SEBO LITERÁRIO

     

 

Naida Terra

 

 
 

Claude Monet

 
 
 
POESIA
Pág. 6 de 14 Pág.
 

 

VERSOS INACABADOS
Naidaterra


Ainda que o sol aqueça e ilumine meu dia,
a noite não tarda para testemunhar a minha dor...
Insegura, cheia de incertezas acerca dos meus
pensamentos, vivo em desvantagem comigo...
Persisto, insistindo versejar uma história que não tenho...
São somente fragmentos de momentos que rabisco,
mesmo sabendo que não vou terminar...
São versos inacabados deitados em folhas brancas,
espalhadas e manchadas pelo sal das minhas lágrimas...
Açoita-me o frio e o silêncio da noite não termina...
Amei demais, te sonhei lindo a navegar pelo encanto,
e agora, resta-me somente a dureza da saudade
e a tristeza de ver meus versos, inacabados...

Naidaterra
Março/2007

 
 

 

DEUS SABE
Naidaterra


Podemos andar nesta vida por vários caminhos,
em todos eles, encontraremos algo novo que vai
mudar nossa existência de alguma forma...
O importante, é termos em mente que DEUS sabe tudo,
não podemos esconder dele nossos atos e
nossos pensamentos...
Quando te sentires ferido, magoado sem saber
o motivo, releve, Deus sabe e conhece todas
as falhas dos seus filhos, siga em frente
no seu caminhar e aprenda que magoar pessoas
pura e simplesmente por inveja e ciúmes não o
levará a supremacia, ou seja, ao colo do pai...
Retratar-se, pedir desculpas ao teu irmão,
nunca é tarde demais, limpamos nossa aura
e a felicidade entrará em nossas vidas
com toda a sua plenitude...
Nossa alma é uma tela que um dia será exposta
e nós mesmos teremos que nos sentenciarmos
de acordo com as nossas faltas...
A fé é um salto no escuro para os braços
de Deus. Quem não tem fé, não aprendeu a
amar e a perdoar, não salta e não é abraçado.
Fica apenas na escuridão.
É mais uma lei divina.


Naidaterra
FEV/2007

 
 

EU ACREDITO!
Naidaterra


Eu acredito na força do amor...
Acredito que um dia a chuva bondosa esparrame água
em terras áridas ofertando vida as raízes que dormem
nas profundezas...
Eu acredito na força de vontade do homem, na sua determinação
e que percebam a premência na necessidade de mudanças nas
suas atitudes em relação a tudo e ao todo...
Eu acredito na benevolência e na inteligência
do ser racional, tendo por objetivo entender que a vida é um ciclo,
um círculo perfeito que mão deve ser alterado e sim
compreendido e respeitado...
Eu acredito que um dia seremos livres, haverá fartura, mais amor
e as celas(prisões) serão abolidas para sempre...
Laços serão perpetuados e sagrados, uma imensa família universal...
Eu acredito que todas as espécies de fanatismos serão destruídas
prevalecendo a fé, o amor em Deus, Ser onipotente que
reside dentro de cada um de nós...
Eu acredito na vida antes e após a morte do corpo,
na bondade, no sorriso, na integridade da alma e na beleza do infinito aberto...
Eu acredito no livre arbítrio e no poder da ponderação
da humanidade que caminham para o centro do círculo...
Eu acredito num grito de guerra único, A PAZ...
E a despeito de tudo,
EU ACREDITO EM DEUS!
EU ACREDITO EM MIM!

Naidaterra
abril/2007

 

QUERO AMAR-TE
Naidaterra


Quero amar-te como amam os poetas.
Entregar-me sem restrições mergulhada
na magia das fantasias, penetrar nos teus sonhos...
Falar-te ofegante do meu amor em
prosas e versos o quanto te amo e desejo...
Quero ser tomada por você...
Quero que mire meus olhos e
veja duas luas submissas afoitas,
cheias de vontade por um instante
de amor, momentos que serão nossos
e para sempre, eternos...
Quero me esquecer nos teus lábios,
sentir teu peito arfante e viver o possível
deste amor tão grande...
Amar-te e viver essa doce fascinação,
é tudo o que eu anseio...

Naidaterra
abril/2007

 

 

EU E A POESIA...
Naidaterra


Entre atalhos, vielas e trilhas...
Cimento, pedra, água e terra,
caminho sem pressa levando a minha vida...
Entre os bálsamos e os tormentos,
retirei a máscara posta e imposta
dos meus sentimentos... nasceu
em mim, a poesia...
Longe ou perto ganho horizontes
E viajo com a melodia expressa
no olhar do mundo, um encanto já
impregnado em meu peito...
Acima das futilidades, busco a
plenitude e nela me deparo com
a doçura e me entrego para a serenidade
subtraindo todo o ríspido que me agride...
Ah, minha poesia minha,
amada minha que me aninha e acarinha...
Asa minha que me leva rumo as estrelas
que no céu escreve meu nome...
Eu e a poesia, um eterno voo...


Naidaterra
Sampa

abril/2007

 
 

SURPREENDA-ME!
Naidaterra


Calma está trêmulo!
Sinto teu peito ofegante,
coração pulsando acelerado,
não tenha pressa...
Vem dançar comigo bem coladinho
e se aconchega no meu corpo,
mãos soltas e atrevidas...
Vou sussurrar bobagens no teu ouvido
quero sentir teu corpo estremecer,
te quero extasiado... assim, denunciado...
Sente como estou quente,
minhas pernas já quase entrelaçadas nas tuas...
Aproveita este momento e dá vida as tuas fantasias,
ultrapassa teus limites, me beija a boca
com todo este desejo louco, sentido... desmedido.
Melindrosamente te resisto...
Tenta-me...
Sou teu céu aberto...
Surpreenda-me...

Naidaterra
Abril/2007

 
 

ENCANTAMENTO
Naidaterra


Ávidos o teu olhar...
Encantou minha alma e eu vi muitos sóis,
uma beleza sem fim...
Deslumbrada, enternecida com toda aquela luz
que lentamente me acariciava, conheci o céu,
um roseiral de flores, cores mil e o doce
aroma da felicidade...
Encantada, penetrei no teu mundo ansiosa
para sentir o ardor da sua natureza e encontrei
um poeta, amoroso, inquieto feito
um vaga-lume fulgindo...
Segui-o com passos lentos e a cada instante,
uma melodia, luzes bailavam em forma de
estrelas me convidando para dançar...
Que encanto é esse que trazes
na retina, encanta-me com teu canto e faz
do firmamento minha moradia...
Olhos que me fazem sonhar,
diz pra mim a que apoteose meigamente
me cantará para me levar...
Se das flores, que seja em noite de luar
a beira-mar com os vaga-lumes estilhaçando
luminosas chispas vermelhas, azuis e prateadas...
E ficar para sempre na retina do meu poeta,
amoroso e inquieto...

Naidaterra
Abril/2007

 
 

AMA-ME COM TERNURA
Naidaterra


Ama-me com ternura...
Toca-me com delicadeza...
Quero-te cheio de amor e ventura
dizendo com sutileza
que o nosso amor é uma doçura...
Ama-me com ternura...
O amor palpita dentro de mim...
Sou seiva que escorre e perdura,
néctar que alimenta nosso amor sem fim,
delicioso bálsamo que deixa minha vida pura...
Ama-me com ternura...
Abraça-me, beija-me, possua-me...
Olha-me nos olhos com loucura,
encanta-me, embriaga-me e depois,
decifra-me...
Sempre com ternura...

Naidaterra
sampaAbril/2007

 
 

Livro de Visitas

    

Para pág. 7