue Público – Projecto e especificação do açougue (1771), obra demolida em 1797;
Igreja de São Francisco de Assis – Esculturas dos tambores ogivais dos púlpitos, em esteatita, representando episódios bíblicos (1772); barrete da capela-mor (1773–74); projecto actual da portada (1774–75); risco da tribuna do altar-mor (1778–79); feitio das pedras Dara (1789); retábulo da capela-mor (1790–94) (elaborado com a colaboração dos entalhadores Henrique Gomes de Brito, Luís Ferreira da Silva e Faustino da Silva Correia); projecto de dois altares colaterais consagrados a São Lúcio e Santa Bona (executados com alterações por Vicente Alves da Costa, em 1829);
Igreja de São José – Projecto do retábulo da capela-mor (1773, posteriormente alterado); modificações produzidas no risco da fachada (1772);
Igreja da Mercês e Perdões – Risco da primitiva capela-mor; revisão do projecto e verificação final da obra (1775–78), que foi depois demolida em 1805; com eles Joel media 5,12 x 1,53
Congonhas:
Além da Via Crucis, descrita no verbete relativo à cidade, fez os 12 Profetas. Teria 58 ou 66 anos, estando no auge de sua carreira, o primeiro artista de Minas, pois em 1790 Joaquim José da Silva, encarregado de uma monografia sobre os principais fatos da capitania para enviar a Lisboa, o descreveu como «superior a todos e singular nas escultura de pedra e desenho de ornamentos irregulares do melhor gosto francês.»
Diz-se que esculturas e arquitectura estão tão ligadas que deve ter sida reconstruída a área dos Profetas em Congonhas segundo seu plano, num fluído desenho barroco setecentista, muros ligeiramente arqueados, ângulos arredondados, escadaria ao centro. Na parede central desta, uma espécie de escudo de pedra sabão, com inscrição latina com os fatos essenciais da história da igreja, inclusive as datas de construção da capela-mor — 1758–61, placa em estilo português com flores nos rebordos, volutas, formas amendoadas, largo painel convexo com talha em alto relevo — recorda o mobiliário contemporâneo. Também a brancura luminosa da igreja, sua escadaria, capelas votivas, recordam os santuários no Norte de Portugal. Mas atores serão brasileiros: os Profetas, introduzidos na arte da Idade Média para dar mais vida ao drama litúrgico, chamados a testemunhar na Paixão e no Natal contra os juízes do Cristo — daí sua eloquência. Proporções pouco convencionais, maiores que na verdade, tem trajes patriarcais segundo a tradição portuguesa e seus rostos mostram variadas emoções.
Abrindo a cena, de cada lado, Jeremias (figura curta, cabeça forte, nariz aquilino, lábios apertados, olhos intensos, homem preocupado com a denúncia do pecado, fanático: «Choro o desastre da Judeia e a ruína de Jerusalém e rogo ao meu povo que volte ao Senhor», está inscrito no pergaminho. É sacerdote no templo como o pai, mas o formalismo religioso não pode salvar Israel; sua missão o escolhe, o profeta da urgência. O Reino do Norte não mais existe e o Reino do Sul está ameaçado, os exércitos de Babilónia vão invadir Jerusalém: na perda do templo e do homem se perde o império material. Necessidade de se separar de suas paixões e afeições para estar livre ao encontro de Deus. O templo é caverna de ladrões, expressão retomada por Jesus. Traidor que prega a renúncia… Suas orações mostram não mais Iavé na boca do profeta, mas a boca do profeta falando a Deus no santuário interior. Não há mais Terra Prometida. Vê a chegada de um Messias de Justiça, a Nova Aliança. Suas profecias se tornam insuportáveis, seus companheiros na fuga para o Egipto o matam).
Isaías e Jeremias estão de frente, sustentando suas inscrições como pilares fundamentais (Isaías o primeiro entre os profetas maiores, o vidente que anuncia a chegada de Emanuel, ocupa plano de precedência com Jeremias, mãos eloquentes, manto cobrindo a cabeça, seu barrete, como capucho monástico que suaviza o rosto e o perfil; mas sua idealização ou abstracção mística, real a barba emaranhada e os sulcos da testa: «Depois que os serafins celebraram o Senhor, um deles trouxe a meus lábios uma brasa ardente com uma tenaz.» É a memória cósmica; entrevê a destruição de Babilónia. Aparentado à família real, castas superiores do Reino de Judá. Começa sua missão no dia da morte por lepra do Rei Osias, antes da invasão pelos exércitos assírios; visão da destruição do grande templo de Jerusalém; impõe respeito por sua casta, sua conduta não escandaliza, mas surpreende e provoca interrogações. Os exércitos inimigos são o braço vingador de Iavé, é necessário purificação brutal. O que promete é o Apocalipse. Anuncia o futuro Messias, Rei de Justiça; a Virgem grávida de Emanuel; mas o Rei Achaz não o ouve e alia-se ao rei da Assíria, sua estratégia protege o povo — Isaías se despe e caminha nu por Jerusalém — o teatro subversivo. O templo é o interior do coração, Deus ali está como uma aurora. A redenção de Deus no Homem, o restabelecimento da Antiga Aliança não mais gravada na pedra mas no coração. Prevê o cataclismo por fogo. Foi martirizado sob o Rei Manassé, serrado em dois.
Nova Lima:
Igreja Matriz de Nossa Senhora do Pilar — Altar-mor, altares laterais, púlpitos, coro e baptistério, procedentes da Fazenda Jaguara, doação de George Chalmers, antigo superintendente da Mina de Morro Velho, quando adquiriu a fazenda.
 

 

Trabalho e pesquisa de Carlos Leite Ribeiro – Marinha Grande – Portugal

 

 

Envie esta Página aos Amigos:

 

 

 

 

Por favor, assine o Livro de Visitas:

 

 

Fundo Musical: Villa Lobos - Choro1

Todos os direitos reservados ao Portal CEN
Página criada por Iara Melo
http://www.iaramelo.com