MAGAZINE CEN

 

Junho 2012

Edição de Carlos Leite Ribeiro

 

- 2º Bloco -

pág. 3

 

 

 

 

 

JUSSÁRA C GODINHO
CAXIAS DO SUL - RS - BRASIL
 

LUA MINHA

Lua branca
Lua clara
Lua cheia
Lua dos namorados
Lua dos poetas
Lua de luz
Lualma!
Sob o céu minado de estrelas
Brilha teu esplendor
E minh’alma
Embriagada de lume
transborda fascínio
e transpira amor

JUSSÁRA C GODINHO

 

 

MINHA MÃE

A tua palavra
preenchia minhas linhas
em branco

a tua presença
confortava meu eu
aliviava meus ais

hoje resta o aperto
do peito em dor
que reclama tua falta

A tua ausência
é a presença pura
do imenso vazio

deixado em tudo
e tatuado
no nada


JUSSÁRA C GODINHO
www.jussaracgodinho.prosaeverso.net

 

 

 

 

Sidnei Piedade
Assis / SP

 

Nascemos...vivemos e partimos

 

Nascemos como um botão que floresce, com o primeiro amor que não se esquece e com fervor em cada prece. Vivemos num mundo sem destino e cada um procurando seu caminho como brinquedo nas mãos de meninos. Vamos caminhando, rezando ouvindo os badalos dos sinos.....partindo com a ternura que o coração sentia, com a saudade da amada que não sabia.....pois temos que partir como tudo se acaba um dia. O que eu não daria para viver novamente as fantasias e alegrias, morar com o amor sem conhecer a dor. Queria retroceder no tempo e amar....acolher em meus braços e meus sonhos realizar, pois seu corpo percorri....e os mistérios conheci...e foi na noite que amei que deste mundo parti. Me desculpe....mas deixo a Deus o ato de julgar, e por favor me deixe descansar em paz.

Sidnei Piedade

 

 

Tenho um sonho em mim


Se algumas coisas se perderam são as palavras que me escaparam. Sonhos que vem e vão, sonhos em busca das realizações. Tudo passa e um dia eu tambèm vou passar...só não sei se alguèm vai lembrar de mim, pois como um guerreiro vou lutar até o fim. Sempre joguei prá ganhar, mas tambèm já perdi. Vou em frente , sou guerreiro na fé...coração e mente. Tenho um sonho em mim , sonho de amor, esperança sem fim...pois Deus me fez um vencedor e sinto que posso realizà-los. Chorar quando houver motivos, discutir realmente o que for justo e rogando aprovação. Espero que meus sonhos se realizem fazendo todas as siglas darem as mãos, onde saberão o valor de um abraço... deixando nas mãos de Deus a decisão com seu abraço...pois este sonho vai permanecer em mim.

Sidnei Piedade

 

 

 

 

Humberto Rodrigues Neto
São Paulo - Brasil
 

VIVA SÃO JUÃO!

 

Cumé bão festa junina,
Pois, véia, moça i minina,
Tudas éla entra na dança!
Nu pôntu ninguém num drómi,
Us cabôco mata a fómi
I túdu múndu ênchi a pança!

Eu vô cumê uma canjica
C’a minha cunhada Chica
Mais a cumádi Zabé...
I adispois di um bão quentão
Eu vô vê si inda to bão
Pra caí nu arrasta-pé!

U Tonho puxa a sanfona,
I a Bilica sorterona
Sórta prá Zéfa as fofoca...
Dissi qui viu u Zé do quêju
Na Candinha pregá um bêju
C’os bêiçu chêi di passoca!

Da fia du Zébedeu
Tudu mundu iscafedeu
Co’a farta di inducação!
Adispois qui arregalô-se
Di pinhão, batata dôci,
Garrô di sortá rojão!

I tântu fidia aquilo,
Nas venta, nus gragumilo,
Qui dava inté cumichão!
Mai dêxa u fedô pra lá,
Vâmu São Juão festejá
Cum rojão o sem rojão!

