Ano V –  Novembro de 2009
 
Edição e Arte Final:
 
 
 


 
Retrato
Cecília Meireles

Eu não tinha este rosto de hoje,
assim calmo, assim triste, assim magro,
nem estes olhos tão vazios,
Nem o lábio amargo.

Eu não tinha estas mãos sem força,
tão paradas e frias e mortas;
Eu não tinha este coração
que nem se mostra.

Eu não dei por esta mudança,
tão simples, tão certa, tão fácil:
- Em que espelho ficou perdida minha cara?

***

A METAMORFOSE
(Eron)

Às vezes em momentos como estes
em que estranhamos a verdade do que estamos
a olhar no espelho... e enfrentamos
a realidade do que fomos na fase dos "flirts"...

Vem-nos, ainda,  na memória a cara da gente
dos velhos tempos de nossa juventude...
Pele rosada, sem rugas, deliciosamente
macia... na proporção inversa da decrepitude !

Diante do espelho, porém,  eis  a realidade,
as marcas do tempo que nos abate com crueldade,
como se tivesse inveja de nossa beleza...

É quando a ficha cai... uma cruel metamorfose
se nos apossa, coadjuvada pela osteoporose
que nos leva à eternidade... em meio da tristeza!
 

 


 

TERNURA
Alba Albarello
 
A vida é assim,
abrir o coração, sentir a alma a impressionar.
Através do que estou pensando,
vícios, dominam o significado, da tua ausência.
Não há palavras que ilustram,
meu coração está raciocinando.
Ocultei uma ternura, amedrontada em perdê-lo,
e hoje acontece o desconforto deste amor por tê-lo disfarçado.
Sabia que és, quem buscava por todos os caminhos que andei,
tolerar o tempo de justar.
Viva o mundo que viver, que saiba o que praticar e o que desejar,
basta você mudar, através do tempo e espaço,
no pensamento tudo saber,
o mágico de teu caminho.
Imagino na estrela, um céu brilhar,
conforme o luar.
Os jardins são seus sonhos.
 nem sempre as borboletas  se encontram.
Suaves murmúrios que me fazem as cores,
escorram o pomar secreto do coração,
da tua alma, fragrância almejante das rosas,
é pétalas de sorrisos como o vento forte e seguro.
Que saiba o que faz e o que quer.
Passe o tempo que passar,
no pensamento.
 
Erechim-RS
 
 
 

 

À TUA PROCURA
Aparecido Donizetti Hernandez

Poderia ter esperado?
Em muitas vidas, te esperei,
Nem em todas te encontrei.

Procurei-a nos montes,
Nos vales, nas florestas e
Entre as flores.
Procurei- a nas batalhas e
Nos refúgios.
Procurei-a nas Cruzadas,
Junto aos cristãos e aos mouros.
Procurei, procurei...

Entre sinais que cortam o espaço
E dele voltam
Encontrei-a em uma tela.
Mas nem sempre a tela
Me permite vê-la;
A tela ainda é controlada por Homens,...
Homens que não me deixam vê-la.
 

 

 

Este sorriso
Benedita Azevedo
 
Este sorriso no rosto
que sempre vem natural,
foi pela criação posto
no meio de um roseiral.
 
Essa ternura que vês
implícita no meu ser,
estará aqui, dia e mês
até eu envelhecer.
 
Na primavera ou no outono,
no verão e até no inverno,
meu sorriso é sempre abono
e o meu carinho o mais terno.
 
E nesta tarde eu diria,
quando leio este poema,
sendo este sorriso o tema,
percebo com alegria...
 
E até confessaria,
antes de me ir embora:
Que exultante estou nesta hora,
que adoro as flores do campo,
o amor fraterno e o encanto,
a vida cheia de glória.  
 
Magé, RJ, 12-10-2008


 

 


 

Longe ... mas ... onde?
Cibele C. Teixeira

Eu não sei por onde andas.
Aonde te levam teus passos?
Acaso tentas fugir
do eco dos teus fracassos?

