Portal CEN  *** Pesquisas Carlos Leite Ribeiro ***

 

CONHEÇA-NOS:

 

Está Chegando a Primavera

(a Portugal)

 

 

 

 

Trabalho e pesquisa de Carlos Leite Ribeiro

 

Formatação: Iara Melo



Primavera: do latim primovere (feminino), primeira estação do ano.
Finalmente e depois de tanto e frio e chuva, parece que a Primavera chegou, e com ela o Sol.

A Primavera é a estação do ano que se segue ao Inverno e precede o Verão. É tipicamente associada ao reflorescimento da flora e da fauna terrestres.
A Primavera do hemisfério norte é chamada de "Primavera boreal", e a do hemisfério sul é chamada de "Primavera austral". A "Primavera boreal" tem início, no Hemisfério Norte, a 20 de Março e termina a 21 de Junho. A "Primavera austral" tem início, no Hemisfério Sul, a 23 de Setembro e termina a 21 de Dezembro.
Do ponto de vista da Astronomia, a primavera do hemisfério sul inicia-se no equinócio (*) de Setembro e termina no solstício de Dezembro, no caso do hemisfério norte inicia-se no equinócio de Março e termina no solstício (**) de Junho.
Como se constata, no dia do equinócio o dia e a noite têm a mesma duração. A cada dia que passa, o dia aumenta e a noite vai encurtando um pouco, aumentando, assim, a insolação do hemisfério respectivo.
Estas divisões das estações por equinócios e solstícios poderão ser fonte de equívocos, mas deve-se levar em conta a influência dos oceanos na temperatura média das estações. Na Primavera do hemisfério sul, os oceanos meridionais ainda estão frios e vão aos poucos aquecendo, fazendo a Primavera ter temperaturas amenas ao longo da estação.
(*)Equinócio é definido como um dos dois momentos em que o Sol, em sua órbita aparente (como vista da Terra), cruza o plano do equador celeste (a linha do equador terrestre projectada na esfera celeste). Mais precisamente é o ponto onde a eclíptica cruza o equador celeste.
A palavra equinócio vem do Latim e significa "noites iguais". Os equinócios acontecem em Março e Setembro, as duas ocasiões em que o dia e a noite têm duração igual. Ao medir a duração do dia, considera-se que o nascer do Sol é o instante em que metade do corpo solar está acima (ou metade abaixo) do horizonte, e o pôr do Sol o instante em que o corpo solar encontra-se metade abaixo (ou metade acima) do horizonte. Com esta definição o dia durante os equinócios tem 12 horas de duração.
No hemisfério norte o equinócio da primavera ocorre no dia 20 de Março, e o equinócio de Outono ocorre no dia 23 de Setembro. Estas datas marcam o início das respectivas estações do ano neste hemisfério.
No hemisfério sul é o contrário, o equinócio da primavera ocorre no dia 23 de Setembro, e o equinócio de Outono ocorre no 20 de Março. Estas datas marcam igualmente o início das respectivas estações do ano neste hemisfério.
Devido à órbita elíptica da Terra, as datas nas quais ocorrem os equinócios não dividem o ano em um número igual de dias. Isto ocorre porque quando a Terra está mais próxima do Sol (periélio) viaja mais velozmente do que quanto está mais longe (afélio).
(**)Solstício é o momento em que o Sol, durante seu movimento aparente na esfera celeste, atinge o seu maior afastamento em latitude, da linha do equador. Os solstícios ocorrem duas vezes por ano: em 21 de Dezembro e em 21 de Junho.
No hemisfério norte o solstício de verão ocorre no dia 21 de Junho, e o solstício de inverno ocorre no dia 21 de Dezembro. Estas datas marcam o início das respectivas estações do ano neste hemisfério.
No hemisfério sul é o contrário. Aqui o solstício de verão ocorre no dia 21 de Dezembro, e o solstício de inverno ocorre no dia 21 de Junho. Estas datas marcam igualmente o início das respectivas estações do ano neste hemisfério.
Devido à órbita elíptica da Terra, as datas nas quais ocorrem os solstícios não dividem o ano em um número igual de dias. Isto ocorre porque quando a Terra está mais próxima do Sol (periélio) viaja mais velozmente do que quanto está mais longe (afélio).
Os trópicos de Câncer e Capricórnio são definidos em função dos solstícios. No solstício de verão no hemisfério sul, os raios solares incidem perpendicularmente à Terra na linha do Trópico de Capricórnio. No solstício de inverno, ocorre a mesma coisa no Trópico de Câncer.
Quando o solstício ocorre no inverno significa que esse dia é o menor do ano e a noite é a mais longa. Quando ocorre no verão significa que é o maior dia e a menor noite do ano.