Humberto Rodrigues Neto

A SORTE DOS MAUS


Embora a misericórdia e o amor de Deus sejam infinitos, implacável é, também, a sua justiça.
Os que foram maus, como os políticos corruptos, estupradores, pedófilos, seqüestradores, inquisidores, torturadores, etc., esses permanecerão, depois de desencarnados, sob o guante terrível dos mais acerbos martírios.
Daí a justificativa para o "Vesúvio", o "sunami", os acidentes aeronáuticos, as inundações, os grandes incêndios e outras calamidades, naquilo que se convencionou chamar de desencarnes coletivos, pois não há efeito sem causa. Colhe-se o que se planta.
O pedreiro miserável que cai do andaime de um edifício em construção e deixa ao desamparo uma viúva com 4 ou 5 filhos, também é uma prova do quanto Deus é justo, pois tudo é meticulosamente planejado na espiritualidade consoante as imutáveis leis de causa e efeito.
Quem poderá afirmar não tenha sido ele um dos inquisidores que gozava o espetáculo terrível de grelhar em fogo lento um ser humano?
Segundo os espíritos, Hitler, que desencarnou há 64 anos, ainda se encontra em profunda letargia no além e depois acordará em estado de total imbecilidade mental, devendo assim permanecer até que transcorram cerca de 2.000 anos. A partir de então ser-lhe-á facultada, não a saída de lá, mas a caridade de poderem descer vez por outra aos centros espíritas terrestres para contarem as suas desditas e solicitar ajuda.
É a situação em que se encontram Átila, Nero, Calígula, Gêngis Kan, Gregório o Grande (que foi Papa), Torquemada e tantos outros, muitos dos quais comparecem em prantos convulsivos às sessões de tratamento e desobsessão, como já dissemos, suplicando por ajuda ou, acreditando-se ainda vivos, vociferando maldições contra Deus, Jesus e os circunstantes. Isso quando não agridem fisicamente os médiuns que os atendem. É por tal motivo que em tais sessões é vedada a presença de pessoas comuns, dela participando apenas médiuns de larga experiência e de ilibada conduta moral.
Todos os maus também serão redimidos, claro, pois já dissemos que a bondade de Deus é infinita, e o inferno não existe!
Mas a cada um é conferida a expiação condizente com o grau de suas atrocidades.
O próprio Cristo disse: "Ali haverá choro e ranger de dentes"!
Os cursos da Doutrina, ministrados nos Centros, explicam muito bem essas coisas, que vêm fartamente descritas no livro "O Céu e o Inferno", integrante do Pentateuco de Kardec sobre a codificação do Espiritismo.
Claro que Deus não é aquele déspota cruel, vingativo e sanguinário em que o transformaram as Escrituras, mas não tergiversa em se tratando do corretivo que deva ser aplicado aos perversos.
Não quero assustar ninguém, mas não devemos duvidar dessas coisas.
Pautemos, pois, as nossas vidas dentro de parâmetros de decência e humildade, a fim de que não sejamos conduzidos àquelas inóspitas regiões, onde choram as lágrimas do martírio e uivam as maldições daqueles que nunca se interessaram em conhecer um pouco do Espiritismo.

Humberto Rodrigues Neto

 

 

 

 

Lauro Kisielewicz
Ponta Grossa - Paraná - Brasil
 

MOLDADOS POR DEUS

Tanto quanto a gema,
nas hábeis mãos do lapidário...

Tanto quanto o ferro
nas fortes mãos do ferreiro...

Tanto quanto a argila
nas boas mãos do oleiro...

Tanto quanto o granito,
burilado pelo hábil escultor...

Estejamos sempre prontos
e disponíveis a sermos,
moldados por Deus!

Lauro Kisielewicz

RETRATO ANTIGO

Por um momento,
foi como se o tempo desse
um salto para trás...
muito tempo atrás...
Vieram-me à mente,
pessoas que já não existem...
Fatos que marcaram...
mas que acabaram...
tempos já esquecidos...
se redesenharam
na tela da mente...
e tal qual na velha foto
te vi feliz, sorridente...
A saudade dói...
mas faz bem à gente
que ama e sente,
o valor do sentimento
verdadeiro e eterno...

Lauro Kisielewicz

 

 

 

Helena Armond
 

VIVER

 

é saber-se
em sagrados componentes
naturais
e do poder na palma
sem perder a C´alma

Helena Armond

em jornadas ... longas ou curtas
há se plantar novo mundo
sem muralhas ...
muros apenas de murta

Helena Armond

poucas palavras
ações adequadas ...
em meus versos
silêncios em textos
interrogatórios ...
maiores acertos

helena armond
2012

 

 

 

 

Fabrício Maurício de Oliveira
Goiatuba-Goiás
 

Boneca de Ferro Carrinho de Porcelana

Quem foi que disse que Deus escreve certo por linhas tortas?!
Também existe Boneca de Ferro assim como Carrinho de Porcelana
Ela é dura, prática e sente menos as dores do mundo.
Ele é sensível, sonhador e arde nos contatos.
Ele gosta de carrinho, Ela gosta de boneca.
Deus também escreve torto, sua semelhança é torta, como poderia não ser!
Apesar das diferenças, as coisas se encaixam.
Se extrapolar o ter e o parecer, as coisas se encaixam.
Todo suspiro genuíno vai te trazer novos ares.
Se extrapolar o ter e o parecer as coisas passarão a ser...
Ele gosta de carrinho e ama Ela... Ela?!?! Também!
Ela ama boneca, se gosta dele não sei... Ele nonsense.