Bem sabes que não se foge
dos gritos da consciência.
Seu julgamento é cruel,
não nos concede clemência.

Pode ser que em algum momento,
já cansada dessa lida,
tenha fim o teu tormento.

Acharás, então, o lugar
em que o perdão se esconde.
Longe, bem longe... mas... onde?
 
 
 
 
 
 
Fim de tarde na praia do Guarujá
Cida Micossi
 
Vítreas águas prateadas
Que um belo pássaro encantado
Pousou para apreciar
 
Tão alvas ondas a roçar
A fina areia da enseada
Que repousa frente ao mar
 
Num beijo intenso e fogoso
Eis o sol - sorriso aberto.
Será pra areia ou pras ondas?
A areia se oferece, indolente
As ondas se reviram, em dança ardente
 
E os nossos olhos apreciam
Momento de energia 
A Natureza no cio.
 
 
 
 
 
CHOVENDO
Dalton Luiz Gandin

Chuva na vidraça.
Os pingos lavando o vidro.
Paisagem com água.

 

 

 
DOCE POEMA
Eduardo de Almeida Farias
 
Mimosas glicínias
De olhos tão azuis,
Que até Santa Maria Madalena
No seu altar ficava tão cheia de pena
Por seus olhos não serem os teus.
 
Ao centro do adro a camélia vergava
Ao peso de tanta cor,
E o som de mil abelhas em cada sua flor
Ecoava dentro da velha igreja,
Como se fosse estranha reza. 
 
Deliciosos eram os frutos nacarados
Duma intemporal nespereira,
Doces como o mel da urzeira;
E por tão altos, mais desejados,
Pela canalha miúda inteira.
 
E por entre os buxos do passal
Um anjo disfarçado de mulher,
Ficava por ali a semear
Sorrisos roubados ao sol,
Com mil promessas proibidas no olhar.
  
Ah, velho adro da minha infância,
Como é bom te recordar!
Não há tempo, nem distância,
Não há pena,
Que possam da minha memória apagar
Tão belo tão doce poema.

Antologia Poética,  2009

 

 
 

 

CANTORES E CANÇÕES
Eliane Arruda -CE

Quero viver alegremente os meus anos,
Em paz com Deus, com os viventes e o mundo...
Que  nesta vida, para mim nada desande,
A  esperança e a poesia me inundem!

Possam o vento e os passarinhos alegrarem,
Assobiando seus maravilhosos cantos,
Ver avezinhas sem gaiolas e sem grades
É compreender da liberdade todo o encanto.

O vento solto  e a soprar me delicia,
Mormente quando toca leve  as florezinhas,
As quais se agitam e a beleza  anunciam...

Quero viver a contemplar o que fez Deus,
Apologista ser até das nuvenzinhas
Que passam breve pelo céu com um adeus!

 

 

 
Voz Azul
Fanny

Chamou-me o azul,
embalo sereno d’ alma…
a espuma que marulha
o coração numa saudade
em constantes marés.
Tenuidade dos sentidos,
numa apoteose de asas
que voluteia na miragem
de um alvorecer anelado…
A areia fina, diáfana
em ondulações de brisa,
flutuam no meu ser
como grãos de açúcar…
Sabor de um sorriso
murmurado em mim,
toque etéreo de nuvem
rendilhado de luz.

Um simples e suave murmúrio...

 

 

 

 
... Estrela da paz
Heralda Víctor 
 
É Natal!
Misteriosamente os gestos vão mudando...
Anjos, sinos ornamentando praças e vidraças,
Num encantamento tudo amorizando...
 
Aqui, ali, uma voz entoa uma cantiga
Num coro que enternece e toca o coração da gente.
De repente, todos querem se fazer presente,
Dar um abraço, lembrar uma pessoa amiga.
É um estado de graça, por menos que se diga.
 
Ah! Que a voz da humanidade seja um hino
Para embalar e acalentar o choro de um menino
Que nasce e renasce a cada ano no amor.
 
