SEBO LITERÁRIO

     

 

Naida Terra

 

 
 

Andrew Atroshenko

 
 
 
POESIA
Pág. 9 de 14 Pág.
 
 
 

DEIXE-ME SONHAR...
Naidaterra


Deixe-me sonhar que o mar canta
o nosso amor escondido...
Amor só de nós dois que encanta
as estações com ousadia, um amor querido...
Neste mar de canto constante,
me embalo no teu corpo quente,
cheiro de frutas sazonadas de lugares
secretos, o jardim dos amores...
Nosso amor sufocado resiste tal qual
uma onda que se quebra e não desiste...
Oculto, fantasia um destino venturoso
nas entrelinhas de enes poemas, expostos...
E sonhar!
É viver numa agridoce e perene
emoção, sensação de ter...

Naidaterra
Julho/2008

 
 

DIREÇÕES OPOSTAS
Naidaterra


Passamos...
Por mais juntos que um dia
estivemos, sempre houve entre
nós um galho seco que balançava
insistentemente, temor...
Sentindo o vento a fragilidade
do momento, bastou somente um
solavanco e os senões da vida
nos separaram, o adeus...
Sorrateiramente,
tristes e melancólicas nossas almas
cruelmente foram arrastadas
em direções opostas...

Naidaterra
Julho/2008

 
 

CORAÇÃO CALADO
Naidaterra


Calei este meu coração insensato,
tolice dar asas ao ingrato...
Apaixonado é um louco desvairado,
não merece perdão e nem ser amado...
Tentei amor, esquece esse meu coração,
cego é frágil, perde o compasso...
Imponente ignora a voz da razão,
me faz cúmplice da sua emoção...
Calei o inconsequente, não merece perdão...


Naidaterra
Agosto/2008

 

PRECISO DE TI...
Naidaterra


Preciso de ti,
para que eu possa viver em mim...
Preciso, porque o mar deixou de marulhar,
não cantam as gaivotas e as ondas
não beijam a areia quente...
Preciso, porque o sol não me aquece
e nem é ouro a sua cor, sou um eterno inverno...
Preciso, porque as estrelas são réplicas
dos teus olhos no firmamento...
Estou à deriva, perdida na imensidão
de um céu negro, sem luar e sem brumas...
Preciso de ti, para sentir novamente
a vida pulsar, te encontrar para me achar...

Naidaterra
10/2008

 

 

POESIA DE UM POETA
Naidaterra


E a ele fui com o peito arfando
cedendo a um desejo inevitável...
Rasgou-me o véu da nudez,
e eu me permiti ouvir o som do prazer...
De posse concedida, fez-me mulher,
poesia de um poeta...

Naidaterra
11/2008

 
 

COMO TE AMO...
Naidaterra


Penso estar louco meu coração!
Minha alma vive uma emoção antiga,
misto de um encantamento
e deslumbramento...
Estranho a minha própria voz
quando digo, te amo...
Anos, rugas, cabelos brancos
e o corpo lento, que importa!
Esqueço tudo quando minha
boca insaciável se esquece
dentro da tua...
Quero reviver esta felicidade
neste corpo velho, mas vivo...
Deus, como te amo...

Naidaterra
11/2008

 
 

POETA
Naidaterra


Sou o teu sonho...
Estou aqui para falar-te
do meu amor, do meu carinho...
Sou tua poetisa e te oferto
uma rosa em prosa dizendo
que minha vida te está oferta...
Embriaga-te de meus versos,
existência pulsante da minh'alma
que em sussuros lhe falará
deste meu amor...
Trago comigo, além do meu
coração em flor, o perfume
que exala o amor, indecifrável...
A poesia me deu mãos
aveludadas que só sabem
fazer carícias...
A poesia me deu um coração
que só sabe falar de amor...
Sou poesia em tons e sons,
sou todas as estações...
Sou poetisa e vivo de emoções...

Naidaterra
11/2008

 
 

LAMENTOS
Naidaterra


Não escapa a nenhum
ser humano, um lamento...
Faz parte da nossa evolução,
do nosso aprendizado...
Tudo que na vida passamos,
nos serve como reflexão e,
lamentar é um ato tão
normal como chorar ou sorrir...
Basta saber que você tem
consciência de suas lamentações
e tratar de aprender com os
erros e acertos...
Nem sempre os lamentos
são nossos, só fazem parte
do nosso caminho, lamentamos
uma perda querida, um
acidente, o que devemos fazer
é ter limites e compreensão
dos fatos ocorridos conosco
e com os outros...

Naidaterra
02/2009

 

Livro de Visitas

    

Para pág. 10