Fabrício Maurício de Oliveira

Natureza Selvagem

Quando o Libertar-se do TER,
O propor-se à um autêntico encontro consigo mesmo da forma mais íntima e verdadeira possível,
O queimar dinheiro,
O buscar seu mais ardente e genuíno sonho,
Não forem mais vistos como sinais de insanidade;

Você está evoluindo

Quando o simples ato de comer uma maçã
se transformar em um evento de contemplação,
De conhecimento e percepção de detalhes tão sutis das coisas do mundo,
De alegria e prazer de VIVER com toda intensidade o aqui e AGORA
como sendo o único momento que temos;

Estou evoluindo

E quando o matar um alce para se alimentar
E não conseguir cumprir a finalidade sem qualquer maldade
Te fizer chorar do fundo de sua alma
E for considerado uma das "maiores tragédias de sua Vida"!

Atrevo-me a dizer que enfim encontrou o sentido de VIVER
Enfim encontrou a Beleza do SER

Estamos evoluindo

"A Verdadeira felicidade só pode ser sentida quando Compartilhada!"

Fabrício Maurício de Oliveira

 

 

 

 

Gerci Oliveira Godoy
Porto Alegre/BR
 

MEU PAI

São vivas minhas lembranças
dos anos de convivência
meus choros e minhas manhas
era ele que entendia
o pai fingia de brabo
mas eu sabia de tudo
tinha que impor o respeito
ou a prole que era grande
ultrapassava o limite
quando vinha do trabalho
e entrava naquela porta
o silêncio imperava
e era um Deus nos acuda
servia-se logo a janta
depois era o mate doce
do fogão à mão passando
e a conversa rolando
era lei, sua palavra e
a gente ouvia encantada
o que o nosso herói pregava.

Gerci Oliveira Godoy

ENGENHO

Meu tio fazia melado,
os bois brincavam de roda
a roda amassava cana
o caldo regava minha pequenez
arregalada
meu tio falava, falava, eia boi, eia Teimoso
a cantilena empurrava a força dos bichos
e o meu sono que chegava
ciranda cana garapa melado

Gerci Oliveira Godoy

 

 

 

Lúcio Reis
Belém do Pará - Brasil
 

Seu admirador (Para Carlito)

Não consigo fingir que nada li
De suas obras e scripts encantados
Nem meus ouvidos ficarem surdos
Ante a melodia que ouvi
E assim meu coração
Impulsiona-me a também falar de ti
És no meu entendimento também
Um dos poucos genios que até aqui assisti
Anjos caidos na terra e vindos do além
Deixastes-nos inesquecíveis criações
Que fazem e fizeram soluçar
Nossos pobres corações
Antes as sensíveis emoções
De tua sensibilidade no criar
Dirigir e magstralmente interpretar
Em muitas cenas nem falavas
Pois do amor e do sentimento
Basta apenas a faisca do olhar
Ao ver o cenário em que atuavas
Para de tudo dizer, falar e cantar
E quando fazias pilheria
Com toda tua maestria
Na verdade eras muito sério
Na mensagem que transmitias
Charles Chaplin, o Carlito que sensacional
O ditador vagabundo fenomenal
Não sei disfarçar meu emocional
E muito menos enganá-lo
Como tu, também sou ariano
O que me envaidece a cada ano
Quando nosso abril vem chegando
E nas demais datas sigo cantando
Na mente a esperança guardando
De que mesmo um errante vagabundo
Pela graça de Deus criando e compondo
Contribua para que o mundo
Consiga aqui, entre seus semelhantes
Viver em harmonia doravante
Excluindo o egoismo maltratante
Que só afasta e é instingante
Para os dissabores, perdas e muitas dores
E assim haja ponto final nas guerras
Nas lágrimas e horrores
E prevaleça o abraçar de todos os amores.

