Pe. Bartolomeu de Gusmão

Inventor da "Passarola"

 

 

 

 

Trabalho e pesquisa de Carlos Leite Ribeiro

 

8 de Agosto de 1709

 

 

Padre Bartolomeu Lourenço de Gusmão, jesuíta luso-brasileiro e precursor aeronáutico. Irmão de Alexandre de Gusmão (a). Distinguiu-se como pregador, vindo a ser nomeado por D. João V capelão da Casa Real. Concebeu um aeróstato, a que chamou instrumento de voar, conseguindo interessar o rei na realização do projecto (b). A primeira tentativa de voo foi realizada na pátio da Casa da Índia, em Lisboa, no dia 8 de Agosto de 1709, na presença da corte, voo que não teve êxito, pois o balão incendiou-se na solo. Realizou mais duas tentativas, conseguindo, numa delas, que o balão se eleva-se a quatro metros de altura. Desfrutou, então, de grande popularidade, tendo o povo o cognominado o aparelho de “Passarola” e ao padre “Voador”. Além desse invento, quando ainda muito jovem, construiu uma máquina elevatória de água para o abastecimento do Seminário da Bahia. Concebeu, também, um sistema de bombeamento para tirar água das naus, chegando a efectuar uma conferência perante a corte intitulada “Vários modos de esgotar sem gente as naus que fazem água”, em 1707. De 1713 a 1716, viveu fora de Portugal. Supõe-se que tenha sido o padre Gusmão que nessa época, tenho registado na Holanda, um invento que consistia num sistema de lentes para assar carne ao sol. No Memorial do Convento,  Saramago retrata a personalidade do rei D. João V e também de um operário que participou daquela quixotesca construção, de seu nome, Baltasar, e do seu grande amor por Blimunda, mulher dotada do estranho poder de ver o interior dos Homens. Também o padre Bartolomeu de Gusmão (a quem se deve a invenção da “Passarola”) é personagem deste livro.

(a) Seu irmão Alexandre de Gusmão chegou a ocupar o cargo de secretário do rei D. João V e tornou-se conhecido como o negociador que consolidou as fronteiras brasileiras expandidas para oeste pelos bandeirantes.

(b) Bartolomeu de Gusmão escreveu um "Manifesto" sobre o seu invento. Na Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra guarda-se, além deste, uma cópia da petição que o padre, formado na Companhia de Jesus, dirigiu ao rei D. João V para lhe ser concedido o privilégio de só ele poder fabricar instrumentos para voar:
"Senhor - diz Bartolomeu Lourenço - que ele tem descoberto um instrumento para se andar pelo ar, da mesma sorte que pela terra e pelo mar, e com muito mais brevidade, fazendo-se muitas vezes 200 e mais léguas de caminho por dia, no qual instrumento se poderão levar os avisos de mais importância aos exércitos e terras mui remotas quase no mesmo tempo em que se resolverem: o que interessa a Vossa Majestade muito mais que a nenhum dos outros Príncipes pela maior distância do seu domínio, evitando-se desta sorte os desgovernos das conquistas, que procedem em grande parte de chegar muito tarde a notícia deles a Vossa Majestade."
O despacho régio foi favorável ao pedido, que hoje designaríamos de registo de patente. O feito de Gusmão é um bom exemplo do engenho luso. Mas, como em tantos outros casos, este engenho não teve sucesso...

 