Descortinem-se as janelas
Ao repicar dos sinos.
Ascendam-se as velas dos altares.
Preparem a casa, a árvore, a mesa
Mas, por favor, homens tenham fé.
 
Olhem para o céu preparem o coração
Dobrem os joelhos façam uma oração
Cruzem suas mãos louvem o Salvador
Cantem uma canção vejam que esplendor!
 
Tenham esperança sigam aquela luz,
Que numa manjedoura, sob a estrela da paz
Para acordar os homens uma criança chora.
Nos braços de Nossa Senhora
Com a missão de salvar a humanidade,
Nasce um menino chamado Jesus...
 
Heralda Víctor [In “Nos Degraus do Silêncio”p - 34]

 

 

 

 

 
UMA FLOR EM QUATRO TEMPOS
Hermoclydes S. Franco 

Na infância, ao te ver bonita,
eu te sorri, com carinho,
e te disse, em frase aflita:
"És a flor do meu caminho!..."

Na mocidade, crescidos,
já nem te lembravas de mim...
Eu te disse, entre gemidos:
- "És a flor do meu jardim!...

O amor chegou para nós
- felicidade incontida -
e eu disse,com a mesma voz:´
" És a flor da minha vida!..."

E, na velhice, alquebrado,
vagando a minha alma, ao léu,
ao sentir o fim chegado:
"Serás a flor do meu céu!..."
 
 
 
 
 
 
O POMBO
Hideraldo Montenegro
 
Um homem sentado numa praça
de Curitiba, São Paulo, Recife, Londres...
 
Aquele homem é o mesmo
em todas as praças do mundo?
 
Um homem pousa num banco
e seus pensamentos voam igualmente
como o pensamento de todos os homens
sentados numa praça qualquer
 
Eis um homem pousado voando
pelo mundo
 
Esse homem é um pombo
Esse homem é a paz
 
Será por isso que existem praças
para os homens pousarem
e soltarem as suas asas?
 
 
 
 
 
 
AGORA...
Humberto Rodrigues Neto
 
Agora que o meu sonho está desfeito,
e enfim  sepultos os meus ideais;
agora que, ao invés de madrigais,
choram dobres de réquiens no meu peito;
 
agora que me foge até o direito
de  imaginar-te  em sonhos irreais;
agora que ilusões não me vêm mais
ao coração magoado e insatisfeito;
 
que eu siga só, o meu trágico caminho,
onde da sorte a aguda e acerba foice
ceifou-me as dádivas do teu carinho;
 
que por ti meu coração não mais baloice...
ah... deixa-me esquecer-te, aqui sozinho,
soprando o pó de um grande amor que foi-se!
 
 

 

 

 

TEMA DA PAIXÃO

Ieda Cunha Cavalheiro
 
Por eras vagaste e a sonhar, busquei,
E te encontrei promessas e quimeras.
Eu descrevi em versos o que não eras
E te amei dias e noites que nem sei.
 
Nosso amor foi arremedo, hoje sei,
Cálidas poesias, tu te embebedaste.
Não tiveste culpa se te encantaste,
Também não a tenho se me enganei.
 
Não eras meu homem, nunca foste,
Carência, vertigem foi, desencantei.
Não sou tua mulher, não te cantei.
 
Poetisa, sonho e ao próprio embuste,
Há vezes que caio, nessa encalhei,
Paixão foi o tema que me apaixonei.
 
Porto Alegre/RS, 21 de novembro de 2009. 10h14min

 

 

 

 

 
À PROCURA DE PAZ!
Iraí Verdan

Preciso dizer ao mundo,
que a Paz tanto procurada
não dura só um segundo,
se em bondade é encontrada.

Este belo sentimento,
necessário à humanidade,
nunca se encontra em momento
de maldade ou crueldade.

A Paz completa na vida
do homem bom, fiel e sábio
é vitória conseguida.

No coração bem guardada
o que brota de seu lábio -
A Paz de Cristo alcançada!

