LÚCIO REIS

 

Jovens Dourados

Não tenha dúvida de que o sentimento mais legal
Na minha cabeça com a razão
E no coração com a paixão
É receber e ofertar o sentimento de amigo leal
Em relação a você, há um ítem primordial
Aliás, muitos componentes especiais
Você ter-me achado e já estarmos no mesmo local
Ou seja, nesta praia universal
Como grãos de areia eu e você já nos olhamos
Mas, só depois de muitas enchentes e vazantes nos encontramos
Agora mais lapidados pelo tempo
Mas ainda com anos e anos à frente para algo trocarmos
E nessa troca, colhermos dessa amizade alegria e satisfação
Na troca de experiências e de muita canção
Pois afinal, somos componentes de ouro diferenciados
Pois somos sobreviventes dos anos dourados
Nossos corações, pulsaram sob o slogan faça paz
Não faça guerra e também faça amor
E assim, dispersaremos e dispensaremos a dor.

Lúcio Reis

 

Amar o amor

Quando se ama o amor
Por mais que se queira
Não há espaço à dor
Excluí-se o sofrer a toda maneira

Mas, se o coração não ama o amor
Ah! Que trágica asneira
Pois assim, mesmo que não queira
O coração não terá do amor o doce sabor

Não Necessita usar-se a eternidade
Quando se ama o amor
Um instante será e é mágico
E parecerá de perene durabilidade

Quando se ama o amor
Não há, até, longevidade
Que ao estar com ele de verdade
Da vida vivida só verá a bela cor

Não se deixe por aqui passar
Sem que o amor venha a amar!

Sua viagem será um dissabor
E seus olhos só enxergarão o temor

Ao embarcar no trem da vida e da emoção
Acomode-se no vagão amar o amor
De estação em estação, seu coração
Alegrar-se-á ao poder pela janela cobiçar

As lindas flôres da vida até poder juntar
E ao final da longa jornada
Ao amor irá ofertar
O maravilhoso buquê
Com as rosas e jasmins a enfeitar

O côlher da felicidade por ter o amor amar.

Lúcio Reis
Em 05/05/06

 

Criação

O arco iris é único e belo como um ato de amar
A linha do horizonte foi riscada sobre o mar
O vegetal se veste de verde pela clorofila, para dançar
É o som do vento é que o leva a bailar
Tendo o sol a esse palco da vida a iluminar
Na platéia estamos todos a observar
Uns aplaudindo outros a apedrejar
Pois assim como há aqueles a escangalhar
Há aqueles nossas criações a querer copiar
E muitos não satisfeitos integralmente estão a plagiar
As vezes apenas uma virgula a trocar
Com o intuito do sentido modificar
Mas o espírito e o sentimento puro e exclusivo do criar
Isso com certeza ninguem consegue com carbono inventar

Lúcio Reis
Belém do Pará
27/06/2006

 

Envólucro

Para eu, um ser melhor me tornar
A Natureza em mim pos-se a atuar
Fraturou-me por vezes o braço esquerdo
E assim o fez curvo ficar
No coração aberto e, o externo com platina atracado
Implantou-lhe uma protese para mais, o humano amar
Mesmo sendo necessário duas vezes operar
Estranha maneira do Senhor em mim armar
Para a lição ou orientação ensinar
Não que eu reclame ou chore a dor
Pois passei, a mais de mim gostar
Foram momentos diferentes e complicados
Mas, com o amor e atenção
Dos entes por mim muito queridos
A tudo sobrevivi com enorme emoção
Tornou-me, penso, uma pessoa melhor
É bem verdade, já dizem, aprende-se também com a dor
Pois como sobrevivente da dupla experiência
Quem sabe transmita à alguem essa diferente vivência
Causa-me desconforto ler ou saber
Que pessoa amiga, sem queixa de doença ter
Parte para a chamada de cima, atender
Tornando-se por isso, situação esquesita de entender
Não questiono a programação de Deus
Não sei o digo e nem o que escrevo
Pois só ele tem às mãos o melhor para os filhos Seus
Por isso e em função disso a cada dia ao amanhecer
So devo a Deus humildemente mil vezes agradecer
Quero crer, sem receio de errar
Que Deus ao meu envólucro consertar
Quiz assim o meu abstrato melhorar
Só Ele sabe, com certeza, quantas falhas em mim há.

Lúcio Reis
Em 27/06/06

 

  Índice de autores -