SEBO LITERÁRIO

     

 

Naida Terra

 

 
 

Iman Maleki

 
 
 
POESIA
Pág. 7 de 14 Pág.
 
 
 

FICAR CONTIGO
Naidaterra


Como um vento que chega repentino,
você se foi com a brisa inesperada no outono...
Um silêncio ensurdecedor se fez
presente anunciando o vazio...
Cai a noite...
O lume que me aquecia nas noites frias,
desapareceu como algo místico...
Uma tristeza profunda invade o meu peito cheio
de cicatrizes, são frases não terminadas
sufocadas por suspiros levadas pelo vento...
Ainda sinto tua chama voraz percorrer
minhas veias que arde e me consome...
Como a folha seca caída que caminha
pela terra procurando um lugar para ficar,
eu amplio a tua imagem e tento penetrar
na tua retina e ficar contigo para sempre...

Naidaterra
abril/2007

 
 

DESENHANDO AS EMOÇÕES
Naidaterra


Tua boca delicadamente percorre meu corpo...
Cada cantinho é saboreado, investigado...
Não me mexo!
Eu quero sentir cada onda de prazer e desenha-la
com tintas fortes na memória...
Um fantástico mergulho na essência das emoções...
Desenhar o palpitar do meu coração
que é fogo intumescido,
cheio de paixão...
Desenhar a sensação de cada toque, cada sentir,
e viver a delícia de ver em tela o instante do
amor acontecendo...
Desenhar o sublime momento em que o tempo indignado
se perde, não entendendo o seu poder...
Dominam os amantes eternizando os segundos...
Quero o ápice do prazer...
Desenhar o sentir que lampeja, contorce e estremece meu Ser...
Mostrar em tela majestosa a forma de todas as emoções
que você fez acontecer em mim...

Naidaterra
Sampa
Julho/2007

 
 

SOLIDÃO
Naidaterra


Sinto frio, abandono e uma dor
que não se explica, não passa...
Noites de insônia e o vento
a rondar como um fantasma
triste cantando seus lamentos...
O pêndulo do relógio me atormenta
mostrando que a madrugada
ainda demora a findar...
Aguardo o sol que chega soturno,
sombrio e se vai taciturno, não me diz
nada e não me aquece mais...
E a noite novamente cai, surge o luar,
as estrelas brilham no céu... lindas...
Desesperadamente tento abraçá-las,
quero ver um sinal, algo que me
faça sentir que estou viva...
Mas logo chega o vento soprando
a mesma canção... solidão...

Naidaterra
Julho/2007

 

E A LUA...
Naidaterra


E a lua suspirou emocionada
prolongando a noite...
Testemunhou o nosso amor
gota a gota como eu gota a gota
me servi do seu excelso néctar,
demoradamente...

Naidaterra
Julho/2007

 

 

NOSTALGIA
Naidaterra


Sentei-me no chão coberto de
folhas que outrora
caíram das árvores e o sol no
seu recolher e despertar
absorveu o verde deixando-as
numa tonalidade opaca, secas
e frágeis a mercê dos ventos
e de outros caminhos.
Senti-me como elas, arrancada
da vida, dos carinhos, dos beijos e
dos sonhos planejados
arrebatados sem tempo de vivê-los.
Cerrei meus olhos e deixei-me
levar pelo aroma da terra molhada e
pela suavidade do vento...
Parti em busca do passado, dos dias,
das noites, dos sorrisos, das luas...
Fui ao encontro do fascínio expresso
de um olhar querendo me amar,
sentir o toque, ver os gestos...
Pedi para o tempo parar e
deixar-me nesta nostalgia cheia de
carinho acalentando meu coração...
Eternizar o momento...
Não me tirar do ninho...

Naidaterra
Julho/2007

 
 

SENTIR VOCÊ...
Naidaterra


Mesmo antes de tudo acontecer, nossos olhos já sentiam
saudades e nossos corpos pressentiam uma certa ausência...
Indecifrável esse sentir, mas tão real quanto a premência
de estarmos juntos e fazer calar nossos desejos...
Um dia, o inverno se esconde e o Sol se abre nos aquecendo,
ternura e loucura se misturam e nossas bocas pareciam
profetizar nossos momentos, tão longos quanto sentidos...
Sentir você despertou meu corpo adormecido,
uma estrela escondida em busca de seu brilho...
Ouvir tua voz ofegante sussurrando teus desejos,
levou-me a delírios, senti-me de repente uma
flor em eclosão, ares risonhos, paixão, satisfação...
Sentir você me penetrando, caminhando
dentro de mim nas dores de um intenso prazer
me fez reviver a mulher que sou...
Sentir a tua nudez na minha saciou minha sede
e no fervor da tua boca, meu corpo a você entreguei...
Sentir você é bom demais...
Antes, durante e depois....

Naidaterra
Julho/2007

 
 

Meu Pai...
Naidaterra


Imortal o meu amor...
Um sentimento que o ar me mostra a todo instante
espargindo com carinho um perfume de flor,
folhagem e terra molhada...
Ah! como eu amava ver teu sorriso quando contava teus
feitos, acompanhava o brilho nos teus olhos e podia
ouvir as batidas do teu coração...
Meu pai, minha vida, um homem que me ensinou
que onde corre água há vida, nasce muita flor...
Papai tinha uma terrinha, nela, cultivou um lindo pomar,
laranja, tangerina, manga, banana, maracujá, caqui,
morango, abacate e amoras...
Nunca vendeu uma só fruta, ele doava, partilhava com qualquer
pessoa e dizia, a terra me dá de graça, os frutos todos
os anos na época certa, não é justo
que eu cobre o que me é ofertado de graça...
Esse homem era o meu pai, uma vida que
amava a terra e a água...
Saudade de beijar teus olhos,
papai...

Homenagem ao meu papai querido
que deve ter agora um pomar, no céu...


Naidaterra
Julho/2007

 
 

INDIFERENÇA
Naidaterra


Se nas minhas idas e vindas tua imagem
foi se diluindo, penso ser a minha própria
desistência, cansada da insistência de não
entender tamanha inconstância...

Parei o tempo para mantê-lo imutável,
irretocável e imbatível, manipulei as horas
dos meus dias e noites, desviei tempestades,
abri caminhos e prolonguei as excitações
decorrentes das estações...

Ofereci o hálito da vida presente,
Amor, emoção e calor que cala a dor...
Rejeitou, esperei, se calou, cansei...
Eu caminhei e não percebi que
ultrapassei você sem sentir mais dor.

Nas minhas idas e vindas, percebi
que alguns detalhes, como teu nome e
endereço você mesmo foi apagando,
tudo por conta da tua indiferença...

Naidaterra
Agosto/2007

 

Livro de Visitas

    

Para pág. 8