Antologia Virtual

- XI -

Outubro 2012

 

ORGANIZADORA:

Maria Beatriz Silva (Flor de Esperança)

Pág. 2  de  13 Págs.

ANTÓNIO BOAVIDA PINHEIRO

 

A COR DA LÁGRIMA...


Perguntamos ao pintor
qual a sua opinião,
sendo a lágrima incolor
como é que decidiria?
Qual seria a cor então?...
Ensaiou na sua tela
procurando a solução.
Se a mesma fosse amarela,
então só serviria
para expressar alegria...
Mas se em sua singeleza
fosse expressão de tristeza...
Qual a cor que escolheria?
Um cinzento carregado,
ou um roxo da "Paixão"?
Tampouco preto de dor...
Se verde como esmeralda,
qual o sentimento então
que iria significar?
Esperança dá para chorar?
Porque se azul fosse a cor,
seria choro de amor...
Mas se então fosse vermelha,
como o rubi ou o sangue?
Pareceriam centelhas
de um sentir de alma exangue...
Porque a lágrima afinal
de sentimento é expressão...
E ao rolar pela face,
mais não é do que o sinal
do que cá dentro se passe,
do que vai no coração...
Seja de raiva ou de calma!
De convívio ou solidão!
De tristeza ou alegria!
De amor ou de paixão!
Ou mesmo o sentir de dor,
de pesar ou decepção!
Da perda de um grande amor!
Qual a cor que então teria
para cada estado de alma?
Por tudo isso Deus quis,
pela sua natureza,
dar à lágrima um matiz
de cristalina beleza.
Só podia como tal,
ter pois a cor do cristal...

António Boavida Pinheiro

Biografia do Autor em:

http://www.caestamosnos.org/autores/autores_a/Antonio_Boavida_Pinheiro.htm


02 - ANA LUCIA GARE

 

MEU PATRIMÔNIO


Eu tenho imenso carinho
por gentes que nunca toquei.
Um carinho que se nutre
daquilo que eu nunca vi,
daquilo que eu nem sei.
Eu tenho uma fantasia
que cresce e que fermenta
na distância e na ausência,
no não ter, no não viver.
Eu tenho uma sincera inocência,
e um sincero desejo de crer
naquilo que nunca foi
e no que talvez nunca vá ser.
Eu tenho vontade de tudo
e quase sempre tudo é bonito,
mas tudo quase sempre é muito
e meu espaço restrito.
Eu tenho um querer que me quer
assim tola e sempre crente.
Eu tenho comigo uma vida
que de tão fértil e sadia
às vezes me põe doente.

Analú

Biografia do Autor em:


AGOSTINHO RODRIGUES

 

ROMANTISMO NUMA SOLITÁRIA MADRUGADA


Diz o meu coração:
Transponho tua imagem... sempre
pois tenho de ti
a afeição que sempre quis.
Reflito todos os dias.
O zelo de nossa amizade
jamais deverá ter fim.
Espiritualmente requintada
que no silêncio da madrugada,
rogo pela permanência... sim
para tê-la sempre junto a mim.
Porém quando tiver que viajar
para nunca mais voltar
numa das estrelas luzentes
de vigília estarei a te esperar.

Agostinho Rodrigues

Biografia do Autor em:

 


ANTONIO PAIVA RODRIGUES

 

HOMENAGEM AS CRIANÇAS

“Nenhuma pessoa tem futuro melhor que o seu. Deus, o tempo, o amor teceram para você uma felicidade destinada a se concretizar infalivelmente, não podendo ninguém ocupá-la em seu lugar. Ainda que as atuais aparências e condições sejam desanimadoras, pense renovado em direção à esperança, aqueça o coração de amor, cale as críticas e lamentações, reconheça-se forte e descubra a felicidade, assim como se descobre um tesouro.” (Lourival Lopes).

Do embrião fraternal e divinal se imanta a semente do mundo, a esperança tão ansiada, conclamada, planejada com mais puro amor, um favo de mel, seivas de esperanças, cativas nas bonanças, suavizada pelo carinho de um lar de puro encanto. O lar é o ponto principal, primordial para receber as sementes que irão regar o mundo, transformá-lo na psicosfera iluminada, em estrelas cintiladas, num elo de transformações que salpicarão o Orbe de pingos de luz que irão clarear e aurear a escuridão promulgada pelos insensatos, ingratos que por orgulho, inveja e ambição querem auferir valores acima do que merecem.

A mutação mundial tem um ponto de partida, uma guarida, um azimute real, mas o zelo, o cuidado não pode ser dispensado aos enviados para renovar as atitudes. Os pensamentos ultrapassados, dos governos caducos, inoperantes, ambiciosos, devastadores, insanos, carcomanos que ferem e proporcionam indolências sem dimensões, mas a força vital, o néctar divino, o fluido maravilhoso, majestoso vem dos mais distantes mundos, não de ilusões, mas de certezas e que serão as fortalezas, puras riquezas para mudar, transformar e revolucionar o que existe hoje.

O amanhã será um buril juvenil cheio de nuanças revivadas por estes seres diamantizados, denominados de crianças. Elas estão aí em todo lugar desejando, implorando melhorias de vida, educação, saúde, segurança são deveres inalienáveis, não são esmolas, são direitos conquistados por uma Constituição séria e humana, mas os ditos, os políticos, querem nos transformar em mãos de obra para o mal e não aceitamos, pois fomos arquitetados para a prática do bem. Estamos retornando ao mundo de hoje com uma missão de Deus, a inserção no rol atual das crianças desiludidas, famintas, exploradas, castigadas, desamparadas, é essa a nossa missão que o nosso irmão Jesus nos deu para iniciarmos um mundo de regeneração.

