Antologia - por Cibele Carvalho,ARTE E REALIDADE - MAR2012

Antologia Virtual
-IV-
PÁGINA 3


 

06 -

CÁSSIA VICENTE

Nasci em Catanduva, estado de São Paulo a 22 de maio de 1958.
Graduada em marketing. Moro no sudoeste goiano, em Jataí, cantinho mágico do Brasil, onde tive a graça de (re)descobrir personagens especiais e únicos que me inspiram escrever.
Sempre em busca de mais "artes" sinto a vida um palco dimensional, repleto de oportunidades.

Quando escrevo, não me preocupo em sair do tom, acredito serem as letras uma terapia, onde o leitor pode por alguns momentos se identificar com as palavras e sonhar, recriar, planejar, acreditar que tudo é possível.
Cássia Vicente

 

Obrigada
Cássia Vicente


Agradeço pela vida,
obrigada meu pai e minha mãe.
Agradeço pelos meus filhos,
obrigada meu marido.
Agradeço por ser mãe,
obrigada meus filhos.
Agradeço ser avó,
obrigada meus netos.
Agradeço aos meus amigos,
abrigada pelo conviver.
Agradeço aos que não me vêm com bons olhos,
obrigada pelo despertar.
Agradeço por estar me reconhecendo,
obrigada amiga/o(conhecimento) pela atenção.
Agradeço pelos abismos,
obrigada braços que me empurram.
Agradeço pela compreensão,
obrigada braços que me abraçam.
Agradeço aos olhos que me cobram.
obrigada pelo crescimento.
Agradeço às palavras escritas,
obrigada por me fazerem pensar.
Agradeço ao silêncio e ao grito,
obrigada por me fazerem refletir.
Agradeço o sol, a lua, o vento, a chuva,
as rugas, a flacidez, os cabelos brancos,
obrigada tempo.
Agradeço pelo dia um,
obrigada último que vou ter.
Agradeço por tudo e por todos,
obrigada,
estou tentando Ser melhor.

 

 

07 -

Luiza Porto

SOU LUIZA
Sou sincera, sorriso aberto, gosto de quem sou.
Casada há mais de 40 anos, com o mesmo homem...rss
tenho dois fihos e uma filha, que seguem o seus rumos.
Um genro e duas noras, que amo muito.
O Porto que uso é um dos sobrenomes, do português que era meu pai, mãe italiana, marido descendente de húngaro e romeno, então meus filhos são essa mistura linda de brasileiros.
Escrevo não me lembro desde quando, escritos guardados em gavetas, até descobrir a net, e uma amiga que me deu a maior força.
Adoro minha família e viajar, um dos meus prazeres.
Essa sou eu...Luiza Porto, mulher, esposa, mãe e Poeta
Graças a Deus.

 

A NOITE É DE FESTA
Luiza Porto


Essa noite é de festa.
Você voltou, trazendo sonhos
romance e tesão. Nos lençóis de cetim,
escorregamos em paixão.

Sou sua estrela principal.
Em um filme. Só nosso
com direito a replay.

Você é o diretor de cena.
Gravamos a festa
sorvemos champanhe
em um brinde...Ao amor.

Entre uma tomada e outra
uma cena sensual.
Digo...Te amo
Respondes...Também


 

08 -

Graça Ribeiro
Poetisa brasileira, natural de Belo Horizonte-MG

Dor de poeta
Graça Ribeiro


Parece tão verdadeiro cada poema
Que quem lê não consegue afirmar
Se tudo que leu foi apenas o tema
Que o poeta ofereceu para pensar

Será que tudo é verdade inventada
Letras buscadas no rio da memória
Emoções latentes ainda guardadas
No transcorrer da nossa trajetória?

Será a poesia aquela voz travada
No tempo que para trás deixamos
Quando ainda lutávamos para ser?

Ou será a mentira que inventamos
para não esquecer o que sonhamos
e dar sentido à vida pra não morrer?

Talvez a dor poética seja tão abençoada
Que até se torna verdade sem perceber!...

Suave
Graça Ribeiro


Nas asas do tempo sobrevoo versos
E percebo que já não sou o que fui
Deixei para trás a tristeza que fazia
um ninho envolto em letras soltas
Havia poesia mas o sentimento
amarrava as sílabas e chorava
Hoje meu vôo é suave
Escuto a cantoria das folhas
lambendo as gotas de orvalho
percebo a suavidade da lua
tocando a luz das estrelas
Sei que já não sou o que fui
fui tanta gente!
Sei que não sei o que serei
ainda penso e quero ser tanto!
Hoje meu voo é suave
o destino incerto
e a vida
leve

 

 


AS MARCAS DO TEMPO
Graça Ribeiro


Não há como escapar das marcas
registradas com as horas da vida

Não há como esconder as águas
derramadas nas linhas do tempo

Não há como camuflar o sentido
Então contamos nossas histórias
para tentarmos alongar o vivido

