SEBO LITERÁRIO

     

 

Naida Terra

 

 
 

Pierre Auguste Renoir

 

 
POESIA
Pág. 4 de 14 Pág.
  

 

FALAM AS MÃOS
Naidaterra


Tão sublime quanto um olhar
é o toque das mãos que com
suavidade toca e acalenta...
As mãos,
são como asas de andorinhas que
infinitamente doam proteção e calor...
Indicam, sugerem, alimentam
e falam aos surdos com exatidão...
As mãos,
plantam, colhem e tudo sentem
refletindo em gestos este sentir...
As mãos,
são lanternas e ferramentas
que alimentadas e inspiradas pelos anjos
socorrem e cavam fendas em pontes
criadas por sonhos esquecidos
para que não haja endurecimento,
evitando assim, as grandes quedas...
Falam as mãos,
quando frias, trêmulas e suadas...
Quando se fecham e agridem...
Quando recuam e se escondem...
Falam as mãos,
quando já cansadas, só lhes restam,
a súplica...

Naidaterra
dez/2006

 

 

O VENTO
Naidaterra


O vento espalha no
ar o teu cheiro...
Me enebria...
Sopra uma brisa norma que
acarinha minha pele...
Me aquece...
Entoa uma melodia
que fala de amor...
Me fascina...
Mas não pode decifrar
o que oculto e absorvo...
Não compreende
o motivo de não vivermos
o nosso amor...
E me incita espalhando
no ar o teu cheiro...
Me excita...

Naidaterra
dez/2006

 
 

 

AUSÊNCIA
Naidaterra


Esta saudade entre nós se estende
feito o rio que corre para o mar se
perdendo em sua água salgada...
Límpida e cristalina, eu vejo a tua imagem
navegar lentamente pelas águas,
indo sem pressa de chegar ao destino...
Uma visão que retrata a tristeza, talvez,
seja o reflexo da minha dor essa sua
expressão triste...
São nossas almas transformadas em
saudades...

Naidaterra
Dez/2006

 
 

 

RECOMEÇAR
Naidaterra


O sentir de ontém tosteado pelo sol escaldante,
agora é poeira soprada ao vento...
Soltaram-se as amarras como soltam
os azulejos envelhecidos pelo tempo
no momento certo, um prenúncio de
mudança, um recomeço e uma
nova etapa promovendo ao coração
a doce sensação de uma nova conquista...
Posso sentir no meu sorriso a serenidade,
uma nova vida me aguarda...
As marcas que ficaram serão somente
lembranças, algumas doloridas,
outras bálsamos e eternas...
Olhando para o firmamento e sentindo
o esplendor do dia, nasceu uma
uma alegria que há muito não sentia,
uma visão ampla a minha frente,
uma paisagem linda que meu olhar
alcançou, não há névoas e a nitidez
das cores e das formas me convidam
a seguir em frente e ousar...
Findar uma história e recomeçar outra,
linda e maravilhosa...

Naidaterra
dez/2006

 
 

 

BEIJA-ME POETA
Naidaterra


Beija-me poeta e encanta-me com
tua nobre ventura e responda-me
com teus beijos o que
contam e cantam as estrelas em
torno do luar embaladas pela melodia
do ir e vir das ondas do mar...
Beija-me com ardor percorrendo
os meus sentidos e faça-me sentir
a emoção sem razão...
Tua boca é minha fantasia louca,
beija-me poeta e dá-me asas
para saciar-me no teu
infinito...

Naidaterra
Dez/2006

 
 

 

TÃO LONGE DE MIM...
Naidaterra


Cálidas tardes, verão ardente e as noites frias
passam por mim indiferentes ao meu sentir que
renasce de um amor perdido na distância...
Tão longe de mim está o meu amor,
não tenho os beijos dele, que são meus
e ele não pode ter os meus, que são só dele...
Não há descanso para os meus olhos
que atravessam fronteiras em
busca do brilho dos olhos do meu amor...
Bem longe, na imensidão está o meu bem querer,
cruel essa distância que nos separa, dois corações
que só desejam amar e amar...

Naidaterra
Dez/2006

 
 

 

NA PRAIA
Naidaterra


Na praia deserta e silenciosa,
o mar se mostra calmo e a lua
clara deixa a noite branca...
Que delícia o ar da noite!
Doce saudade...
Numa cadência trêmula e vagarosa
do ir e vir das ondas, fico melancólica...
Ouço um ruído arrastado, tímido e triste...
É o sopro do vento da noite a beijar-me,
Saudoso...

Naidaterra
Jan/2007

 
 

 

DOCES RECORDAÇÕES
Naidaterra


Fechar os olhos e sentir a suave brisa
que de mansinho toca o meu corpo...
Deixar fluir, buscar os momentos vividos
no passado, e sonhar...
A aurora, o sol... a vida...
As tardes de amor, a emoção de sentir
tuas mãos suaves, meigas e incansáveis...
Noites de melodia, céu bordado de
estrelas e nós dois a beira mar,
nos beijando sem cansar...
As ondas acariciando a areia
e a lua beijando o mar...
A magia está no ar,
no olhar...
É só amar...

Naidaterra
Jan/2007

 
 

Livro de Visitas

    

Para pág. 5