(Data: 25 de dezembro de 2008).
Magé, RJ- Brasil

 
 

 

Natal
Ivone Boechat
 
Acende as velas
da árvore da sua vida
para aquecer a família
neste Natal!
Pendure os presentes
bem amarrados,
mas faça uma promessa
a você mesmo
de se libertar dos passados.
Faça um pisca-pisca dos seus olhos,
não dê tanta importância
a coisas passageiras,
a vida é um festival!
Segue em frente,
prepara a ponteira da árvore
para indicar novo caminho,
afinal, tudo é festa,
quando é Noite de Natal.

 

 
 
 
 
COISAS DE BEM-QUERER
Yeda Araujo Pereira
 
É doce despertar ao lado de um amor!
 
Deixar o coração sorrir em paz...
Saudar feliz um novo dia,
de sol... de chuva fria...
Não importa, não!
 
Bem-querer tem clima próprio... todo seu,
livre do que possa acontecer lá fora!
 
Há de ser quente...
Há de ser ameno... Como queira!
Há de ser tormenta muitas vezes!
Há de ser bonança, depois dos temporais!
Há de viver magias, alquimias...
Outras coisas mais!
 
Bem-querer tem vida própria... independente.
Tem manias de ser de um jeito todo seu...
É único... É inédito...
A cada vez que ousa acontecer!
 
Ao sair do aconchego de uma noite assim,
entre carinhos e prazer,
guardará nas gavetas do tempo
todos os bons momentos pra Você...
 
Coisas de bem-querer!

 

 


 
 
Desalento
J.R.Cônsoli 

Eu não consigo escrever mais versos,
fugiu-me a inspiração por entre brumas.
Voou-me a pomba branca da poesia,
bateu as asas e eriçou as plumas.
 
Atrás de si deixou-me a noite vaga,
a escuridão por companheira atroz,
fechou-me os olhos, alentou-me o pranto,
e pouco a pouco emudeceu-me a voz.
 
Esperanças não tenho, não consigo
voar nas asas leves dos meus sonhos,
e ter a dama a dialogar comigo.
 
Por onde andas Musa Inspiração?...
Vem conversar, trazer dias risonhos,
tornar de novo, alegre, o coração...
 
 
 
 
 
 
Eu Sou Assim...
Jussára C Godinho - Ju Virginiana
 
As Letras bailam em mim,
como pétalas ao vento,
véu esvoaçante,
resvalando no Danúbio Azul!
 
Elas vêm assim,
unindo-se em rimas
dançando de mãos dadas
e apoderam-se de mim!
 
E num êxtase
Derramam em versos
Meu Universo
 
Os versos fluem de mim
como sangue nas veias,
salto d’água na cachoeira,
luz da lua sobre o mar.
 
Eu sou assim...
 Incontrolavelmente,
 a Poesia está em mim!

Caxias do Sul - RS - Brasil



 

 
Com licença!!!
Lígia Antunes Leivas

Com licença, bem-amado,
preciso chegar...
Aqui ao relento
o frio é forte
...venho sem agasalho.
Preciso do teu jeito
para abrasar meu peito.
(Basta isso... me contento!)

Com licença,
preciso entrar...
É quase gelo esse orvalho,
e a noite... parceira da morte
(profana... fria... insana...)
não tira de mim o olhar.

Com licença...
me acerca com tua alegria
(se agora egoísta eu sou
sei... compreenderás um dia...)
Até aqui chegar
as portas eram de aço
(...quase deixei a calma
quase perdi minh' alma...)

Com licença,
abre-me tua porta!
Sem farsa, tenho pressa!
O tempo que virá
já é agora presente
em alguma nuvem esparsa...

É urgente!
Preciso do teu beijo
de ti, do teu abraço
sem prece sem promessa
(não sei se é desejo
que 'de jeito' já se apressa...)

Em nome do amor que começa
e traz consigo a sentença
surpreso ante tanto ardor,
... - preciso entrar!...
Com licença, por favor,
já é hora, 'ben'-amado!

