SEBO LITERÁRIO

 

 

Ligia Scholze Borges Tomarchio

 

 
 
RETENDO IMAGENS

Pág. 6 de 13 Pág.

 
 

 
 

AMAZÔMIA DEUSA

Ligi@Tomarchio®


Perfeição e atitude
de séqüitos, cépticos e sépticos.
Proclamam salvação
encontram solidão.

Imagens distorcidas
querem fazer crer
num mundo desorientado
preocupação não há em preservar.

A fé no futuro é maior
a realidade, imagem vã.
Crer é vital arte
de poetas e sonhadores...

Há uma deusa entre as matas
faz parte dela como o ar...
Nos rios, riachos correm alaridos
salvação premente e real
da selva animal.

Não serão homens a proteger
qualquer ponto do planeta
à sua volta só destruição...

No âmago dos sons silvestres
de pássaros e espíritos elementais
presente, representa conservação
a Deusa Amazônica!

Não tenha pouca fé
Amazônia Deusa
Se auto preservará...

Ligi@Tomarchio®

A LAMA

Ligi@Tomarchio®


A chuva cai,
O pensamento se esvai
em lamentos e suspiros,
sucessivos, intermináveis...

Quanta melancolia há
nesse clima triste,
onde o som da chuva
nos embala e desampara...

Que pureza há nessa água,
cai sem timidez, pura e cristalina.
Pena que entrando em contato com a terra,
perca toda sua beleza tornando-se lama...

Pensando bem,
a lama também é bela e necessária,
assim como a chuva
que alimenta a terra...

Quantas belas obras de arte,
esculturas, até coisas,
foram e são feitas
com a lama, enfim...

Jamais podemos desdenhar
as coisas da natureza,
tudo tem sua razão para existir,
é belo e necessário!...

Ligi@Tomarchio®

 
 

CAMINHO PERDIDO

Ligi@Tomarchio®


Vivo sem vida
ida nem vinda
rumo, no escuro
caminho perdido!

Magia da vida
não encontro o caminho
que me leve longe, bem longe
dessa dor que corrói.

Desnuda e muda
em nada creio
espantada
vivo plantada no mundo
qual vegetal imundo.

Mundo estranho esse
vive-se implorando paz, compreensão
só recebemos guerras interiores
egos perdidos, corações partidos
mentes dissecadas, corpos insanos!

Morte é a solução
dela nada esperamos
só aguardamos nossa hora!

Ligi@Tomarchio®

 
 

CANÇÕES

Ligi@Tomarchio®


Como fazer
com essa ida
e vinda
de canções
corações secos
desalmados
sem rumo
não se pode nada esperar
rezar?

Ajoelha-se no ar
entre águias
acima
sem suspeita
receita de amar?

Os cânticos flutuam
não mais no ar
ondulando úmidos
carregando estrelas submersas
internas orações da alma?

Calma no olhar
receio ou anseio
espelhado
sons truncados
refletidos e contidos
âmago cruel
fel?

Ardente canção
és chama?

Clamor...

Ligi@Tomarchio®

 
 

CARNAVAL

Ligi@Tomarchio®


Carnaval de idéias
místicas tradições culturais remotas
carrosséis turbinados tecnológicos
nada lembra o passado.

História perdida no baú do esquecimento
passistas, porta-bandeiras, baianas,
baterias, alas de frente,
desfilam a falta da tradição perdida.

Sem mérito, moral, todos pagãos
reinventam a grande festa afro-brasileira
visitada por vários mundos distantes
fascinados pela sensualidade tropical.

Exibem aos forasteiros alucinados
estridentes sons e gestos sensuais
fantasias de anjos, deuses, animais
versejam cantos exóticos
perseveram no seu intento de entreter.

Um povo carente de educação e cultura
onde a fome, o tráfico e a impunidade imperam
financiados pelos donos do Brasil
expõem seus destaques seminus.

Sobre alegorias flutuantes milionárias
frenéticos corpos sedentos de sexo
dançam, rebolam, estrebucham
com a ausência de justiça social e igualdade de direitos.

Revolta minha envolta de espanto
vendo tanta dor e miséria periférica
vejo apenas mascarados qual bandidos
ladrões da dignidade e da poesia.

Com trabalho o ano inteiro
muitos sobrevivem da festividade pagã.
Pessoas religiosas, famílias unidas
na costura desses fardos da sociedade decadente.

Reflexos podem ser vistos
nos periódicos jornalísticos
do exibicionismo pernicioso
das rainhas e reis do Carnaval.

Súditos encharcados e bêbados
acometidos de loucura oportunista
digladiam-se por uma chance
de ao menos por alguns instantes
participarem de blocos fantasiados de alegria.

Sentem-se assim, menos miseráveis
e até cidadãos da pátria mãe gentil
entregue aos estrangeiros da guerra.

Pactuar com essa Babel
retroceder às medievais barbáries
não fará de mim alguém mais feliz...

Apenas uma brasileira envergonhada
pelas injustiças da pirâmide social
onde todos desmoronam
a cada quarta-feira de cinzas...

Ligi@Tomarchio®

 
 

CHEIRO DE PAIXÃO

Ligi@Tomarchio®


Descrevo em teu rosto
seco de paixão
todo pecado
de não sentí-lo.

Amanhece a paixão
recriada e maldita
perfume colorido
cheiro soterrado.

Criação indolor, angustiada
sem rumo, fora de prumo
arrebata, desnuda
conforta e satisfaz.

No âmago das palavras
encontro alento
um despertar sôfrego
um amar desalmado.

Sensação de frecor
mansidão anoitecendo
reluz minh'alma
sedutor perfume.

Crepuscular sedução
carrega solitária
dor da alcova emaranhada
flamejada de lágrimas.

Maldita
perfumada
solitária
descomunhão.

Ligi@Tomarchio®

 
 

COLÉGIO INTERNO

Ligi@Tomarchio®


Interino e profundo
jaz colégio da vida.
Minutos de sabedoria soterrados
no porão da saudade.

Idade reporta momentos
de infinita sofreguidão.
Desconsolo maldito
destempêro de sorte.

Menino de oito anos
tragado pelo colégio maldito.
Chora ao pai rígido
raiva da separação.

Inesperada incompreensão
causadora de mal estar.
Fecha a tumba com lágrimas
caminha a passos lentos.

Recepcionado por um anjo
espectro de horror.
Apenas oito anos de idade
adentra o colégio interno.

Sorverá talvez sapiência
sofrerá certeira flexa de dor.
Menino sábio de oito anos
retornará magoado ao pai.

Consolo é seu tesouro.

Liberdade é sua salvação.

Ligi@Tomarchio®