Amélia Marcionila Raposo da Luz

 
- Nome: Amélia Marcionila Raposo da Luz

- Profissão:
Professor

- Quer falar um pouco da terra onde mora?
Minha cidade é pequena, Moro em Pirapetinga - Minas Gerais, às margens do Rio Paraíba do Sul na divisa com o estado do Rio de Janeiro. É uma cidade tranquila e acolhedora onde vivo em paz.
 

- Quando começou a escrever?
Em criança, na escola primária já me distinguia pelas minhas redações. Depois, bem depois, já madura, o vento da inspiração passou pertinho da minha mão. Aí, não teve jeito. Agarrei-me com ele para sempre e como ele é caprichoso conseguiu me conquistar e me leva para onde quer. Isso é vida???
 

- Teve a influência de alguém para começar a escrever?
Sim, muita leitura em criança e um coração sensível mole que nem manteiga no sol quente! As poesias eu as declamava na escola primária e me lembro de muitas. A que eu mais gostava: A fonte e a flor: “vento, vento não me leves, não me leves para o mar”... (Vicente de Carvalho). Quando adulta virei flor na mão do vento que me levou para o mar da poesia!
 

- Lembra-se do seu 1º trabalho literário?
Sim, eu era menina e escrevi um poema para um “suposto” namoradinho (ele não sabia) tão criança quanto eu. Muita pureza!
 

- Projectos Literários para 2011 / 2012?
Muito as antologias. Um sarau de poesias com o tema Língua Lusa no Teatro de SESI, SENAI da minha cidade. Trabalho conjunto com o Centro Cultural de Pirapetinga, (27 anos), do qual sou um dos fundadores, hoje Conselheira e atuante.
 

- Tem livro(s) electrónico(s) (e-books) ?
Ainda não.
 
- Fale-nos um pouco de si, como pessoa humana?
Sou, eu Sou! Sou Mulher conquistando mundos com a minha liberdade! Semeio versos, podo as rosas, aparo a grama do jardim debaixo de chuva fina ou aos raios coloridos do sol. Abro a janela da vida e todos os dias eu digo: - Entra felicidade!!! Minha avó paterna, D. Marcionila Braga da Luz me ensinou esse costume. Mesmo que a felicidade seja acanhada e não queira entrar todos os dias espero que ela um dia aceite o meu convite e venha morar comigo para sempre... Gosto de PALAVRA! Lido com as palavras na minha oficina de versos, aprendo delas sempre. São companheiras fiéis nas horas tristes ou alegres.

- Como Escritor (a)?
Não me considero Escritooooooooooooora!!! A palavra pesa, exige! Gosto de brincar com elas eu as letras construindo meus textos variados em prosa ou em verso. Empilhando-as faço uma montanha e do alto vejo o mundo que me encanta... Quem vê do alto, vê mais longe e as letras me permitem isso...
 

- Tem prémios literários?
Muitos, muitos. Todos humildemente eu os consagro a Deus. Sobretudo por me permitir falar e escrever a LÍNGUA LUSA um dos meus grandes amores. Somos indivisíveis.
 

- Tem Home Page própria (não são consideradas outras que simplesmente tenham trabalhos seus)?
Não.
 

- Conhece as vantagens que os Autores do CEN têm em ter sua Home Page ou (e)  Livro (s) electrónicos, nos nossos sites?
Ainda não.

- Que conselho daria a uma pessoa que começasse agora a escrever ?
Que fosse fiel ao encanto das letras. Que subisse num tapete mágico e desse asas à imaginação sempre com fidedignidade, honestidade e compromisso com o que escreve e respeito com o leitor.
 

Para terminar este trabalho, queira fazer o favor de mandar um pequeno (e original) trabalho seu (em prosa ou em verso)  -em anexo

 

2011

 Índice de autores            Anexo