Padre Bartolomeu de Gusmão . Fonte: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Bartholomeu Lourenço de Gusmão, teria nascido em Santos (Brasil) no ano de 1685, e morreu em Toledo (Espanha) a 18 de Novembro de 1724) foi um sacerdote secular, cientista e inventor luso - brasileiro, famoso por ter inventado o primeiro aeróstato operacional. Como tal, é uma das maiores figuras da história da aeronáutica mundial. Bartolomeu Lourenço de Gusmão, nascido simplesmente como "Bertholameu", foi baptizado em 19 de Dezembro de 1685 na Igreja Paroquial da vila de Santos pelo padre António Correia Peres. Era o quarto filho de Francisco Lourenço e Maria Álvares. O casal teria ao todo doze descendentes, seis homens e seis mulheres, um dos quais, Alexandre de Gusmão, viria a tornar-se importante diplomata do reinado de D. João V. Já a maioria dos outros membros da irmandade optou ou foi orientada pelos pais a devotar-se à vida eclesiástica, dentre esses, Bartolomeu.
O menino cursou as primeiras letras provavelmente na própria Capitania de São Vicente, no Colégio São Miguel, então o único estabelecimento  educacional da região. Prosseguiu os estudos na Capitania da Bahia. Aí  ingressou no Seminário de Belém, em Cachoeira, onde teria início a sua  profícua carreira de inventor. A edificação, situada sobre um monte de 100 metros de altura, possuía precário abastecimento de água, que tinha que ser captada e transportada em vasos a partir de um brejo subjacente. Percebendo o problema, Bartolomeu inteligentemente planejou e construiu um maquinismo para levar a água do brejo até o seminário por meio de um cano longo. O invento, testado com absoluto sucesso, foi considerado admirável e de grande utilidade por todos os integrantes do estabelecimento, inclusive pelo próprio reitor e fundador do seminário, o renomado sacerdote Alexandre de Gusmão.
Terminado o curso no Seminário de Belém em 1699, Bartolomeu transferiu-se para Salvador, a capital do Brasil à época, e ingressou na Companhia de Jesus, de onde saiu antes de se formar jesuíta, em 1701. Viajou para Portugal, onde chegou já famoso pela memória extraordinária, ficando hospedado em Lisboa, na casa do 3º Marquês de Fontes, que se impressionara com os dotes intelectuais do jovem. Contava ele então apenas 16 anos. Em 1702 Bartolomeu retornou ao Brasil e deu início ao processo de sua ordenação sacerdotal. Três anos depois ele pediu patente à Câmara da Bahia para o seu aparelho de anos atrás, o "invento para fazer subir água a toda a distância e altura que se quiser levar", expedida em 23 de Março de 1707 pelo rei Dom João V. Foi essa a primeira patente de invenção outorgada a um  brasileiro. Em 1708, já ordenado padre, Bartolomeu embarcou mais uma vez para Portugal, onde ao chegar tratou logo de matricular-se na Faculdade de Cânones da Universidade de Coimbra, o que fez em 1º de Dezembro; passados alguns meses, contudo, abandonou a faculdade para ir instalar-se em Lisboa, aonde foi recebido com sumo agrado pelo Rei Dom João V e pela Rainha Maria Ana de Áustria, apresentado que fora aos soberanos por um dos maiores fidalgos da Corte, D. Rodrigo Anes de Sá Almeida e Menezes. Esse homem era ninguém menos que o 3º Marquês de Fontes, o mesmo que o havia recolhido à sua casa quando de sua primeira estada em Portugal. Na capital portuguesa o padre Bartolomeu Lourenço pediu patente para um "instrumento para se andar pelo ar" - que se revelaria ser, mais tarde, o que hoje se conhece por "aeróstato" ou "balão" -, concedida no dia 19 de Abril de 1709. O fato casou celeuma na cidade e a notícia rapidamente se espalhou para alguns reinos europeus, que deram a devida publicidade. O invento, divulgado por meia Europa em estampas fantasiosas que em geral o retratavam como uma barca com formato de pássaro, ficou conhecido como "Passarola".
As primeiras ilustrações da Passarola haviam sido na verdade elaboradas pelo filho primogénito do 3º Marquês de Fontes, D. Joaquim Francisco de Sá Almeida e Menezes, com a conivência de Bartolomeu. O futuro 8º Conde de Penaguião contava 14 anos em 1709 e era, então, aluno de matemática do padre, sendo a única pessoa à qual ele permitia livre acesso ao recinto em que o engenho voador era guardado. Como o rapaz vivesse assediado por curiosos, que constantemente lhe faziam indagações acerca da invenção, resolveu ele, para parar de ser importunado, elaborar o exótico desenho da Passarola, em que tudo era propositadamente falseado. E para preservar o verdadeiro princípio da invenção - o Princípio de Arquimedes -, atribuiu a ascensão da engenhoca ao