CLARA DA COSTA

 

 

PARTIDA

Entre calmarias e tempestades,
sonhos rarefeitos,
sorrisos desfeitos
você partiu…
Minh’alma tremeu,
enrolada no meu silêncio,
minha saudade chorou
por uma metade de ti,
deixada nas páginas das recordações…

Clara da Costa

 

A ORAÇÃO DO POETA

 

Quando a noite se veste de silêncio e mansidão
e os beijos dos ventos se acariciam,
o pensamento do poeta levanta voo
se tornando mar e imensidão.

Nesse momento, o coração do poeta
é abalado por várias emoções,
tudo é amor, suavidade,
ternura e saudade.

Pensamentos se misturam
ecos de lembrança povoam sua mente
abrem feridas, sangram a alma,
numa gota cristalina de uma terna melancolia.

Assim é a oração do poeta...
seus sentimentos navegam à flor da pele
pelas estradas da sua inspiração,
contemplando o amor...sempre o amor!
Clara da Costa
Fev/12

 

BEBO O SILÊNCIO DAS MEMÓRIAS

 
No poema rasgado
travado
em pranto
num canto,
bebo o silêncio das memórias
entre sombras
que arrepiam-me as entranhas.

Vestida de sol
cheirando a pecado,
exalando aquela saudade vadia
voo...voo... zombando do tempo
ao sabor do vento
sentir o beijo da lua
fugindo do silêncio da noite,
em minha cama vazia...
Clara da Costa
25/02/12

2012

Índice de autores -    Anexo