Lúcio Reis

Criando a vida.

A jovem modesta e de hábitos simples e que, desde seus primeiros passos na vida e visões dos relacionamentos familiares, testemunhando diariamente sua mãe executando os labores do lar, cresceu e naturalmente se tornou mulher, tendo como perspectiva de futuro a continuação da família que lhe servira de berço.
Na pia batismal recebeu o nome de Maria, assim como muitas de suas amigas e colegas que juntas frequentavam a única escola do lugarejo e cuja professora também atendia pelo nome de Maria.
Por ser a comunidade de área pequena, todos se conheciam e a professora Maria era a de todas a mais conhecida, pois por suas lições diárias todas as crianças do pequeno município passaram e algumas, foram buscar em centros mais avançados, títulos que ali jamais conseguiriam e, sendo assim, aquela Maria já havia dado e continuava a dar sua importante e incondicional contribuição à sólida formação de sua sociedade.
A aluna Maria moça de visão e horizontes não muito largos, em função do meio no qual desenvolvia o seu dia a dia. Porém, um certo dia dos tantos naturais transcorridos em suas rotinas reiteradas, ao sair da escola, e caminhava de volta para sua casa, quando encontrou na calçada em frente ao correio uma revista, que possivelmente o carteiro distraidamente deixara cair. Juntou-a e sentou-se no banco da praça que ali também existia e pos-se a folhear e ler o que acabara de encontrar.
Era uma revista na qual todas as folhas impressas traziam poemas de um grupo de amigos e, a cada um que lia, extasiada ficava e instigada outros mais buscava. Leu várias páginas e sentiu a maioria dos conteúdos e assim, nem se deu conta de que a noite se aproximava, pois as estrelas já piscavam no negritude do horizonte, como a enfeitar o colo de uma bela dama.
Despertou daquele extase, pois havia se transportado para os mundos que ali vira criados, em cada rima, em cada sensibilidade saída de almas e naquelas folhas registradas e despertou pelo som do sino da matriz, que majestosa ali recebia as famílias da comunidade, convidando os fies para mais um ritual litúrgico a logo mais acontecer.
A jovem, como despertada de um sonho, tropegando e tropeçando nos prórpios pés, saiu correndo para sua casa, onde sua mãe, já deveras preocupada a aguardava, receiosa de que algo indesejado houvesse acontecido a sua filha amada, pois a rotina implicava que muitas horas antes ela já deveria ter voltado ao lar e para aconchego dos pais.
Aliviada com a chegada da filha única e depois das explicações que lhe fora dada para o até então, desconhecido atraso, a mãe percebeu que outra Maria havia para lar retornado. Pois percebera no olhar daquela jovem trajada de simples tecido, que o brilho diferente dava-lhe ao semblante o ar de uma outra e nova mulher. Porém guardou para si as interrogações que lhe bombardeavam a mente e afligiam seu coração.
Serviu-lhe o jantar e quando juntas, lavavam a louça e que o pai da menina havia se retirado para ouvir, como de costume as noticias em seu radio, passou a conversar com a filha, para descobrir a razão daquela mudança tão rápida, tal como uma mágica inexplicável.
Com a voz pausada e total tranquilidade, ela contou para sua mãe o que lhe havia ocorrido, ao encontrar aquela revista cheia de poemas. Disse-lhe que não sabia que outros mundos haviam e que as próprias pessoas podiam criá-los a sua maneira e que ela, gostaria e queria ser também uma criadora de outros mundos e portanto mãe a dar vida e luz a novos mundos e diferentes totalmente daquele que ela apenas conhecia em seus livros escolares e no dia a dia de sua simples cidade.
Aquela humilde mãe, de imediato percebeu que naquela praça, havia perdido sua filha para outros espaços e dimensões, e sentiu também que, a modesta Maria, através do que doravante passaria a criar, estava também criando novas Marias e assim aumentando as oportunidades de que em outros mundos Marias tantas e mais outras um dia transformariam este mundo egoista, discriminador, preconceituoso e covarde, em outros mundos nos quais a igualdade, a humildade, o entendimento e o respeito, de mãos dadas com o amor, farão os corações pulsarem lentamente e só sendo agitados ao pulsar pelas emoções das poesias geradas e criadas por Marias poetisas, que adornam as estrelas, aspergem perfume na lua e enfeitam de carinho o ar de qualquer lugar ou estação, ofertando a meigo afagar a cada coração em lindos buquês de flores e de muitos amores.

