Portal CEN *** Pesquisas Carlos Leite Ribeiro ***

Click for Lisboa, Portugal Forecast

DIA DE SÃO JOÃO

24 de Junho



Trabalho e pesquisa de Carlos Leite Ribeiro

 

São João é considerado o santo mais próximo de Cristo. Além de ser seu parente de sangue, Jesus foi baptizado por João nas margens do Jordão.

São João Baptista era filho de Zacarias e de Santa Isabel. Chamava-se "Baptista" pelo facto de pregar um baptismo de penitência (cf. Lucas 3,3). João, cujo nome significa "Deus é propício", veio à luz em idade avançada de seus pais (cf. Lucas 1,36). Parente de Jesus, foi o precursor do Messias. É João Baptista que aponta Jesus, dizendo: "Eis o Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo. Dele é que eu disse: Depois de mim, vem um homem que passou adiante de mim, porque existia antes de mim" (João 1,29ss.). De si mesmo deu este testemunho: "Eu sou a voz do que clama no deserto: Endireitai os caminhos do Senhor ..." (João 1,22ss.).

 

 

Ó meu S. João do Porto,
quando chegas está tudo morto pra nas fogueiras saltar!
Ai, meu S. João do Bolhão e Fontainhas,
das cascatas enfeitadinhas e dos balões pelo ar!...

 

 

São João no Porto (Portugal)
www.portoturismo.pt

 

No S. João do Porto não há lugares centrais, não é uma festa dos bairros populares, é uma festa que se estende por toda a cidade, embora as Fontaínhas e a Ribeira fossem pólos de atracção. Mas eram apenas sítios onde havia alguma coisa mais do que a rua, nas Fontainhas uns carrosséis e farturas e na Ribeira uns bailes. Na Ribeira havia um baile, que penso único nos anos da ditadura, em que homens dançavam com homens e onde pontificava o célebre "Carlinhos da Sé". Os populares da Ribeira impediam qualquer provocação ou incidente, considerando que aquela noite era de todos e da liberdade de todos. Era a noite em que se podia fazer tudo e não havia polícia nas ruas. (Antes do 25 de Abril era também uma noite aproveitada para distribuir panfletos, a que a PIDE estava cada vez mais vigilante embora evitasse dar nas vistas porque com a multidão nada era seguro).
O ambiente democrático da rua, em que ninguém se livrava de levar com o alho na cabeça, e onde completos desconhecidos trocavam cumprimentos e piropos, revelava o carácter muito especial da única cidade verdadeiramente “burguesa” do país. Trabalhava duro durante o ano e depois tinha a sua Saturnalia, que tomava tão a sério como o trabalho. No Porto, não havia (e não há) essa coisa de “bairros populares” versus “avenidas novas”, nem nobres marialvas e fadistas que depois dos touros vão para as “casas de tabuinhas” conviver com apaches e severas, isto para usar os nomes antigos e poupar os ouvidos sensíveis. No Porto todos, menos os “ingleses” que nunca se viam, estavam na rua.

 

 

 

 

 

 

 

São João no Brasil

 


Depois do Carnaval, o evento mais esperado do calendário brasileiro são as festas juninas, que animam todo o mês de Junho com muita música caipira, quadrilhas, comidas e bebidas típicas em homenagem a três santos católicos: Santo António, no dia 13, São João no dia 24 e São Pedro no dia 29.


As festas juninas são também um retrato das contribuições culturais de cada povo à cultura brasileira. No mês de Junho, o país se converte em um enorme arraial. Misto de quermesse e matrimónio, as festas juninas são paródias desses dois pontos altos do calendário de toda cidadezinha que se preze. De uma só vez, a cultura popular recria, à sua maneira, o casamento e a festa da padroeira.


