Cler Ruvver

 

- Nome: Cler Ruvver

- Profissão:
Ex-cantora, professora de Língua Portuguesa e Literatura, escritora, poeta e compositora.

- Quer falar um pouco da terra onde mora?

Minha terra, S. Pedro do Florido - Paraná, é simplesmente linda, com pequenas características que a diferencia do restante do Globo terrestre. Essa maravilha, onde olhares confusos procuram fumaça do cigarro em meio à poluição que a condena.
 

NATUREZA
Cler Ruvver


Quando um dia distraído,
Olhar as nuvens no céu.
Misturadas à fumaça,
Que a beleza embaça,
Com queimadas – fogaréu.

Se olhar para o alto,
Verá aves revoarem.
Junto, um pombo-correio...
Mas a cartinha não veio,
Pra natureza salvarem.

Em meio às invenções,
O homem criou a guerra.
Criou armas de hidrogênio,
Considerou-se um gênio,
Julgou-se dono da terra.

E foi enfeitando tudo,
Numa esfera colorida.
Formaram-se grandes centros,
Surgiram novos inventos,
Sem pensar na própria vida.

Criou carros, criou bondes;
Fábricas e até o avião.
Foi criando, inventando,
E hoje está sufocando;
Em meio à poluição.

Com a camada de ozônio,
Hoje vive preocupado.
Raios ultravioletas,
Vêm chegando de lambreta,
Não estava programado.

E com a evolução,
Surgiram as novas pragas.
Atacam planta e semente,
Provérbio de antigamente:
“Aqui se faz, aqui se paga”.

Montou-se uma corrida,
Pra salvar as plantações.
Criou-se o inseticida,
Que ameaça a vida:
Das nascentes, das nações.

Fazendo tantas loucuras,
Tentando brincar de Deus.
O homem já está clonando,
Criando, reinventando,
Até mesmo os filhos seus.

Batiza como progresso,
As descobertas que faz.
Transformando os semelhantes,
Da terra, em homens errantes.
Mendigos buscando a paz.

Hoje clamam pela vida,
Dos homens, da natureza.
Até mesmo às crianças,
Em meio a tantas matanças,
Tentamos mostrar beleza.

Que tal se o homem salvasse,
O que já estava pronto.
E antes de inventar,
Na natureza pensar,
Pra não viver em confronto.

E Deus, que será que pensa,
Dessa loucura atroz?
A ele só vou pedir:
E sempre vou repetir...
Tenha piedade de nós


- Quando começou a escrever (ou iniciou sua arte)?

Creio que nasci já apaixonada por histórias, na verdade foi sempre um paralelo, junto à evolução da linguagem e à produção de textos; até mesmo quando optei por um curso de Letras. Quando perdi a voz foi um processo natural, me fiz pássaro e através da Poesia aprendi que é possível cantar preso, ou como pequeno ventríloquo, quem sabe calado.

- Teve a influência de alguém para começar?

Nada além da sensação de perda que a música me causou. Foi quando entendi que não poderia mais cantar, mas fazer parte da essência!

- Lembra-se do seu 1º trabalho literário (ou artístico)?

Lembro perfeitamente quando escrevi um soneto. "SOBREVIVI" - este foi o meu começo. A consciência de que realmente estava trilhando um novo e esplêndido caminho: A Poesia!

 

SOBREVIVI
Cler Ruvver


Quando acordei, do meu sono profundo,
Chamaram-me pelo nome, que surpresa!
Perguntaram se tinha fome, sede, que beleza!
Percebi que ainda morava neste mundo.

As belas águas, antes brancas, cristalinas,
Foram turvadas de uma escura cor,
Então eu vi que os sonhos de menina,
Você levou, fiquei sozinha, que horror...

As preces límpidas, dedicadas em nome da vida.
Apesar das orações, em nome do amor.
Arrancaste a beleza do sonho, deixaste a ferida.

