Visitante 500.000

Nany Schneider

 

 

Nany Schneider, nasceu num lindo dia 26 de Julho. Ainda menina, com o incentivo dos professores, nas aulas de Literatura e Redacção, era chamada para desenvolver temas, em separado do restante da turma. Os seus primeiros trabalhos foram em apostilas de estudo em redacção, no Colégio Divina Providência. Mas como já foi há muito tempo, não se lembra mais de seus nomes.
Ainda hoje tem dúvidas se é escritora, ou se escreve algo que mereça a atenção, mas o que escreve é o que está dentro de seu coração. Para se inspirar a escrever, só precisa de seus sentimento e coração. Não tem livro impresso, mas tem três e-books, presenteados pela Lúcia Trigueiro, Yara Nazaré e um presenteado pelo “SóKarinhos” de Elaine e Henrique, amigos muito queridos e que muito presa. Para 2007, conta editar mais alguns e-books, seus e de amigos.
No que concerne a prémios literários, tem várias membresias, Unesco, Castillo Secker, Puent de la Amistad, etc.
Tem Home Page Betty Boop Star http://www.bettyboopstar.com.br 
A pessoa Nany Schneider é um universo, essencialmente de sentimentos, tanto em seus textos, site, grupo, como trabalhos paralelos com ONGS de animais. Crítica consigo mesmo e considera altamente justas em suas opiniões. Não aceita preconceitos, intrigas, nem egos inflamados, que deturpam a expansão da arte em geral. Isto inclui o cuidado e prevenção com informações e voluntariado às ONGS, claro.
Um conselho a quem comece a escrever: “Nunca deixe ser julgado pelos seus sentimentos, zele pelo respeito ao próximo e acima de tudo, seja sempre seu próprio mestre”.
A Nany Schneider, é Psicóloga com especialização em Parapsicologia, Professora e actualmente Escritora, Designer e Webmistress.

Vai um joguinho? Não sou batoteira, só marco os pontos que faço!.
 

OLHOS DA ALMA

Nany Schneider


Fecho os olhos à realidade,
Abrindo os da alma plena.
Apaga-se toda imoralidade,
Escancarando felicidade serena.
 
Quem dera não precisar cobri-los,
Para em doces sonhos encontrar-te.
Quem dera não mais reparti-los,
Para em meu colo aninhar-te.
 
Visões com olhos da alma,
Que mesmo acordada pondera.
Visões que trazem a calma,
Que um dia, tanto quisera.
 
São olhos que procuram o brilho,
De raios neles refletidos.
São olhos que procuram vida,
Que só na alma, está contida.


 
SOLIDÃO POR COMPANHIA

Nany Schneider


Desperto em volta a delírios risonhos,
Lembranças do que já passou.
Agora espaço vazio ao redor,
Alegrias que ficaram em sonhos.
 
Uma estrada de vultos sombrios,
È o caminho que tenho a viver.
Nem um gesto, nem um aceno,
Apenas sentimentos frios.
 
Esperanças. Não as guardo comigo.
São pedaços, retalhos, que ao vento sumiram.
Não vale a pena manter restos de vida,
Que apenas maculam um coração partido.
 
Tenho a solidão por companhia,
De tudo que um dia pensei realizar.
A mensagem da indiferença viva,
É o que trago em vão, hoje em dia.


 


DESTINO DE UMA VIDA
Nany Schneider


Será sentença, será escolha, o destino de uma vida?
Vida que sonha castelos em nuvens, nos tenros meados da infância...
Vida que sonha glórias, em um futuro que talvez nunca chegará...
Que traçados trará o destino, a quem a esperança insiste em amparar?
 
Destino, muitas vezes ameno, de fácil comandar.
Destino, outras vezes implacável, erguendo barreiras.
Ah... Seria doce o destino reparar, ao trazer lutas a enfrentar,
Ao empedernido olhar de perdas e lágrimas em dores certeiras.
 
O mesmo destino que sabe adoçar o coração materno,
Trazendo ao colo um presente divino, o qual também o carregará.
O vilão bondoso que faz mãos alcançarem ao acaso, o amor eterno.
Aquele que semeia a felicidade em momentos que jamais se esquecerá.
 
Destino, sempre a dúvida permanecerá... Cruz, espada, bênção, doação?
Ao homem restará decidir finalmente, pois nada há que não se mude,
Eis a qualidade da criação, a escolha de rumos a tomar, oportunidade de  opção...
Pois a nós foi ofertado, o presente do livre-arbítrio, para que tudo se permute.
 

 

FORMATAÇÃO: IARA MELO