As tradições fazem parte das comemorações. O mês de Junho é marcado pelas fogueiras, que servem como centro para a famosa dança de quadrilhas. Os balões também compõem este cenário, embora cada vez mais raros em função das leis que proíbem esta prática, em função dos riscos de incêndio que representam.
No Nordeste, ainda é muito comum a formação dos grupos festeiros. Estes grupos ficam andando e cantando pelas ruas das cidades. Vão passando pelas casas, onde os moradores deixam nas janelas e portas uma grande quantidade de comidas e bebidas para serem degustadas pelos festeiros.


Já na região Sudeste são tradicionais a realização de quermesses.
Estas festas populares são realizadas por igrejas, colégios, sindicatos e empresas. Possuem barraquinhas com comidas típicas e jogos para animar os visitantes. A dança da quadrilha, geralmente ocorre durante toda a quermesse.
Como Santo António é considerado o santo casamenteiro, são comuns as simpatias para mulheres solteiras que querem se casar. No dia 13 de Junho, as igrejas católicas distribuem o "pãozinho de Santo António". Diz a tradição que o pão bento deve ser colocado junto aos outros mantimentos da casa, para que nunca ocorra a falta. As mulheres que querem se casar, diz a tradição, devem comer deste pão.
Como o mês de Junho é a época da colheita do milho, grande parte dos doces, bolos e salgados, relacionados às festividades, são feitos deste alimento. Pamonha, cural, milho cozido, canjica, cuzcuz, pipoca, bolo de milho são apenas alguns exemplos.
Além das receitas com milho, também fazem parte do cardápio desta época: arroz doce, bolo de amendoim, bolo de pinhão, bombocado, broa de fubá, cocada, pé-de-moleque, quentão, vinho quente, batata doce e muito mais.

 

Dia de São João e no Recife tem festa até o sol raiar.
O São João do Recife consolida-se como um dos mais autênticos do Nordeste e segue valorizando a cultura numa festa onde a tradição anda de mãos dadas com a modernidade, tomada pela diversidade de ritmos que transformam a cidade.
Esse santo é o responsável pelo título de "santo festeiro", por isso no dia 24 de Junho, dia de seu nascimento, as festas são recheadas de muita dança, em especial o forró.

 

Caruaru - Pernambuco, é a  cidade conhecida como a "CAPITAL DO FORRÓ".

Recebe, durante o ciclo Junino, uma multidão que se concentra do pátio do forró, onde acontecem as diversas apresentações de cantores regionais e grupos folclóricos. Bacamarteiros, bandas de pífanos, quadrilhas e sanfoneiros misturam-se ao calor das mais de 20 mil fogueiras, acesas, no dia 23, véspera de São João. No "Maior São João do Brasil", é oferecido o maior cuscuz de milho do mundo e queimada uma fogueira gigante. Acontece, também, além dos concursos de quadrilhas, o Festival de Sanfoneiros do Nordeste, o Ônibus do Forró, o Trem do Forró, a Corrida da Fogueira e do Fogueteiro. Os principais locais para brincar o São João em Caruaru são: O Pátio do Forró, a Vila do Forró, o Forrozão, o pátio de eventos e o Alto do Moura, com seus artesãos famosos. A cidade se transforma completamente num arraial.

Pátio de Eventos
O Pátio de Eventos é constituído de uma grande área para shows e da Vila do Forró. A área dos shows possui um grande palco de 800 m2, que possibilita ao público assistir às atrações de qualquer ponto do Pátio de Eventos.
Em Caruaru é possível se vivenciar todo o clima de uma verdadeira festa do interior na Vila do Forró. A Vila é uma réplica de um arruado, com casas simples e coloridas, posto bancário, posto dos Correios, sub-prefeitura, mercearia, igrejinha, forrós pé-de-serra, restaurantes. Entre as casas, há a casa da rainha do milho, da rezadeira, da parteira, da rendeira, de apresentação de mamulengos, entre outras personagens do interior. São 1.500 m2 de área cenográfica construída para oferecer, durante o ano todo, um pouco do São João de Caruaru. Para a construção da Vila do Forró, foram pesquisados nos povoados da Zona Rural da região os traços arquitetônicos e as cores utilizadas pelos pedreiros, sem orientação acadêmica. Algumas casas da Vila não possuem reboco.

