Portal CEN *** Pesquisas Carlos Leite Ribeiro ***

 

 

Caramuru - (Diogo Álvares Correia)

 

Morreu a 06 de Outubro de 1557

 

 

 

 

 

Trabalho e pesquisa de Carlos Leite Ribeiro

 

Arte Final: Iara Melo


 

Caramuru, teria nascido em Vieira do Minho (Viana do Castelo). Tendo seguido viagem para as Índias, naufragou nas costas da Baía de Todos os Santos (Bahia), em 1510. Passou a viver entre os indígenas, alcunhado de Caramuru, nome de um peixe das costas brasileiras. Dominando a língua e os costumes dos indígenas, auxiliou Tomé de Sousa e os jesuítas que vieram para a catequese na fundação dos primeiros estabelecimentos e na aproximação com os índios. Casou com uma linda índia Paraguaçu, filha de um dos chefes tupinambás. Esta, mais tarde, foi baptizada em França como o nome de Catarina. Foi sepultado no Mosteiro dos Jesuítas, em Salvador BA. Deixou quatro filhos, que deram origem à família Torres, celebrizada pela opulência.
Diogo Alvares Correia "Caramuru" – um português caiu nas graças de uma tribo nativa e casou com a filha do cacique. Branco, encontrado nu, faminto, cansado e camuflado com sargaços, foi, inicialmente, ridicularizado pelos nativos que o chamavam de "Caramuru" – um peixe semelhante a moreia que se escondia nos recifes. Porém, foi poupado do sacrifício da morte e de ser devorado pela tribo. Seu conhecimento sobre os interesses dos europeus nas terras do Brasil, sua habilidade no trato com os nativos e sua diplomacia acabaram por transforma-lo na figura mais importante da primeira metade do século XVI na Bahia. "Caramuru" intermediava os negócios e facilitava os contactos entre navegantes, comerciantes europeus e nativos, alem de ajudar no abastecimento e recuperação das embarcações que seguiam pelo litoral brasileiro com destino ao Rio da Prata e ao Oriente, na rota das especiarias.
(*) Catarina Alvares "Paraguaçu" – Filha DO CACIQUE Taparica, chefe da tribo que encontrou o naufrago "Caramuru", foi uma líder de seu povo. Sua curiosidade a levou a interrogar os europeus que eram capturados pela tribo. Tornou-se a principal companheira de Diogo Alvares "Caramuru", com quem se casou oficialmente na França logo após ser baptizada na Igreja Católica em 1527. Sua devoção à Mãe de Jesus levou à construção da Igreja da Graça e sua herança territorial foi legada à Ordem Beneditina da Bahia. Morreu em 1583.
A Casa da Torre tem como suas origens, no Brasil, Diogo Álvares Caramuru e sua mulher Catarina Alvares Caramuru (Paraguassú), uma tupinambá batizada na França com o nome de Catherine du Brézil - primeiro casal cristão do Brasil. Sua descendência entrelaçou-se, não só na progénie de Garcia D'Avila com a Índia D. Francisca Rodrigues, como na geração de Jerónimo de Albuquerque com a filha da aldeia de Olinda - Muira-Ubi - Maria do Espírito-Santo Arcoverde.
Vinculou-se, mais tarde, com os descendentes de Domingos Pires de Carvalho casado com Maria da Silva, com a geração de Felipe Cavalcanti casado com Catarina de Albuquerque e com a descendência do casal José Pires de Carvalho - Tereza Vasconcellos Cavalcanti de Albuquerque Deus-Dará, formando o arcabouço da aristocracia do Recôncavo Baiano.
Cararuru, passou a vida entre os índios e facilitou o contato deles com os primeiros administradores e missionários portugueses. Foi apelidado de Caramuru pelos tupinambás. É considerado o fundador da cidade de Cachoeira. Originário do norte de Portugal, arribou à Bahia, entre 1509 e 1511, como náufrago, segundo uma antiga tradição.
Foi bem acolhido pelos Tupinambás, tendo-lhe o respectivo morubixaba concedido uma das filhas, Paraguaçu, de quem teve larga descendência. Ao longo de cerca de duas décadas manteve contactos com navios europeus que aportavam à Bahia. As relações comerciais que estabeleceu com normandos levaram-no, entre 1526-1528, a visitar a França, onde a mulher foi baptizada, passando a chamar-se Catarina. No decurso do governo do donatário Francisco Pereira Coutinho, recebeu importante sesmaria, tendo procurado exercer uma função mediadora entre os colonos e os ameríndios, não conseguindo, todavia, evitar o recontro de Itaparica, onde aquele perdeu a vida. Em 1548, tendo D. João III a intenção de instituir o Governo-Geral, recomendou-lhe que criasse condições para que a expedição fosse bem recebida, facto revelador da importância que havia alcançado. Tomé de Sousa armou cavaleiros três dos seus filhos (Gaspar, Gabriel e Jorge) e um dos seus genros (João de Figueiredo) pelos serviços prestados à Coroa Portuguesa. Dispensou importante colaboração aos jesuítas, servindo como intérprete na pregação, doutrina e confissão.
Acerca do aparecimento de Caramuru - cujo verdadeiro nome era Diogo Álvares Correia - existe a seguinte lenda: Em 1509 ou 1510, um navio português naufragou junto da actual Bahia de Todos os Santos. Quase todos os homens morreram afogados ou foram devorados pelos índios Tupinambás. Entre os poucos deixados para serem sacrificados posteriormente, em espectáculo festivo, estava Diogo Álvares Correia. Quando se aproximava a hora de ser ele sacrificado, uma ideia relampejante salvou-lhe a vida: Disparou Diogo o mosquete que retivera do naufrágio e matou um pássaro em pleno voo. Os selvagens que presenciavam a cena foram tomados de grande terror, pondo-se a gritar: "Caramuru! Caramuru!", o que, na sua língua, significava "homem do fogo" ou "filho do trovão". (Há quem considere, talvez com mais acerto, que o apelido Caramuru se deriva do fato de ser esse o nome com que os indígenas designavam um peixe comum no Recôncavo da Bahia, a moreia, frequentadora das águas baixas das locas, numa das quais teria sido encontrado Diogo Álvares depois do naufrágio). Passou logo Diogo Álvares Correia a ser altamente considerado pelos índios que, daí em diante, o respeitavam como a um chefe. Mais tarde, casou-se Caramuru com Paraguassu, filha do chefe Taparicá, com o que se tornaram mais íntimas e sólidas as suas relações com os indígenas. Quando da chegada de Martim Afonso de Souza, Caramuru serviu de intérprete e elemento de ligação entre esse primeiro Governador do Brasil e os chefes índios, acertando medidas para a introdução de trabalhos agrícolas na região com o aproveitamento de sementes trazidas por Martim Afonso. Papel ainda mais saliente desempenhou Caramuru a partir de 1538, no período do primeiro Capitão-mor, D.Francisco Pereira Coutinho, cujo governo decorreu tumultuoso, em virtude de sucessivos desentendimentos entre os portugueses e os indígenas. Tão grande se tornou a fama de Caramuru e tão alto o seu prestígio junto ao Governo de Portugal, que, ao ser nomeado, em 1548, o primeiro Governador Geral do Brasil - Tomé de Souza - o rei dirigiu-se em carta a Caramuru, pedindo sua imprescindível cooperação, nestes termos:
"Diogo Álvares. Eu, El-Rei, vos envio muito saudar. Eu ora mando Tomé de Souza, fidalgo da minha Casa, a essa Bahia de Todos os Santos... E porque sou informado pela muita prática que tendes dessas terras e da gente e costumes delas o sabereis bem ajudar e conciliar, vos mando que, tanto o dito Tomé de Souza lá chegar, vos vades para êle e o ajudeis no que lhe deveis cumprir e vos encarregar, porque fazeis nisso muito serviço... Sendo necessária vossa companhia e ajuda, encomendo-vos que ajudeis no que virdes que cumpre, como creio que o fareis. Bartolomeu Fernandes a fêz em Lisbôa a 19 de novembro de 1548. Rei".
Caramuru atendeu ao pedido do rei e tão proveitoso foi o auxílio prestado a Tomé de Souza que, em meio a uma plena cooperação dos índios, pode rapidamente ser fundada, em 1549, a cidade do Salvador, Capital do País, no lugar onde anteriormente Caramuru estabelecera a aldeia "Vila Velha".
Quanto à origem judaica de Caramuru, na falta de quaisquer provas, muitos historiadores a admitem levados por simples presunções, inclusive pelo fato de que, segundo muitas indicações, era tradicionalmente israelita o nome de família Álvares Correia.


 

Trabalho e pesquisa de Carlos Leite Ribeiro – Marinha Grande – Portugal

 

 

Envie esta Página aos Amigos:

 

 

                                              

 

 

Por favor, assine o Livro de Visitas:

 

 

 

Todos os direitos reservados ao Portal CEN
Página criada por Iara Melo
http://www.iaramelo.com