magnetismo, então a resposta para quase todos os mistérios científicos. Esperava dessa maneira melhor proteger o segredo confiado à sua guarda e ainda ludibriar os bisbilhoteiros. Comunicou o plano a Bartolomeu, que o aprovou, e fingiu deixar o desenho escapar por descuido. A Passarola, inspirada ao que parece na fauna fabulosa de algumas lendas do Brasil, foi rapidamente copiada pelos primeiros que a apanharam, logo se espalhando pela Europa em várias versões, para grande riso dos dois embusteiros. Toda essa trama seria descoberta anos depois por um autor italiano, Pier Jacopo Martello [1625 - 1727], e revelada por ele na edição póstuma do livro Versi e prose de 1729, em que fazia um longo e meticuloso histórico das tentativas do homem para voar, das mais antigas às mais recentes daquele tempo. Em Agosto, finalmente, Bartolomeu Lourenço fez perante a corte portuguesa cinco experiências com balões de pequenas dimensões construídos por ele: na primeira, realizada no dia 3 na Casa do Forte (Palácio Real), o protótipo utilizado pegou fogo antes de subir; na segunda, feita no dia 5 noutra dependência do palácio, a Casa Real, o aeróstato, provido no fundo duma tigela com álcool em combustão, se elevou a 4 metros, quando começou a arder ainda no ar, sendo imediatamente derrubado por dois serviçais armados de paus, receosos dum incêndio aos cortinados do recinto; na terceira, feita no dia 6 novamente na Casa do Forte, o balão, contendo no interior uma vela acesa, logrou fazer um voo curto, mas se queimou no pouso; na quarta, feita no dia 8 no Terreiro do Paço (hoje Praça do Comércio), o balonete elevou-se a grande altura, pousando lentamente minutos depois; na quinta, feita no dia 8 na Sala das Audiências, no interior do Palácio Real, o globo subiu até o teto do aposento, aí se demorando, quando enfim desceu com suavidade. Em 3 de Outubro de 1709, na ponte da Casa da Índia, o padre fez nova demonstração do invento. O aparelho utilizado era maior que os anteriores, mas ainda incapaz de carregar um homem. A experiência teve êxito absoluto: o aeróstato subiu alto, flutuou por um tempo não medido e pousou sem estrépito. Cinco testemunhas registaram essas experiências: o cardeal italiano Miquelângelo Conti, eleito papa em 1721 sob o nome de Inocêncio XIII, os escritores Francisco Leitão Ferreira e José Soares da Silva, nomeados membros da Academia Real de História Portuguesa em 1720, o diplomata José da Cunha Brochado e o cronista Salvador António Ferreira, portugueses. Em 1843 o escritor Francisco Freire de Carvalho disse haver tomado conhecimento, por intermédio de um ancião chamado Timóteo Lecussan Verdier, de uma outra experiência aerostática, assistida pelo diplomata português Bernardo Simões Pessoa, em que o balão partiu da Torre de São Roque e caiu  junto à costa da Cotovia por detrás de S. Pedro d'Alcântara. Segundo Carvalho, Verdier, por sua vez, assegurava que o relato da ascensão lhe fora transmitido pelo próprio Pessoa em tempos muito anteriores ao ano de 1783, quando dos primeiros voos de balões na França. Lamentavelmente, todas essas experiências, embora assistidas por ilustres personalidades da sociedade portuguesa da época, não foram suficientes para a popularização do invento. Os pequenos balões exibidos, além de não haverem sido encarados como inovação importante ou útil, por serem desprovidos de qualquer tipo de controle - eram levados pelo vento -, foram considerados perigosos, pois podiam, como se vira, provocar incêndios. Esses factores desestimularam a construção de um modelo grande, tributável.
Entre 1713 e 1716 viajou pela Europa. Em 1713 registou na Holanda o invento de uma "máquina para a drenagem da água alagadora das embarcações de alto mar" (patente que só veio a público em 2004 graças a pesquisas realizadas pelo arquivista e escritor brasileiro Rodrigo Moura Visoni). Viveu em Paris, trabalhando como ervanário para se sustentar, até que encontrou seu irmão Alexandre como secretário do embaixador de Portugal na França. O padre Bartholomeu de Gusmão voltou a Portugal, mas foi vítima de insidiosa campanha de difamação. Acusado pela Inquisição de simpatizar com
cristãos-novos, foi obrigado a fugir para a Espanha. Ao passar pela cidade de Toledo (Espanha) adoeceu, devido ao que se recolheu ao Hospital da Misericórdia daquela cidade, onde veio a falecer em 18 de Novembro de 1724. Foram feitas ao longo das décadas várias tentativas para localizar a sua tumba, o que só ocorreu em 1856. Parte de sua ossada foi transportada para o Brasil e se encontra desde 2004 na Catedral  Metropolitana de São Paulo.