Lígia Antunes Leivas
lilu.lfa@gmail.com
Pelotas, RS, BR
 
 
 
 
 
Escriba da alma
Luciano Spagnol
 
Não quero a essência descarnada da paixão
Quero-a misturada com a porção do amor
No aveludado da oferecida flor, na emoção
Ao alcance dos olhos sem a indesejada dor
 
Quero transitar nas raias da loucura
Gritar no limite de se ter a doçura
Da coragem mesclada com bravura
De um beijo roubado, eterna candura
 
Quero-a quando a mão possa colher
E assim o coração possa entender
Para que?... Para não mais lamentar
Nas linhas melancólicas de um poetar
 
Então a noite não mais adormecera o dia
Nem preto e branco serão as rimas da poesia
E nem o espírito irá sonambular a revelia
Me forçando escriba da alma pobre e fria.
 
Rio, 20 de novembro de 2009.
www.poesiaempauta.fst.br

 

 

 
AMOR E LUZ
 
Lucy S. Bortolini Nazaro (Palmas-PR, Brasil)

a calma calmaria instala-se estalando alegres ruídos
coloridos faiscando brasas de vida vivendo luz
uma alma plana prazerosamente nos céus do universo
inventando vidas novas vivendo sorrisos de final feliz
 
um corpo exala perfumes de jasmim e rosas
enquanto descansa do sono e sonho turbulento
que lento passou gemendo vinhos sem espuma
a festa de morfeu se foi esquecida em braços real
 
um sol brilhante ao lado de marte faz a guerra da paz
os astros correm abrindo passagem à espada azul
que navega livre pelo infinito cortando amarras
descobriu-se guerreira da paz e da luz
 
um raio a mais se desfaz no intocável espírito
que anda e voa em sonhos realidades realizáveis
espiando galeras que suspiram remando nas águas rumos
encaixotadas ensimesmadas esquecidas do esquecimento de si.
 
sereias cantam na calma calmaria instalada e fazem versos à morfeu
entre elas está o poeta e também eu.

 

 

 

 
FANTASIA DE AMOR
Luzia Stella Mello
 
A tarde ia descendo atrás dessas montanhas...
O sol avermelhava o horizonte inteiro...
O céu, que era azul, tornou-se um luzeiro,
Brilhando ante a surpresa de visão tamanha!...
Ninguém sonhou assim como sonhei um dia,
Jamais viu um jardim engalanado e belo
Surgindo entre nuvens formadas qual castelo
Fazendo ser real toda esta fantasia!
Surgiste no horizonte em um cavalo alado,
Saindo do meu sonho – meu mundo encantado...
Sempre a tua espera estive a vida inteira,
Oh garboso herói, romântico guerreiro,
Que lutas com desvelo a defender com a vida
O amor de uma donzela, a eterna prometida,
Com renúncia de troféus, as glórias esquecidas,
Para viver somente com a luz dessas estrelas!
Cavaleiro errante... Galopas pelo espaço
Em busca do tesouro que te fustiga o peito...
Rondando noite e dia, alheio a teu cansaço,
Sabendo que tão perto estás do amor eleito!
E quando a noite chega com luar ameno,
Estrelas cintilando vêm para encontrar,
Garboso enamorado que desce tão sereno,
E, entre as flores, tenta o corpo me enlaçar!
Delírio de doçura... Encanto sedutor!
De tanto sonhar contigo viraste realidade...
Leva-me contigo para a eternidade,
E juntos, nesse enlevo, vamos viver o amor!

 

 

 

 
TODOS OS DIAS AGRADEÇO A TI SENHOR!
Maria Beatriz Silva (Flor de Esperança)