Lúcio Reis

 

Ivone Boechat
 

Projeto de vida

Eu não quero me acostumar
a ver, com tédio, as belezas da vida!
Não quero me declarar solitária
com a minha companhia.
Nunca dizer que é rotina
acordar de manhã com o sol,
entrando e me aquecendo.
Não quero dizer
que é tolice o discurso
bravo ou sereno das ondas do mar.
Jamais ficar triste
e declarar-me cansada
de ouvir a natureza.
Deus me livre de começar
a contagem regressiva
dos meus dias no mundo.
Quero discar SOS
para me livrar do pessimista,
e nunca optar nem andar
pelo caminho da desistência.
Quero chegar inteira,
completa, única, verdadeira,
ao topo da vida
para de lá contemplar,
com entusiasmo total,
o esplendor da vida,
do outro lado da vida!!!

Ivone Boechat

Escola de Cristo e a escola dos homens


H
oje, fala-se na educação moderna, discutem-se leis e métodos que poderiam socorrer os "cansados e oprimidos" da escola dos homens, todavia, os especialistas da educação se esqueceram de estudar e analisar a estrutura e o funcionamento da escola que Jesus propõe à humanidade.
O Serviço de Orientação Educacional tem funcionado, na maioria das escolas, como delegacia de polícia, para onde são encaminhadas crianças com problema; depois, por falta de pedagogia, são transferidas, expulsas, discriminadas, reprovadas e registradas no rol da evasão.
Cristo fez tudo diferente.
Certa vez, o Mestre estava na Galiléia e as crianças, como sempre o rodearam, porém, os discípulos (agentes de disciplina) ficaram preocupados e começaram e levá-las para longe. Só que foram severamente advertidos: "Deixai vir a mim as crianças" (Lc. 18:16).
O conselho de classe geralmente consiste no encontro periódico do corpo docente para "avaliar" o desempenho dos alunos na aprendizagem. É um julgamento apressado. O aluno é culpado por todo tipo de fracasso. Só ele falhou, só ele mora longe, mal educado, não se interessou e não aprendeu. Sob a batuta de "especialistas", vem o resultado, ano após ano: reprovação em massa. O réu é condenado e, se algum professor "bonzinho" erguer sua voz em defesa, quase é massacrado:
- Assim a educação não vai pra frente!
- Você vai aprovar todo mundo?
Cristo fez diferente.
Um dia, Ele estava no templo, ensinando, quando "professores, escribas e fariseus" lhe trouxeram uma aluna que havia cometido uma falta grave. Já haviam realizado o conselho de classe entre eles e resolveram reprová-la. Uns citavam artigos da Lei de Moisés (Lei de Diretrizes e Bases da Educação), outros alegavam seu comportamento, porém queriam ouvir a palavra final do Mestre. Perplexos, viram quando Ele se dirigiu não a eles, mas a ela: "Vai e não peques mais" (Jo. 8:11).
Jesus criou o conselho de classe para avaliar o processo educacional, onde destaca, sobretudo, o professor. Isto ficou muito claro, principalmente, no dia em que se colocou no meio de seus discípulos e perguntou: "E vós quem dizeis que eu sou?" Estava criada a auto avaliação.
Nem seria preciso dizer, mas a gente diz que o sistema de recuperação que se implanta por aí não recupera. Na Escola de Cristo é diferente. O aluno Pedro estava em recuperação e o Mestre preparou um teste oral, com apenas três perguntas:
- Pedro, amas-me?
- Senhor, tu sabes que te amo.
- Pedro, amas-me?
- Senhor, tu sabes que te amo.
- Pedro, amas-me?
- Sim, Senhor, tu sabes que te amo.
Foi uma prova duríssima, mas Pedro foi aprovado e ainda levou o dever de casa: "Apascenta minhas ovelhas" (Jo. 21:16). Jesus criou a recuperação para recuperar o aluno e não a nota. O aluno recuperado recupera a nota!
Os estudantes da Escola Profissionalizante de Cristo saem habilitados como "pescadores de homens". Líderes para atuar em todas as Eras.
O problema da evasão é tratado com muita firmeza: "Qual de vós é o homem que, possuindo cem ovelhas, perdendo uma delas, não deixa noventa e nove no deserto, e não vai após a perdida, até que a encontre?" (Lc.15:4). Jesus orava preocupado com a estatística de um aluno perdido na turma de 100. E nós? De cada 100 alunos matriculados na 1ª série do Ensino Fundamental, somente oito chegam ao Ensino Médio.
