SEBO LITERÁRIO

     

 

Naida Terra

 

 
 

Frank Weston Benson

 
 
 
POESIA
Pág. 8 de 14 Pág.
 
 
 

FIM DO ESPETÁCULO
Naidaterra


O teatro está lotado de um vazio
gelado, no palco só nós dois...
Há tempos contracenamos o mesmo ato
cheios de desejos dentro de um tempo
marcado que não tarda em fechar
o véu que nos separa...
Nada sabemos, somente trocamos
momentos dementes que é tudo
num instante e nada até o próximo ato...
Inexiste o percurso de se estar entre amantes
até que a fome de contracenar se abrasa...
Vem carente e quente, cheio de paixão,
mas deixa o amor na curva de outra mente...
O que não o impede de inflamar, seduzir
e enganar outros corações...
Acabou o espetáculo!
Fim...

Naidaterra
Set/2007

 
 

NOSSO AMOR
Naidaterra


Não oculta uma só palavra,
nem uma só vibração...
Somos canções,
caminhos de flores e folhas,
a poesia dos amantes,
a luz que abre horizontes...

Imagem pura de cores
que se ascendem ao fulgor do Sol,
vento tranquilo
vagando despreocupado...

Corcel alado dos nossos sonhos,
mil voltas no infinito,
nossos corpos,
uma viagem sem volta
driblando com maestria a razão,
que se une ao coração...

Musicalidade enlaçando estrelas
na imensidão, um mistério indecifrável,
só é sentido, não há explicação,
só existe...

Quero viver nosso amor
saboreando cada pedacinho
dos nossos sentimentos,
caminhar através do tempo e quem
sabe, morrer de encantamento...


Sampa

Naidaterra
Set/2007

 
 

Como Flor
Naidaterra


De mansinho insinuei-me como
quem quer ser molhada...
Meu corpo cheio de noite
e o teu perdido de amor...
Ai, um rumor
de bocas, mãos loucas,
sabor de paixão...
Doce mel escorregadio cintilava
o meu corpo...
Orvalhada, fui-me abrindo
em flor...

Naidaterra
Jan/2008

 

MENINA TRISTE
Naidaterra


Havia tanto querer, tanto amor
em seu coração que podia bailar
com leveza no ar, voar e ser vagalume
brincando de acender e apagar em
noites brancas provocando estrelas...
Destas paragens, a dona era a poesia,
versos feitos de luz e ventos...
Uma flor que pouco durou, por culpa da
mentira, nasceu o desamor...
Suas pétalas, as águas salgadas
levaram, o pássaro se calou e acabou...
Silenciou a menina triste...

Naidaterra
Fev/2008

 

 

TARDE QUENTE
Naidaterra


As ondas do mar, a areia morna e
as gaivotas enfeitando o céu aberto,
imitam graciosamente o vaivém das ondas...
Um convite para relembrar os bons
momentos de amor outrora vividos...
Tudo é tão belo que me perco na
imensidão do oceano como se fosse
uma vasta planície, esmeralda lapidada...
Meu pensamento voa e me leva até você,
é uma tarde quente de céu sem nuvens.
Mirou meus olhos com desejo,
beijou-me com paixão, aconchegou-me
forte nos teus braços e flutuei
na doçura dos teus abraços...
Quanto esplendor de luz havia no
teu olhar, quanto amor vivemos
num minuto de um tempo eterno,
quantas juras e promessas...
Teus olhos são estrelas que brilham
no firmamento, tua fala cariciosa
eu ouço quando passa o vento
brando e a tua imagem é imortal,
uma tela que toma toda a minha
mente...

Naidaterra
Março/2008

 
 

CORAÇÃO, DOÁ-SE
Naidaterra


Não vou te iludir, enganar...
É um bom coração, mas está
muito ferido, tolice a minha querer
ficar com ele, não me ouve!
É um apaixonado, cheio de ternura,
fala docemente, mas tem um defeito,
ama desesperadamente...
E neste meu momento de solidão
sinto desmesurado perigo, posso
perder a razão e ouvi-lo...
Ah, não posso não!
Tão bem conheço meu coração,
não vai me deixar voltar a velha estrada,
tenho saudade de mim mesma...
Tenho receio de temer a minha própria
poesia, enlouqueceu meu coração de amor...
Escuto vozes ermas, mas não entendo a
linguagem, sofro o horror de estar perdida
no espaço, perdi o meio da vida...
Delicadamente me desprenderei de você,
quem sabe um novo coração, um pensador que
ignore meu poetar e não se envolva, não
se apaixone...
Coração, doá-se.

Naidaterra
Março/2008

 
 

SUA POESIA, POETA
Naidaterra


Sua poesia, querido,
fala de amores idos como
flores que o tempo não seca...
Sabe como erguer no silêncio,
um templo de amor onde canta teus
sonhos dourados e verseja à beleza
do mundo e à beleza da vida...
Assim vive meu poeta querido
entre as paisagens serenas todas
molhadas com seus doces beijos...
Numa fusão de cores e linhas,
surge o perfume e o som,
meu êxtase e meu encanto...
Contigo aprendi a cantar o amor,
sonhar com caminhos longos sem
ter medo de me apaixonar quando
o coração perde a razão...
Poeta querido, nunca deixe
de poetar, és o meu luzeiro.

Naidaterra
Março/2008

 
 

BEM ALÉM DE TUDO
Naidaterra


De tudo o que possa imaginar,
ainda te amo...
Não há um só momento que
os meus pensamentos não
cruzam com os teus, sabemos e sentimos.
Bem além de tudo, nosso amor
permanecerá para sempre e o
reencontro dos nossos olhos,
corpos e nossos corações,
falarão por nós dois...
Como sempre foi...

Naidaterra
Julho/2008

 

Livro de Visitas

    

Para pág. 9