A ti Senhor eu agradeço:
A minha vida e maravilha nela contida
Pela honra de amar e ser amada
O ar que respiro o cheiro da natureza recebida
Pela luz do sol, que aquece a minha vida
A ti Senhor agradeço:
Por me oferta a beleza do campo infinita
E dela eu poder ver, tocar, de forma tão bonita
Pelo perfume das flores que todo o meu ser inebria
Pela brisa leve que toca meu corpo a cada dia
Renovando-me com novas energias
A ti senhor agradeço:
Por eu poder sorrir e sorrir cada vez mais
Pelos meus amigos que estão sempre presentes
Por me ensinar amá-los completamente
A ti Senhor agradeço:
Por me enviar a luz do saber
E eu poder corrigir meus erros
Sem julgar o meu próximo
Por eu enfrentar todos os obstáculos
Sem lamentação.
A ti Senhor agradeço:
Por me ensinar a arte da aceitação
Do agradecimento.
Por me indicar sempre o melhor caminho a seguir
A ti Senhor agradeço :
Por me dar a essência, a sensibilidade
Para perceber os pequenos detalhes
Pelo meu coração puro na fé, na esperança
Cheio de amor, e poder com todos compartilhar
A ti Senhor agradeço:
Por me dar o dom de cada dia escrever uma poesia
E poder dedicar a alguém
 Por me fazer humilde, compreensiva
Amável e prudente
Senhor mesmo que um dia me falte tudo na vida
A ti do mesmo jeito agradecerei
Porque me destes a vida
Porque em ti eu creio
Porque sou sua filha, e é a ti senhor que eu amo
Obrigada senhor por me acolher com amor!

 

 
 

 

SONHO DE NATAL
Muriel Elisa Távora Niess Pokk

Meu grande sonho de natal
Sei bem nunca vai se concretizar
Mas seria lindo e fenomenal
Um condão poderoso eu ganhar
 
Se meu sonho pudesse se realizar
Ah! Se eu tivesse mesmo esse poder
Se a varinha mágica eu pudesse comandar
Com certeza muito mais feliz eu iria ser
 
Todos os lugares sem reserva visitaria
Curaria os milhares de corações feridos
Com carinho e conselhos desfaria
As desavenças que existem entre amigos
 
Concederia com presteza e alegria
Ânimo e saúde a todos os doentes
Muito mais que isso eu faria
Curaria também os deficientes
 
Pensaria no mundo com ternura
E sem citar nenhum nome
Eu ordenaria com brandura
Que nele não houvesse mais fome
 
Que houvesse união entre os continentes
E que todos fossem felizes sem guerra
E festejassem unidos e contentes
Tanta harmonia sobre o planeta Terra
 
Registrado em cartório
 

 

 

 

 
“UM CANTO, UMA DESPEDIDA”
 Natália Vale
 
A hora, foi chegando.
A partida…
Essa - era eminente
Para outras paragens,
Para outras aragens.
Resta-nos
O silêncio.
 
Aves, que já não cantam
Porque nos deixaram,
Para longe voaram
Em busca de outro tempo
De outros poisos
Para seus ninhos,
Onde encantarão
Com seu piar
Muitos meninos.
 
Do seu canto,
Nos despedimos
Dizendo:
-Até breve!
Uma nova Primavera
Tornará
E com ela
Um belo canto
Se ouvirá.
 
07.10.2009

 

 
 
 
A Canção da Vida
Nídia Vargas Potsch

Haverá uma canção
que nos conduza
a momentos inesquecíveis
com o simples toque
de seu acorde inicial ...?

Haverá uma canção
que flutue permanentemente
em nosso inconsciente ...?

Haverá uma canção
capaz de tocar fundo
nosso espírito e alma ..?

Haverá uma canção
que não contradiga
nosso modo de viver ...?

Haverá uma canção
que não nos deixe esmorecer
diante de nossas fraquezas ...?

Haverá uma canção
que habite o coração
 de cada Homem
e de cada Mulher
instigando-os a prosseguir
na Jornada da Vida ...?

Haverá uma canção
que nos acompanhe
por toda nossa Existência ...?

Haverá uma canção
que atinja mais longe que todas as outras
aquela que acalenta corações ...?
 
Haverá uma canção
que será comum
a mim e a você ...?

Haverá uma canção
que alegrará nossos dias e noites
com sua divina melodia ...?

Com certeza esta canção existe.
Sim, existe uma canção.
A Canção da Vida!

Possui um MAESTRO que a regerá
e, no auge de sua execução,
terá o controle total do seu tom ...