 

Passarola - Fonte: Wikipédia, a enciclopédia livre.
A primeira aeronave conhecida no mundo a efectuar um voo foi baptizada de Passarola, e antecede 74 anos o famoso balão dos Montgolfier. A Passarola era um aeróstato, cujas características técnicas não são actualmente conhecidas na totalidade, inventado por Bartolomeu de Gusmão, padre e cientista português nascido no Brasil colónia, tendo voado no ano de 1709. Bartolomeu de Gusmão era um padre jesuíta nascido em Santos, no então território português do Brasil que, depois de se matricular na Universidade de Coimbra em 1705, começou aí a desenvolver dois dos seus interesses de há muito, a Matemática e a Física. Segundo se sabe, a observação de uma bola de sabão a subir no ar, inspirou-lhe a concepção de um balão e o desenvolvimento de estudos na área da aerostação. Na sequência dos seus estudos em aerostação, no ano de 1708, Bartolomeu de Gusmão pede ao Rei de Portugal, D. João V, uma petição de privilégio para o que chamou o seu "instrumento de andar pelo ar". Em 19 Abril de 1709, por Alvará é-lhe concedido esse privilégio. Além do privilégio, D. João V decide passar a financiar o projecto de desenvolvimento e construção do aparelho. Bartolomeu de Gusmão dedica-se então por inteiro ao projecto, que é desenvolvido na Quinta do Duque de Aveiro em S. Sebastião da Pedreira (Lisboa). Alguns meses depois, em 8 de Agosto de 1709, perante uma importante assistência presente na Sala dos Embaixadores da Casa da Índia que incluía o Rei, a Rainha, o Núncio Apostólico (Cardeal Conti, mais tarde Papa Inocêncio XIII), bem como outros importantes elementos do Corpo Diplomático e da Corte Portuguesa, Bartolomeu de Gusmão fez voar um balão aquecido a ar, que subiu até ao tecto da sala. Depois da espectacular demonstração, Bartholomeu de Gusmão inicia o desenvolvimento de uma versão tripulada e maior do seu balão. Esse desenvolvimento vem culminar num balão de enormes dimensões baptizado de Passarola. O enorme balão é lançado da Praça de Armas do Castelo de S. Jorge em Lisboa, tripulado provavelmente pelo seu próprio inventor, e faz uma viagem de cerca de 1 Km, vindo aterrar no Terreiro do Paço.
Com a Passarola de sua invenção, Bartolomeu de Gusmão torna-se assim num dos mais importantes pioneiros da aeronáutica mundial, ficando conhecido como "o Padre Voador". Este acontecimento está descrito no romance do português José Saramago, Memorial do Convento. Apesar de existirem desenhos e descrições da época, não se sabe hoje em dia quais as exactas características técnicas da Passarola, devido à perda dos projectos e documentos originais e ao desconhecimento dos autores da época em questões de ciência aeronáutica. O desenho mais conhecido da passarola não deve passar de uma especulação, feita por um autor que nunca observou o aparelho original e que tentou reproduzi-lo como um navio voador. Sabe-se apenas que a Passarola era um aeróstato aquecido a ar quente, aquecimento esse que era produzido através de uma fonte de ignição instalada numa barca sob o aparelho. Tecnicamente a passarola devia ter as características dos actuais balões de ar quente.

 

Trabalho e pesquisa de Carlos Leite Ribeiro – Marinha Grande – Portugal

 

 

 

Envie esta Página aos Amigos:

 

                                

 

 

Por favor, assine o Livro de Visitas:

 

 


 

***

 

Todos os direitos reservados ao Portal CEN
Página criada por Iara Melo
http://www.iaramelo.com