SEBO LITERÁRIO

 

Antonio Paiva Rodrigues

 

Crônicas

Pág. 24 de 25 Pág.s

Resposta ao Posicionamento da Psicóloga Karla Christine - Psicóloga Clínica

 


Concordo em parte com a psicóloga em alusão. Sendo nós seres humanos imperfeitos, primeiro temos que reaver os nossos conceitos, os nossos erros, para simplesmente nos pronunciarmos sobre o assunto. Nem a justiça brasileira está cumprindo o papel para que foi destinada. Se fizéssemos uma análise abalizada sobre os acontecimentos de hoje nem aparelhos de comunicação teríamos em nossos lares. Sempre afirmo em minhas conotações de que: "o homem é produto do meio", mas o meio é o próprio homem que constrói. Se considerarmos a Bíblia como livro sagrado como muitos afirmam, veremos coisas horrendas, inaceitáveis e piores do que acontecem hoje em dia. Deus não fez o homem, e nem a mulher homossexuais, no entanto, a homossexualidade está banalizada. A coca, o álcool, o tabaco (fumo) são vegetais usados para formulação de remédios.
O livre-arbítrio dado por Deus ao homem foi justamente para ele ter ciência do comportamento hominal no orbe terrestre. Existem riquezas incomensuráveis, pobrezas e misérias intermináveis no plano material e de quem será a culpa de toda essa desgraça? Nós mesmos. O Mestre Jesus na sua capacidade de entender as coisas viu que os dez mandamentos no Monte Sinai eram demais para o homem cumprir e os reduziu a dois: “Amar a Deus sobre todas as coisas e o próximo como a ti mesmo". Quem ama o próximo? Quem ama a Deus? Estamos mais fincados na materialidade, do que na espiritualidade.
As supostas religiões que pregam a "palavra de Deus" se aproveitam da fraqueza e do desespero popular para afanar quantias enormes de dinheiro. Para que templos gigantes, homéricos, portentosos e riquíssimos se Jesus pregou a humildade e a fraternidade? Um contrassenso sem tamanho. Precisamos amar muito mais, mas o amor fraterno que muitos confundem com a sexualidade. O homem abusou do lado errado do livre-arbítrio e o resultado está aí para comprovarmos. O homem não tem scripts, os animais sim. O homem mata por prazer, os animais pela sobrevivência.
Cuidados com as críticas, pois a nossa imperfeição pode nos levar ao mesmo azimute ou ao mesmo direcionamento. Cazuza foi vítima da sua própria insensatez, talvez em sua vida nunca tenha pronunciado o nome do Pai Maior e nem se lembrado de fazer uma caridade. O Brasil está repleto de Cazuzas independente da condição social de cada um. Uma coisa eu possa garantir que se nós amássemos mais como irmãos e déssemos ao valor que a vida tem não existiriam cazuzas, nem espíritos zombeteiros e perturbadores a nos incutir a praticar o mal. Deus acima de tudo e o caminho mais certo que deveremos seguir nesse plano material, é o caminho que nos leva a salvação. Jesus Cristo acima de tudo.
Amar e ser amado, perdoar e ser perdoado e é morrendo que se vive para a vida eterna. O inferno é aqui mesmo, resta-nos saber conviver e a harmonia está a nossa disposição. Não esperem mais. O amor está a nossa espera. Tudo depende de nós, mas o que podemos esperar de um ser humano que sinonimiza outro ser de idiota e verme hipócrita? Absolutamente nada. E além do mais usar expressões pornográficas na Rede Mundial de Computadores no seguinte estilo: “Esse é o e-mail que eu falei que tinha recebido, quando a gente tava discutindo sobre Cazuza um dia desses, na casa de vovó! Leiam e vejam o que foi o idiota do Cazuza... não passei a pensar nele dessa forma só depois que vi esse e-mail, já achava ele um verme hipócrita. Depois que li esse e-mail só fortaleceu o que eu já pensava sobre ele”!
É muito bom criticar e botar pra f..., agora como diz uma música do Teatro Mágico: "não interessa se você é letrado ou não, o que importa é se você vive aquilo que você fala". A culpa é incompatível com a nossa maneira de pensar, já que, segundo esta, a pessoa é parte de uma ação mas não é inteiramente responsável por ela. É apenas parte do fator contribuinte. Entretanto, em alguns casos, temos de nos arrepender, deliberadamente assumir responsabilidades, lamentar o ocorrido e nunca mais cometer aquele erro. Errar é humano, mas permanecer no erro é imperdoável já afirmava o grande Dalai-Lama. Pense nisso!

Antônio Paiva Rodrigues*

Livro de Visitas

       

Para pág. 25