Porque Viver é fabuloso!
E sentir-se embalado (a)
em sua Canção
é o quanto nos basta ...

@Mensageir@
Rio, 02/06/2006
 
 
 
 
 
 
Alternâncias
Priscila  de Loureiro Coelho

O sim e o não, o certo e errado
A raiva e a paixão, presente e passado.
O tudo e o nada, o um e o dois
O que chega antes e o que vem depois

Os ciclos se fecham para logo se abrir
Trazendo prazeres e às vezes a dor
O tempo transforma o eterno porvir
Na doce espera... Seja lá como for

A noite e o dia, o claro e o escuro
A água e a terra, o doce e o sal
Um tempo é passado, o outro é futuro

A paz e a guerra, o bem e o mal
A fé e a descrença, mentira e verdade
O ódio e o amor, a dor e a saudade!
 
 
 
 
 
ADEUS DOIS MIL E NOVE
Raymundo de Salles Brasil - Bahia

Este dois mil e nove, presto, está
Fluindo, como os demais, e vai levando,
Sem dar-se conta do que está causando,
Uma bagagem no seu bojo. – Vá!
 
(Digo-lhe eu com os meus botões pensando)
Mas vá sozinho então, deixe-me cá,
Estou fazendo planos, que só lá
Para dois mil e muitos, não sei quando,
 
Vou terminar esta tarefa ingente.
Você, dois mil e dez, e os mais à frente,
Se quiserem, também, passar depressa, 
 
Deixem-me aqui, não ficarei tristonho,
Porque mesmo pequeno, eu tenho um sonho
Que precisa de tempo, tempo à beça.

18/11/2009
 
 
 

Dançando com o vento 
Ridamar Batista 
 
Presença infinita
Vagando no tempo.
Partículas dançando
Soltas ao vento,
Nas ondas vibrantes
Do existir, do querer, do pensar.
Presença infinita
Nos átomos que rodam
Ordenados no espaço.
No mesmo espaço desordenado
Que tentamos conseguir
Para viver, crescer e não morrer
Um amor.
Presença infinita de nós,
Neste espaço tão grande
Que não coube nós dois.
 
 
 
 
 
Tua Imagem
(Ruth Gentil Sivieri)

Tua imagem foi pintada em uma tela
Um quadro que jamais pintar ousara,
Onde a beleza assim desabrochara
Em meio a tintas mil de uma aquarela.
 
A cor de fundo só seria aquela
Contrastando o contorno em forma rara
Deixando-a mais sutil e mais que bela
Notando a perfeição que era bem clara.
 
Nessa visão eu pude mais amar-te
Muito e bem mais que todos os amores
De minha vida sempre foste parte
 
Resplandecendo em todos os primores
Agora retratado em bela arte
Possa eu amar-te mais e sem clamores.

http://www.ruthgentilsivieri.prosaeverso.net
 
 
 
 
 
 
Doze Badaladas
Simone Borba Pinheiro

Quando tocarem as doze badaladas
da hora silenciosa em que devo partir,
cerrarei as cortinas da vida,
deixarei o palco das ilusões,
para atuar em um palco sem vaidades,
explorando todas as qualidades
que o palco das ilusões
não me permitiu mostrar.
A vida é uma grande utopia,
onde muitos não sabem à que vieram,
ou mesmo se vieram, de algum lugar.
O tempo voa sem percebermos e
leva consigo toda a juventude,
deixando para trás todas as marcas
de uma difícil experiência de vida.
E quando tocarem as doze badaladas,
da hora silenciosa em que devo partir,
seguirei meu caminho na certeza
de que minha missão aqui, se cumpriu...

Autoria: Simone Borba Pinheiro
Data: 02 / 01 / 05
www.familiaborbapinheiro.com

 

 

 

 
QUERIA TE CONTAR
Sueli do Espírito Santo

Queria muitas coisas te contar
mas não sei onde te encontrar
olho para o imenso universo

e tento escrever um poema
na inspiração você é o tema
de tão inspirada, me disperso
vejo-to entre as belas estrelas
ilusão... não há como rete-las

http://www.sue2001.recantodasletras.com.br

 


 
 
 
 
 
 Tem um anjo na minha rua.
(Sávio Assad)

Acho que vi um anjo na minha rua, sereno a cantar.