 

 

09 -

Márcia Tosto Torres
NAIDA TERRA

Meu nome é Márcia Tosto Torres, na NET, só me conhecem por NAIDA TERRA...
Viúva há 8 anos de um homem maravilhoso, era sociólogo e um adorador das artes...
Tenho dois filhos, Gustavo 29 anos e Júlia Gabriela 26 anos.
Somos uma família muito feliz graças a Deus e, a arte é a nossa companheira fiel...
Nasci em São Paulo e resido na cidade de Osasco desde então.
Minha paixão sempre foi as artes, música, poesias, esculturas, danças, pinturas, mosaicos etc...
e, hoje, aposentada, posso me dedicar com exclusividade nessa área.
Poetar... escrever, o faço desde o colégio, tenho adoração, escrevi duas peças teatrais para crianças na época...
Sou associada de alguns grupos de literatura poética e adoro participar...
Ignoro pessoas racistas, não confio em pessoas que não gostam de animais e que falam alto.
Meus companheiros são os livros, adoro ler...
Sem a poesia, não me completo como gente.
Sou uma mulher apaixonada pela vida.

 

A POESIA, MINHA PAZ... 
Naidaterra 


Escrevo em tons de cores mil... 
O azul sempre a minha frente, 
mergulha-me em linguagens de luzes 
saltitantes de um brilho incomum... 
Sinto a presença de Deus e,
 no seu silêncio posso ouvir 
seu último suspiro e um gesto 
saciado e encantador,

de ter concluído algo sútil...

É exatamente assim que me sinto
quando findo uma poesia, minha paz...

AUSÊNCIA
Naidaterra


 Esta saudade entre nós se estende 
feito o rio que corre para o mar se 
perdendo em suas águas salgada... 
Límpida e cristalina, eu vejo a tua imagem 
navegar lentamente pelas águas, 
deslizando sem pressa de chegar ao destino... 
Uma visão que retrata a tristeza, 
talvez, seja o reflexo da minha dor

essa sua expressão  triste... 
São nossas almas transformadas

em saudades...

 

TÃO LONGE DE MIM...
Naidaterra


Cálidas tardes, verão ardente e
as noites frias passam por mim
indiferentes ao meu sentir que 
renasce de um amor perdido na distância...
Tão longe de mim está o meu amor,
não tenho os beijos dele, que são meus
e ele não pode ter os meus, que são só dele...
Não há descanso para os meus olhos
que atravessam fronteiras em
busca do brilho dos olhos do meu amor...
Bem longe, na imensidão está o meu 
bem querer, cruel essa distância
que nos separa, dois corações
que só desejam amar e amar...


10 -

Hilda Rosa

Hilda Rosa, nascida no século passado em 04 de julho. Amo ler e escrever. Não sou poeta. Digo que rabisco meus versos. Amo a arte do PSP, Photo Shop, onde posso inventar, recriar e formatar meus rabiscos e as poesias dos amigos. Nascida e moradora em Teresópolis, cidade serrana do Rio de Janeiro.
Amo fazer amigos.


 

Mãe natureza
HildaRosa


Acolhedora, abençoada,
uma fada multicolorida...
Protetora de seus filhos, alimenta-os com seus frutos,
raízes e folhas.
Embelezando seus caminhos com flores e rouxinóis...
Perfumando suas vidas, seus jardins, iluminando seus dias,
suas noites e seus sonhos.
és linda, és perfeita...
Sacia a sede de seus filhos, são tantos, são vários,
são muitos, são diferentes.
Mas te maltratam, te agridem,
te saqueiam.
Tão maltratada agoniza junto aos seus.
Suas lágrimas derramadas,
suas florestas lapidadas,
seus rios sem rumo, espremidos, sufocados.
seus mares poluídos, agonizante.
Pisoteiam suas sementes, arrancam sua seiva,
brutalizam sua nascente.
Mãe natureza,
estende seus braços dourados e
deixa-nos aninhar em seu peito mutilado,
entre seus contornos que deixamos imperfeitos.
Nos protege de nós mesmos sem te maltratar...
Mãe natureza deixe nossas lágrimas
junto as suas regar o chão deformado,
nos agasalhe e nos abraça...
Já tão envelhecida e tão sofrida perdoe seus filhos bandidos.



~ * ~
Menina - mulher


Menina travessa,
cabelos cacheados,
boca vermelha.
Sua pele acetinada,
brilha ao sol.
Brinca tranquilamente nas águas do mar,
rindo,saltitando,
debochas das ondas.
Marota menina.
Um olhar que desnuda,
sorriso que encanta.
Faz castelos de sonhos,
na areia que desmancha,
brejeirice de infância ,
e malicia de mulher.
És menina sempre.
Passam os anos...
Mas a menina travessa
habita nesse corpo de mulher,
com alma de infância.

 

 

 
Para Índice                                          para 4ª pág.

           

 

 

LIVRO de VISITAS