Não me levaste, porque a fé é forte,
Mas levaste a parte mais linda de mim.
Por isso vivo a vida, devo esquecer a morte.

Cler Ruvver


- Projectos Literários (ou artísticos) para 2012 / 2013?

Quando escrevo, estou convicta de que ainda faço parte do palco da vida. O que vir depois será sempre conseqüência. Não programo, deixo acontecer. Como já dizia Quinto Horácio Flaco, conhecido como o Príncipe dos Poetas da Roma Antiga, em sua obra Ars Poetica, publicada em 18 A.C., ser aconselhável, que um poema fique, "de molho na gaveta, pelo menos durante 9 anos. Sou parte dos que concordam com tal ideia, pois sempre que leio uma poesia, sinto um gostinho de lembrança, o que condiz, com tantas obras póstumas.

- Tem livro(s) impressos, editados ou por editar, e que não estão em e.book?

No início da Década de 90 escrevi uma crônica chamada "PIROLINTO - Mocinho ou Vilão?" Pequena história sobre a Educação, do interior do Paraná, estado onde atuei como Professora de 5ª à 8ª e Segundo grau, até a Década de 00. "GRAMÁTICA DE RODA", foi um trabalho didático, que infelizmente, apesar das tantas idéias e expectativas, ficou apenas no livro e não pode ser concluído. "A BUSCA DO ENCANTAMENTO INSPIRADO NA POESIA" meu primeiro livro de poesias, editado em parceria com mais dois colegas poetas. "MELHORES POETAS BRASILEIROS" - Antologia. "CAFÉ COM VERSO" - Antologia.

- Tem obras de arte que gostaria de ver expostas?

Não

- Conhece o novo projeto do Portal CEN, "SEBO LITERÁRIO"
http://www.caestamosnos.org/sebo/sebo_autores.htm
com divulgação direta Internacional, sem paralelo na Língua Portuguesa? E totalmente gratuito?

Não o conheço ainda, mas pretendo buscar informações a respeito do mesmo.
- Para os artistas Plásticos, entenda-se o SEBO como um "PORTFOLIO"
Se está interessado (a) neste projeto contate: FLOR DE ESPERANCA (MARIA BEATRIZ SILVA)
intercambioculturalcen@hotmail.com

- Fale-nos um pouco de si, como pessoa humana?

Sou “Humana” no sentido literal da palavra. Exploro o poder dos sentidos no trabalho, assim como, em todos os aspectos da vida; para que nada seja sacrifício, mas tudo seja a exemplo do Amor.

- Como Escritor (a) (ou como Artista)? –

A arte é a forma sublime que Deus nos presenteou, para que pudéssemos tocá-lo e senti-lo feito matéria viva. Singelo modelo do Seu Poder.

Tem prémios literários, ou outros?

Ainda não.

- Tem Home Page própria (não são consideradas outras que simplesmente tenham trabalhos seus)?

Sim.
http://www.recantodasletras.com.br/autores.php?lista=alfabetica&letra=C&pag=116

- Conhece bem o conteúdo (enorme) do Portal CEN - "Cá Estamos Nós"?

Não o conheço ainda, mas pretendo buscar informações a respeito do mesmo.

- Que conselho daria a uma pessoa que começasse agora a escrever (ou inicie a sua arte)?

Como já citei anteriormente, tudo na vida é conseqüência, só não sabemos o que acontecerá, quando acontecerá e se acontecerá.
O escrever está dentro de cada um. Basta praticar o exercício do amor (dedicação, humildade, esperança, etc.) e tudo irá acontecendo naturalmente, o que leva o escritor a não conseguir mais imaginar a vida sem essa busca, que em alguns momentos parece fuga. Mas, certamente enobrece e completa, transformando a vida em uma grande conquista – independentemente, dos arremates.


 26/10/2012

As obras expostas foram autorizadas e são de inteira responsabilidade do/a autor/a

 Índice de autores        Biografia    Anexo         Publicações