Sua pele irradiava uma luz suave, e levemente fitei
seus olhos e sentindo alguma coisa me invadindo
sorri, meio opaco, meio bobo, mas... sorri.

Seus cabelos por lavar, mostrava o abandono de sua
família. Ele sorria e cantava, olhando a natureza de
mais um dia ensolarado, ensopando sua roupa de suor.

Suas mão de pedinte, pedia carinho, amor e esperava.
Esperava por uma palavra que não chegava, mas lutava
para que o pessoal o visse e lhe desse atenção.

Meus pés colaram no chão, meus olhos perplexos
não conseguiam se desviar, meus pensamentos
voavam a procura de uma resposta e não encontrava.

E em meio ao barulho do transito, ouvi sua voz a
me chamar, pego por um estalo, cheguei ao seu
lado e a única coisa que ele me disse devagar foi.
Sabia que você me reconheceria e te esperava.

Niterói - RJ - 22/11/2009
 
 
 
 
 
 
Alma de Menina
Tania Montandon

Quero desatar
Minha alma de menina
Dos laços do tempo
Quero colocar-me em sonhos
Cor de rosa
Vestido de renda da inocência
Pequenos botões do meu coração
Formam o buquê do meu querer
Alma pequenina, asas de menina.
 

 
 
 
 
DE PERFUMES E PERFÍDIAS
Tchello d'Barros

Olores de sândalo
Perfumes na brisa
Marulho de ondas
Pegadas na praia
 
No calor da tarde
Ao sol tropical
Dilatam pupilas
Acendem desejos
 
Um úmido vento
Vem todo aromas
Num cheiro de flores
De pétalas doces
 
Na tarde que arde
A sutil fragrância
Hoje denuncia
Um rosto ausente

 

 
 
 
 
 
UM MINUTO
Théo Drummmond

Se me desses apenas um minuto
para dizer-te as coisas que suponho
pudessem te mostrar o quanto luto,
para tornar real este meu sonho,

De te fazer saber que és como o fruto
que, por querer colher, eu me proponho
por toda vida ter, como tributo,
a escravidão a ti, que a mim me imponho,

Ah, se me ouvisses um minuto irias
te surpreender com a minha obsessão
por ti, por tua voz  que sempre escuto,

Neste minuto que tu me darias,
irias ver, na minha gratidão,
como eu faria eterno este minuto.
 
 
 

 
Quem sabe!
Vanderli Granatto

Quem sabe um dia me encontrarei
 frente a frente, contigo!
Quem sabe, se esta sorte obterei!
Não me importo com o tempo,
quando chegares, saberei.
Se não for logo agora, na hora certa chegarás.
Sigo a caminhada a procurar-te,
buscando respostas, para tantos e tantos ais.
Em muitos já te encontras!
Percebo-te pelo ar jovial, sereno e arrebatador,
de quem te possui...
Sorriso solto, semblante leve,
ar de quem sente, que tudo está bem.
Será que me engano, quando penso
que em alguém tu resides?
Será que consegues me enganar assim?
Te apresentes também a mim...
Felicidade espero-te, até o fim...


04/12/2008
Botucatu/SP

 

 

 

Muito obrigada pela participação de todos

e até a próxima edição.

Abraços.

Iara Melo

 

 

Foto topo da página:
Grutas de Alvados - Portugal

Fundo Musical: CANTEIROS
Composição: Cecília Meirelles e Raimundo Fagner
( Baseado no Poema "Marcha" de Cecília Meirelles)

Formatação e Arte Final: Iara Melo

Livro de Visitas

Índice

 

 

 

Copyright © 2006 - 2009 -  Portal CEN - Cá Estamos Nós Web Page

Todos os Direitos Reservados