Vamos lutar pela educação, pela obediência das leis, por governos mais humanos, pela extinção da fome, da miséria, por uma saúde de qualidade, pela caridade do bom atendimento médico e hospitalar, vamos educar os coleguinhas para não sujar as ruas, purificar a natureza, eliminar a poluição, alvejar o meio ambiente que se encontra carente e merecendo cuidados especiais. Vamos implantar nova sabedoria nas mentes humanas ultrapassadas, viciadas e que já não sabem o que fazem. É a nossa vez. É a vez das crianças, somos a única esperança para um mundo mais humano e melhor. O nosso Brasil mudará a feição andará em linha reta e não na contramão dos acontecimentos, pois seremos verdadeiros instrumentos, exemplos do bem fazer, do bem executar, do bem planejar cujo resultado será in verbis, o amor, a paz, a união e o bem-estar. A boa disposição física e mental, a combinação de conforto, saúde, segurança e contentamento. Nós somos as crianças do futuro, aquelas em que o homem magistral filho do Deus Onipresente, Onipotente e Onisciente, exclamava e dizia a todo o momento e instante, “Deixai vir a mim as criancinhas, pois elas herdarão o Reino dos Céus”.

Herdamos e estamos de volta não é lorota, pois cada uma de nós passou por uma escola celestial, monumental e agora nos inserimos novamente no mundo ardente da desesperança, onde vemos nossas amiguinhas discriminadas pela pobreza, pela condição social, pela raça, muitas em locais felizes, outras vagando pelas ruas, inúmeras vendendo seus corpos para sobreviver, mas o alvorecer da felicidade tem uma finalidade e as autoridades que não cumprirem esse mandamento estarão sujeitas ao esquecimento, e pagarão bem caro, pois somos crianças especiais não temos rivais, viemos trazer encanto, acalanto, viemos exterminar o desencanto, a falta de responsabilidade das autoridades que já tiveram tempo demais para fazer o que lhes foi destinada, mas, no entanto, para nosso espanto querem empurrar tudo de goela abaixo.

Não somos capachos, somos fortes e varonis e estamos aqui, pois pertencemos a uma nova geração, a do mundo feliz. Queremos paz, desenvolvimento, vexames nem pensar. Não queremos embaçamento e sim luzes, não somos refugos e sim as crianças do futuro. Essa é a nossa homenagem a todas as crianças do nosso Ceará, do Brasil e do mundo. Chega de desprezo, desumanidade, falta de incompreensão, e de zelo, as crianças merecem esmero e infindável atenção. Neste dia tão belo e cativante queremos deixar esta bela mensagem que veio a calhar em nossos corações. Afirmam que somos o futuro, mas o presente é que nos importa. Somos a paz revivida.
Não nos abandones no presente, e nem momento algum, não nos induzas a violência e nem a guerra do cotidiano.

Nós somos a esperança, a promessa do bem e desprezamos o mal. Brilhamos em todos os olhos e iluminamos todas as trevas. Queremos o pão e muito mais. Almejamos entendimento. A falta do carinho e do amor nos faz sofrer. A nossa educação é obrigação, brinquedos não é a única solução. As boas atitudes, exemplos palavras bonitas, nos enlevam a alma e nossos espíritos não são meros instrumentos do seu carinho. Procuramos sempre em nome do amor e de Deus. Coloca a nossa disposição o trabalho e que a humildade esteja sempre do nosso lado. Insere em nossos corações o devotamento e o perdão. Lembre-se de nós e orienta-nos para que sejamos justos e bons.
Ensina enquanto é tempo, ainda que soframos, pois não queremos que o hoje seja o caminho para o seu sofrimento do amanhã. Que nós te façamos sorrir e jamais chorar. Nossa maior aspiração é o amor.

Antonio Paiva Rodrigues

Biografia do Autor em:

http://www.caestamosnos.org/autores/autores_a/Antonio_Paiva_Rodrigues.htm


BENEDITA SILVA DE AZEVEDO

 

VENTO NORDESTE


Estava lendo o romance, A Cabana de William P. Young, deitada após o almoço, na rede da varanda. Súbito um vento frio agita as bandeirinhas da Festa de Santana, que fizemos em julho e ainda drapejam ao vento. Meu corpo estremece, levanto em busca de um agasalho. Fecho o livro, apanho caderno e caneta e faço anotações. Dou uma volta pelo quintal observando o pulsar da natureza. As folhas secas da goiabeira rolam sobre os seixos do jardim e param no canteiro florido de beijos, mesmo no inverno. O céu fica cinza e as gaivotas planam sobre a casa. Uma pandorga disputa com elas o espaço subindo e descendo com a rabiola enroscada na guia. O carro de propaganda política corrompe o ambiente e quebra o encanto do momento.

O vento assobia –
As flores de manacá
rolam na calçada.
Saio pelo portão em busca do espetáculo do vento nordeste sobre as águas do mar. De longe ouço o fragor das ondas quebrando na praia. Águas negras e agitadas refletem as cores das nuvens carregadas. Numa incrível visão, o Pão de Açúcar, do outro lado da baia, ainda iluminado é o único ponto claro no horizonte. A água avança com a maré cheia, volto para casa em busca de aconchego e calor, fugindo do vento frio que fere meu rosto, assanha meus cabelos e quase me impede de ver e respirar.

Após a ventania
uma chuva fina cai –
Tarde de domingo.

Praia do Anil, 30.08.2012
Benedita Silva de Azevedo

Biografia do Autor em:

http://www.caestamosnos.org/autores/autores_b/Benedita_Azevedo.htm
 


 
     

                                 para 3ª pág.