SEBO LITERÁRIO

 

 

Isabel Cristina Silva Vargas

 

 

 
 
CRÓNICAS
Pág. 4 de 7 Pág.

Mais amor, menos violência
Isabel C.S.Vargas

Diariamente, as pessoas assistem na televisão notícias de desastres, cataclismos, violência, guerra, corrupção, assaltos, filhos que matam pais e outras atrocidades, desde a hora que acordam até a hora de ir repousar. É uma convivência diária com coisas ruins. Assistem fatos na hora em que eles estão acontecendo, ao vivo, impotentes para agir .
 As crianças assistem desenhos, muitos inadequados para a idade, também mostrando comportamentos violentos , agressivos Os adolescentes jogam no videogame ou no computador jogos em que são reproduzidas situações violentas,mortes,guerra e eles sentindo-se , ao jogarem, como participantes de tudo aquilo.
 No que se refere à corrupção,convivemos diariamente com tal tipo de fato,mostrados nos noticiários da televisão,nos jornais.Quem deveria dar o exemplo,passa a idéia de que esta prática não é errada, não punindo culpados e distorcendo fatos, valores,condutas,querendo torná-los aceitáveis.Transformam mensalões em simples caixa 2, como se isso também fosse uma prática correta.
 E assim vamos seguindo a vida, assimilando como normais coisas em outras épocas jamais vistas ou noticiadas.A população aceitando , ou convivendo com isso tudo como se fosse normal. Mas onde está a capacidade de indignação de cada ser humano, para não aceitar e mudar o que está acontecendo?O que foi feito com a sua sensibilidade?Coisas que eram chocantes, hoje se tornaram banais.
 Lendo um dos livros de A.Cury,entendi que o que está se passando com a humanidade em geral.É o que ele chama de psicoadaptação.E a incapacidade de reagir frente à exposição continuada, repetida de um mesmo estímulo.
 Assim passamos a aceitar de uma forma doentia tudo que acontece à nossa volta.Nos adaptamos, nos acomodamos.Nossa emoção não reage.
 A dor do outro torna-se tão comum que acabamos por nos tornar insensível.Assim o jovem assassinado, a criança violentada, a população massacrada, enganada passa a ser só números estatísticos ou fato comum diante da alienação inconsciente das pessoas.
 Como mudar isso ,então? O primeiro passo é a conscientização de cada um, pensar se queremos continuar vivendo assim.Temos que dizer um basta, se não quisermos vivenciar mais tal situação.Temos que ser agentes no processo de mudança, acreditar que nossa vontade pode influir muito .Se cada um tiver consciência do peso de sua vontade, de suas ações,através dos mecanismos legais de mudança,deixaremos de ser simples expectadores das mazelas sociais impostas muitas vezes por quem detém o poder,em conseqüência de nossa omissão,ou de escolhas erradas.
 Temos que ser criteriosos e firmes em fazer valer nossa vontade e mostrar nosso desejo de que queremos outro tipo de sociedade,de representatividade.É necessário mostrar isso na hora devida,com os instrumentos legais que nos são garantidos.

 

Para viver melhor
Isabel. C.S.Vargas


Muitos autores, atualmente, procuram indicar pontos, passos ou programas para que se possa ter melhor qualidade de vida, proporcionar mais realizações e ser mais feliz.
Há pontos que são comuns a todos, variando na maneira como são apresentados, entretanto o núcleo da mensagem, a idéia principal é a mesma.
Vale destacar estes pontos comuns entre eles, considerados básicos para atingir melhor qualidade de vida, a prática de atividades físicas, a alimentação saudável, a espiritualidade, o controle das emoções e a busca do conhecimento interior, ou autoconhecimento.
Os dois primeiros itens envolvem disciplina, para que se forme o hábito saudável que irá se tornar fator importante para a manutenção da saúde.
A espiritualidade é algo subjetivo, não envolve, necessariamente, uma religião específica, mas crença em um ser superior na busca por aquilo que a ciência geralmente não explica.
O controle das emoções e o autoconhecimento envolvem mudanças, reformulação e /ou redefinição de parâmetros na constante busca de crescimento, em qualquer idade do indivíduo, pois não se deve parar nunca de aprender nem de buscar conhecer-se melhor.
Implica em saber enfrentar as perdas e superá-las, esquecer as mágoas, libertar-se da raiva, liberar emoções negativas, saber perdoar para não se isolar e com isso afastar os afetos.
Para se conhecer melhor é preciso aprofundar-se nas emoções, ao invés de evitar vivê-las para não sofrer. Quem não sofre por enfrentar certas dores,também não conhece o lado bom do auto conhecimento.Isola-se e não enriquece através dos relacionamentos.
Para atingir estas metas é importante ter a mente aberta para as mudanças e para um constante aprendizado,que atualiza, amadurece independente da idade biológica, pois sempre é tempo de aprender, de olhar o mundo com a curiosidade de um eterno aprendiz.
O resultado de tudo é o fortalecimento interior que facilita os relacionamentos, cria empatia, dá mais sabedoria, proporcionando viver de forma mais plena cada fase da vida.