Arte dá mais vida à Vila
A Vila do Forró tem vida. Atores encenam, de forma bem humorada, o cotidiano de personagens típicos da região como o padre, as beatas, a parteira, o sodaldo de polícia, o poeta, o prefeito e a primeira-dama, entre outros. O Coronel Ludugero e sua amada Filomena são personagens de destaque na Vila.  Os personagens  passeiam pela Vila e pelo Pátio de Eventos, como se fossem reais. Os turistas que vão à Vila do Forró participam de um encenação teatral que é uma interessante atração do São João da Capital do Forró.
Conhecer e brincar o São João de Caruaru é ter a oportunidade de participar de uma autêntica festa popular, onde as tradições de um povo são conservadas e vivenciadas. Assistir ao teatro de mamulengo, ouvir o tiro do bacamarte, acompanhar a bandinha de pífanos, participar de uma quadrilha, dançar numa ciranda, arrastar o pé ao som de um trio pé-de-serra são coisas comuns em Caruaru.

 

"O Maior São João do Mundo" é um evento anual realizado pela Prefeitura de Campina Grande, Paraíba (Brasil) durante o mês de junho. Trata-se de uma festa junina, ou seja, comemora os dias de São João através de Shows, danças e quadrilhas.


No nordeste do país, existem muitas festas em homenagem a São João, que também é conhecido como protetor dos casados e enfermos, principalmente no que se refere a dores de cabeça e de garganta.
Alguns símbolos são conhecidos por remeterem ao nascimento de São João, como a fogueira, o mastro, os fogos, a capelinha, a palha e o manjericão.
Existe uma lenda que diz que os fogos de artifício soltados no dia 24 são para "acordar São João". A tradição acrescenta que ele adormece no seu dia, pois, se ficasse acordado vendo as fogueiras que são acesas em sua homenagem, não resistiria e desceria à terra.
As fogueiras dedicadas a esse santo têm forma de uma pirâmide com a base arredondada.
O levantamento do mastro de São João se dá no anoitecer da véspera do dia 24. O mastro, composto por uma madeira resistente, roliça, uniforme e lisa, carrega uma bandeira que pode ter dois formatos, em triângulo com a imagem dos três santos, São João, Santo António e São Pedro; ou em forma de caixa, com apenas a figura de São João do carneirinho. A bandeira é colocada no topo do mastro.
O responsável pelo mastro, que é chamado de "capitão" deve, juntamente com o "alferes da bandeira", responsável pela mesma, sair na véspera do dia em direção ao local onde será levantado o mastro.
Conta a tradição que a bandeira deve ser colocada por uma criança que lembre as feições do santo.
O levantamento é acompanhado pelos devotos e por um padre que realiza as orações e benze o mastro.
Uma outra tradição muito comum é a lavagem do santo, que é feita por seu padrinho, pessoa que está pagando por alguma graça alcançada.
A lavagem geralmente é feita à meia-noite da véspera do dia 24 em um rio, riacho, lagoa ou córrego. O padrinho recebe da madrinha a imagem do santo e lava-o com uma cuia, caneca ou concha. Depois da lavagem o padrinho entrega a imagem à madrinha que a seca com uma toalha de linho.
Durante a lavagem é comum lavar os pés, rosto e mãos do santo com o intuito de proteção, porém, diz a tradição que se alguma pessoa olhar a imagem de São João refletida na água iluminada pelas velas da procissão, não estará vivo para a procissão do ano seguinte.

 

 

Trabalho e pesquisa de Carlos Leite Ribeiro – Marinha Grande - Portugal

 

 

Fundo Musical: Luiz Gonzaga * Asa Branca

Webdesigner: Iara Melo

 

 

Copyright © Portal CEN - Cá Estamos Nós
Todos os Direitos Reservados