Chegou a Primavera!
Tou tão contente!!!
Finalmente vai embora o frio.
Que me desculpem os amantes do Inverno, mas "Eu gosto é do Verão, de passearmos de prancha na mão..." :-)
Para celebrar vou deixar-vos com alguns excertos de um dos meus poemas favoritos.

"Vem, Noite antiquíssima e idêntica,
Noite Rainha nascida e destronada,
Noite igual por dentro ao silêncio. Noite
Com as estrelas lantejoulas rápidas
No teu vestido franjado de Infinito.
Vem, vagamente,
Vem, levemente,
Vem sozinha, solene, com as mãos caídas
Ao teu lado, vem
E traz os montes longínquos para o pé das árvores próximas.
Funde num campo teu todos os campos que vejo,
Faze da montanha um bloco só do teu corpo,
Apaga-lhe todas as diferenças que de longe vejo. (...)
(...) Vem, e embala-nos,
Vem e afaga-nos.
Beija-nos silenciosamente na fronte,
Tão levemente na fronte que não saibamos que nos beijam
Senão por uma diferença na alma. (...)
(...) Apanha-me do meu solo, malmequer esquecido,
Folha a folha lê em mim não sei que sina
E desfolha-me para teu agrado,
Para teu agrado silencioso e fresco.
Uma folha de mim lança para o Norte,
Onde estão as cidades de Hoje que eu tanto amei;
Outra folha de mim lança para o sul,
Onde estão os mares que os Navegadores abriram;
Outra folha de mim atira ao Ocidente,
Onde arde ao rubro tudo o que talvez seja o Futuro,
Que eu sem conhecer adoro,
E a outra, as outras, o resto de mim
Atira ao Oriente,
Ao Oriente donde vem tudo, o dia e a fé,
Ao Oriente pomposo e fanático e quente,
Ao Oriente excessivo que eu nunca verei,
Ao Oriente budista, bramânico, sintoísta,
Ao Oriente que tudo o que nós não temos. (...)
(...) Vem sobre os mares,
Sobre os mares maiores,
Sobre os mares sem horizontes precisos,
Vem e passa a mão pelo dorso da fera,
E acalma-o misteriosamente,
Ó domadora hipnótica das coisas que se agitam muito! (...9
(...) Vem, Noite silenciosa e extática,
Vem envolver na noite manto branco
O meu coração...
Serenamente como uma brisa na tarde leve,
Tranquilamente com um gesto materno afagando.
Com as estrelas luzindo nas tuas mãos
E a lua máscara misteriosa sobre a tua face.
Todos os sons soam de outra maneira
Quando tu vens.
Quando tu entras baixam todas as vozes,
Ninguém te vê entrar.
Ninguém sabe quando entraste,
Senão de repente, vendo que tudo se recolhe,
Que tudo perde as arestas e as cores,
E que no alto céu ainda claramente azul
Já crescente nítido, ou círculo branco, ou mera luz nova que vem,
A lua começa a ser real."
(Álvaro de Campos)


Primavera
 
Refrão
Já chegou a Primavera
As florinhas coloridas
vão crescer
Passarinhos pelo céu
estão a chegar
E o Sol não vai parar de brilhar.
 
Chegam as andorinhas
As cegonhas também
E até as abelhas
Saltam aqui e além.
 
Canta o grilo feliz
Tudo fica verdinho
Pássaros fazem seus ninhos
E lá dentro põem os ovinhos.
  
Os coelhos espertos
Fazem tocas novinhas
E as árvores que vão dar frutos
Estão carregadas de florinhas.
 
Coaxa a rã no seu charco
Nada o peixe no rio
Brinca alegre a criança
Já não há chuva nem há frio.

Música de Batatoon)
Letra: Educadora, Margarida Cardoso (Ovar - Portugal)

 
Trabalho e pesquisa de Carlos Leite Ribeiro – Marinha Grande – Portugal

 

 

Envie esta Página aos Amigos:

 

                                

 

 

Por favor, assine o Livro de Visitas:

 

 

 

Fundo Musical: Primavera

Carlos Lyra/Vinícius de Moraes

 

Todos os direitos reservados ao Portal CEN
Página criada por Iara Melo
http://www.iaramelo.com