 
 

 
 

Paradoxo    
Isabel C.S.Vargas  


Era o ano de 1986. Acabáramos de comprar a casa na praia. Sonho concretizado. Outros surgiram, posto que é importante ter sonhos sempre. Uma das primeiras providências: comprar uma muda de pinheiro. Menos de 10 centímetros aparecia fora do muro da frente, cuja altura era pequena (ainda é). Por que pinheiro? Explicação lógica não há. Apenas, o fato de gostar, talvez pela imponência ao se desenvolver, o que remete, de imediato, à força para enfrentar obstáculos sem se deixar abater. Quem sabe, pela idéia de longevidade, quase eternidade e, por conseqüência, segurança, estabilidade. Pode até a ordem ser inversa. Também nos proporciona a sensação de aconchego, proteção.
Nos verões seus galhos dão sombra que refresca o que, sem dúvida, muito ele proporcionou quando descansávamos ou, apenas, sonhávamos na rede. Alegrava aos olhos e aos pássaros que por ali voavam.
O pinheiro sempre nos traz a idéia de nascimento, natal, esperança, alegrias, riso de criança, luzes coloridas e felicidade. Para mim esta associação sempre foi inevitável, pois a aquisição da casa, o plantio do pinheiro coincidiu com a gravidez de meu filho caçula. Ambos cresceram fortes, lindos enlaçando a todos com seus braços. Ganhou anjo, estrela, luzes, enfeites vários para sinalizar o evento magno da cristandade e a alegria que deve ser para todos.
Os anos passaram e ele adquiriu proporções imensas. Percebo que apesar de tudo de bom que foi proporcionado a todos, cada ser necessita de lugar próprio para desenvolver-se de modo a não influir negativamente no meio que o circunda. Problemas surgiram o que levou meu marido a mandar arrancá-lo para fazer algumas modificações. Com ele outras árvores, outras plantas.
Sempre falo que é necessário mudar, não permanecer preso às coisas do passado, que é necessário exercitar o desapego dos bens materiais, mas não posso deixar de me sentir tocada por este acontecimento, por diversas razões. Arrancar o pinheiro é como arrancar a nós mesmos, arrancar nossas raízes que nos mantém presos a terra. A idéia de finitude se materializa. Talvez já não tenhamos mais tempo de ver outro pinheiro se desenvolver como este. Os nossos natais, antigamente tão alegres e cheios de surpresas, após a dolorosa perda que tivemos no último, não sei mais como serão.
Já estou a lamentar pelos pássaros que viviam à nossa volta, pelo beija-flor, visitante de honra da azálea e de outras flores, que perderão, assim como nós, o seu aconchego.
Vejo a desconstrução à minha volta, rompimento com o passado, desmoronamento de territórios conhecidos (o que desestabiliza), mas não posso ignorar que é preciso desconstruir para criar novos sentidos e múltiplas possibilidades.

 
 

Paz interior
Isabel C.S.Vargas


Participando de um grupo de estudos, o assunto a ser tratado na ocasião foi a felicidade.
Em uma das etapas, cada participante foi solicitado a dizer o seu entendimento a respeito do que é felicidade.
Chamou-me a atenção que as conclusões dos grupos pareceram convergir para uma resposta comum, que foi o estar bem consigo mesmo. Sintetizando: a paz interior, a harmonia consigo mesmo foi uma resposta muito ouvida.
A presença numerosa no grupo já é um indício de que as pessoas estão percebendo como é importante cada um buscar um caminho próprio, que lhe dê satisfação, conhecimento, crescimento e sabedoria.
É fundamental cada um estar bem, sentir-se pleno, satisfeito em seu interior e no contexto.
Quando olhamos para dentro, descobrimos quem realmente somos, o que queremos, o que desejamos. Buscamos satisfazer nossas necessidades.Bons resultados elevam a auto-estima, dão segurança,confiança,o que facilita a comunicação,os relacionamentos,predispõe à tolerância.
Para conseguirmos chegar a um determinado estágio de paz interior,é necessário passar por várias etapas.É preciso parar ,tomar consciência que cada um é um ser único,cheio de contradições e também de sabedoria.
É preciso investir em si mesmo, em conhecer-se , buscando sempre melhorar, o que não significa não errar, pois não temos a obrigação de sermos infalíveis,mas temos a obrigação de aprender com os erros, nossos e os alheios.
Temos que ter sabedoria para saber o que podemos mudar e aceitar o que não pode ser mudado.
Não podemos ser controladores.Deixemos cada um ser responsável por si mesmo.Isto amadurece.Enquanto cuidamos de nós, os outros também aprendem a cuidar melhor de si mesmo.
É importante ter pensamento, sentimento e atitudes positivas, conosco mesmo , com os outros, com a vida; aprendermos a valorizar coisas simples, que habitualmente podem nos passar despercebidas e que muitos só passam a valorizar após a perda.
Saber olhar a vida com olhar mais criterioso e menos crítico, não ser econômico nos afetos, nos elogios, no incentivo, ser mais sensível, mais intuitivo, menos técnico ou pragmático,
É fundamental saber desenvolver a alegria, a espiritualidade, a compreensão, aprimorar o corpo e a alma.
Temos que valorizar mais o que temos,o que conseguimos,não lamentar pelo que perdemos ou não conseguimos.Ao invés de reclamar , temos que agradecer.
Enfim, só chegamos à paz interior, se trabalharmos nesse sentido, se nos aprimorarmos nessa busca.
Isto não nos é dado por outras pessoas,pois não é nelas que está,mas em nós mesmos.É um tesouro a ser encontrado no interior de cada um e que uma vez encontrado, não queremos perder,pois a sua riqueza se expande,se multiplica atingindo os que estão ao nosso redor,auxiliando-os em sua busca pessoal.
icsvargas@gmail.com

 
 

Livro de Visitas

Para pág. 5