Jesus se mostrou preocupado não só com alunos perdidos, que abandonam a escola, ao contar a parábola dos que se perdem dentro da escola: "varrer a casa, buscando-o até encontrá-lo" (Lc. 19:5).
Quem fundou a obra educacional de recuperação dos meninos de rua foi Jesus (Mc. 9:42). Ele criou também o Centro de Estudos Supletivos. Havia aulas durante todos os dias da semana: manhã, tarde e à noite. Zaqueu, chefe dos publicanos, cobrador desonesto de impostos, fez sua matrícula de cima da árvore e começou a estudar, naquele mesmo dia, em casa (Lc. 19:5). Nicodemos, príncipe dos judeus, preferiu estudar à noite, levando no caderno de anotações as suas dúvidas. Após a primeira aula, levou a resposta de tudo e uma advertência: "Tu és mestre em Israel e não sabes estas coisas?"
Na Escola de Cristo, estudavam ricos e pobres. Quando fundou a Educação Especial, após a aula, curou a todos. Não temos esse poder, todavia, temos o dever de respeitar os deficientes físicos e também a obrigação constitucional de fazê-los parte integrada do sistema educacional (Mt. 15:31-32). Estava criada a educação inclusiva.
E a merenda escolar? Basta ler a narração bíblica da multiplicação dos pães para responder a pergunta. Todas as vezes que o Mestre ministrava suas aulas, ele mesmo providenciava a merenda (Mt. 14:17; Mt. 15:36; Lc. 15:32).
Jesus sempre trabalhou em equipe, não fazia o que os discípulos podiam fazer. Em Betânia, choravam pela morte de Lázaro e ele mesmo chorou, quando chegou à cidade. Seguido por grande multidão (suas turmas eram enormes), foi visitar o túmulo, mas uma pedra o impedia de ver o aluno-defunto. Com seu poder, bastava ordenar e a pedra se tornaria pó. Não. Preferiu trabalhar em equipe: "Tirai a pedra" (Jo 11:39).Jesus sempre fazia a chamada. Dentro do cemitério, se não fosse feita a chamada nominal do aluno Lázaro, seria uma ressurreição em massa: Quem deveria “sair para fora?” Sairiam todos!
Na prova final de Pedro, Jesus lhe deu "cola" para repor a peça. O aluno errou a última questão: cortou a orelha do centurião romano. Não foi reprovado nem ficou em recuperação. Continuou na Escola, porque o Mestre sabe que o erro é pedagógico.
Quem foi que criou módulos para o ensino à distância? E os módulos foram escritos pelos próprios alunos, Mateus, Marcos, Lucas e João, observando o universo vocabular...
O alunos da Escola de Cristo são tratados com justiça e igualdade. Judas que tanto lhe perturbou o magistério não foi expulso nem transferido: estudou na sua escola até o fim.
Cristo implantou a inclusão digital: "Pedro, tudo o que ligares na Terra será ligado no céu." Providenciou a globalização do ensino: "Ide por todo o mundo"... para que os homens se religassem na Internet divina e navegassem na mídia celestial: fé@graça.comJesus
A palavra rede(web) “hoje” é ultra moderna, todavia, Jesus a usou como palavra chave na Sua Escola e deu aula aos discípulos de web: “Lança a rede para o lado de lá”. Ou seja, para o lado do Bem.
Ao criar seu twiter, olhou para Pedro e disse-lhe: segue-me. Hoje, o Mestre tem milhões de seguidores ao redor do mundo.

Ivone Boechat

 

 

 

Ilze Soares
 

Menino de Rua

Descalço, pés queimando no chão,
Lá vai o menino de rua
Em busca de uns trocados para o pão.

Nas esquinas, faz malabarismos,
Recebe centenas de nãos,
Nenhum centavo cai em suas mãos.

Se voltar pra casa assim,
Sem ao menos um tostão,
É surra na certa, não tem perdão.

Onde fica seu direito de ir e vir,
Sua obrigação da escola frequentar,
Sem comer, sem brincar, sem sorrir?

Espero, um dia, que os nossos dirigentes
Prestem um pouco mais de atenção
Nestas pobres crianças de pés no chão.

Sem saúde, estudo ou segurança,
Disposição, fé ou esperança,
Elas tambem são o futuro da nação.

Ilze Soares

   para Índice Geral     para pág.4

Registre sua opinião no

Livro de Visitas: