Portal CEN  *** Pesquisas Carlos Leite Ribeiro ***

 

CONHEÇA-NOS:

 

José Teixeira de Melo

 

 

 

Morreu a 10 de Abril de 1907

 

 

 

 

Trabalho e pesquisa de Carlos Leite Ribeiro

 

Formatação: Iara Melo

 

 

Escritor brasileiro nasceu em Campos de Goytacazes e morreu no Rio de Janeiro a 10 de Abril de 1907. Doutorou-se pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, em 1859, exerceu clínica na sua cidade natal antes de se fixar no Rio de Janeiro, em 1875, e ser nomeado no ano seguinte chefe da Secção de Manuscritos da Biblioteca Nacional. Estreou-se na poesia com “Sombras e Sonhos” em 1858, a que se seguiu “Miosótis” em 1877. Além de figura destacada no lirismo brasileiro, realizou investigação de mérito em “Efemérides Nacionais” em 1881, em três volumes, e “Limites do Brasil com a Confederação Argentina, em 1882. Pertencia ao Romantismo. Como poeta, Teixeira de Melo pertenceu à geração romântica de Casimiro de Abreu, Luís Delfino e Luís Guimarães. No prefácio às suas Poesias (1914), Sílvio Romero o qualifica como "um lirista de primeira ordem no Brasil", que se distingue por "certa singularidade, certa elevação graciosa e delicada das frases", além da completa correção da língua e da forma métrica, características que o tornam um precursor do Parnasianismo. Também considerado um pesquisador meticuloso, parte de sua produção literária foi voltada para este tema. Suas pesquisas nos documentos sob sua guarda serviram de apoio e prova para os embates territoriais enfrentados pelo Brasil junto a seus vizinhos, nas defesas dos interesses pátrios feitas por Joaquim Nabuco e o Barão de Rio Branco. Dentro desta produção técnica destacam-se "Efemérides Nacionais" e "Limites do Brasil com a Confederação Argentina".

Teixeira de Melo pertenceu à Academia Brasileira de Letras e foi o fundador da Cadeira 6 da Academia, que tem por patrono Casimiro de Abreu, a quem nomeou homenageando o poeta, de quem fora amigo. Seu sucessor, como regista Afrânio Peixoto, não procedeu ao elogio do precedente: “No discurso de posse, Artur Jaceguai deixou de fazer o elogio do antecessor, Teixeira de Melo, alegando "não haver conhecido o homem nem a sua obra"”. Isso seria motivado por ciúme, segundo Goulart de Andrade, por o historiador não haver citado o nome de Jaceguai ao narrar o episódio da Batalha de Humaitá, na Guerra do Paraguai.

 

Gentileza Academia Brasileira de Letras www.academia.org.br
 
Teixeira de Melo (José Alexandre T. de M.), médico, jornalista, historiador e poeta, nasceu em Campos, RJ, em 28 de agosto de 1833, e faleceu no Rio de Janeiro, RJ, em 10 de abril de 1907. Foi o fundador da Cadeira n. 6 da Academia Brasileira de Letras, escolhendo como patrono o poeta Casimiro de Abreu, de quem fora amigo. Foi substituído pelo Almirante Jaceguai, que não lhe fez o elogio, porque, como declarou, lhe desconhecia a obra.
Era filho de José Alexandre Teixeira de Melo e de Eugênia Maria da Conceição Torres. Fez o curso de Humanidades no Seminário S. José e formou-se pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro, onde defendeu tese em 25 de novembro de 1859. Fixou residência em Campos, onde exerceu a clínica e colaborou em jornais, até 1875, quando se transferiu para o Rio do Janeiro. Como jornalista, assinava artigos com seu nome e com o pseudônimo Anôdino. Durante a fase acadêmica foi membro de diversas organizações literárias e escreveu Sombras e sonhos, publicado em 1858. Em 1876 foi nomeado chefe da Seção de Manuscritos da Biblioteca Nacional, passando, mais tarde, para a Seção de Impressos e, finalmente, assumindo a direção da Biblioteca, em 1895. Exerceu o cargo até 1900, quando se aposentou. Viajou pela Europa durante 1892 e 1893.
Pesquisador incansável, dedicou-se a assuntos de história pátria, pesquisando, nos arquivos de manuscritos, os documentos que deviam pleitear os direitos do Brasil a territórios contestados, servindo de base à argumentação de Joaquim Nabuco e Rio Branco. Publicou diversos trabalhos de valor, como as Efemérides nacionais e Limites do Brasil com a Confederação Argentina. Colaborou nos Anais da Biblioteca Nacional, na Revista do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro, na Gazeta Literária e em outras publicações.
Como poeta, Teixeira de Melo pertenceu à geração romântica de Casimiro de Abreu, Luís Delfino e Luís Guimarães. No prefácio às suas Poesias (1914), Sílvio Romero o qualifica como "um lirista de primeira ordem no Brasil", que se distingue por "certa singularidade, certa elevação graciosa e delicada das frases", além da completa correção da língua e da forma métrica, características que o tornam um precursor do Parnasianismo.
Obras: Sombras e sonhos, poesia (1958); Miosótis, poesia (1877); Efemérides nacionais, 3 vols. (1881); Campos dos Goitacases, memórias (1886); Limites do Brasil com a Confederação Argentina, relatório (1882); Poesias, com prefácio de Sílvio Romero (1914). Publicou diversos estudos nos Anais da Biblioteca Nacional, entre os quais: Cláudio Manuel da Costa, vols. 1 e 2 (1876-77); Laurindo Rabelo, vol. 3 (1877); José de Alencar, vol. 3 (1877).

 

 

Não te amo, ó Sol, mas como rascunho
Da luz de Deus! Mas como lembrança 
Da mão que te acendeu, lâmpada de ouro,
Por sobre o abismo en que eu trema da morte,
A seus pés a vida toda sem jeito, nem direito de enganar.

(do poema " Ao Sol ").

 

 

Trabalho e pesquisa de Carlos Leite Ribeiro – Marinha Grande – Portugal

 

 

Envie esta Página aos Amigos:

 

                                

 

 

Por favor, assine o Livro de Visitas:

 

 

 

Todos os direitos reservados ao Portal CEN
Página criada por Iara Melo
http://www.iaramelo.com

 

Fundo Musical: Guitarra Toca Baixinho/Francisco José