Biografia

 

Professora aposentada, natural de Araçoiaba da Serra/SP-BR, residente em Cerquilho/SP-BR.
Poeta e declamadora:
1º prêmio no I, II e III Festival de Poemas de Cerquilho (1986 a 1988)
1º prêmio no I Concurso de Poesias Fernando Pessoa de Juiz de Fora - MG - participação no livro “Poesia e Liberdade” das Edições Maria (1989)
1º prêmio no  I Concurso de Poesias de Juquitiba - SP (1990)
1º prêmio na categoria "outra cidade" no V Concurso de Poesias de Capivari - SP (1990 )
1º prêmio no I e II Festival de Poesias de Tietê - SP (1991 e 1992)
1º prêmio no I Concurso Mário Gemignani de Poesias - Capão Bonito - SP (1992 )
Trabalhos literários voluntários:
- “Poesia e declamação”, com crianças assistidas pela Casa de Maria, em Tietê/SP (2005 a 2008)
- “Caminhos da Poesia”, com crianças e adolescentes assistidos pela Promoção Social, em Cerquilho (2007)
Outras atividades literárias:
- Participação da "Noite e Poesia" - Palco Livre - na Faculdade de Tatuí (anos 90)
- Participação da "Poesia na 4ª Capa", evento promovido e realizado pelo Jardim das Artes de Cerquilho (2004)
- Integrante do corpo de jurados do “Torneio Municipal De Poesias”, do “Festival de Poemas de Cerquilho” e do “Mapa Cultural Paulista - Fase Municipal”, organizados e realizados anualmente pelo Departamento de Cultura da Prefeitura Municipal de Cerquilho.
- Palestra “Poema ou Poesia?” nas Escolas de Ensino Fundamental de Cerquilho/SP
- Participação na comemoração dos 40 anos da “Biblioteca Pública Municipal Guilherme de Almeida” de Cerquilho, com exposição de seus trabalhos (06/2011)
Condecorações: 
- Medalha “Cidade De Cerquilho” conferida pela Câmara Municipal de Cerquilho, em 1992.
- Medalha “Filhos Ilustres Da Cidade Das Rosas” conferida pela Prefeitura Municipal de Cerquilho, em 2008.
- Madrinha Do “Festival De Poemas Da Escola Plínio R. De Moraes”, realizado anualmente em Tietê/SP.
Web: http://belpakes.blogspot.com/
Livro publicado: "Transcendência" - Capa: Médico e Artista Plástico: Aristeu Antonio Costa
1ª Edição - Ed. Scortecci - 1992. Participação na BIENAL -1992. 

 

 

Apresentação

 

“Decifra-me ou te devoro”...
A obra poética de Isabel parece, a princípio repetir o que queria a Esfinge, de Édipo... Para o neófito, em sua poesia, existe enigmatismo nos temas e propostas de sua arte poética.  Teologicamente, porém, há uma mensagem de simplicidade, de sonho, de nostalgia, de ufanismo,de felicidade e, até mesmo de um Paraíso... A religiosidade também é palpável no fundo das poesias de Isabel, fustigando um possível ateísmo e uma descrença em uma “realidade” metafísica. No seu mundo não existe maniqueísmo, poi, o mal e o bem não se separam, coexistindo quase que em harmonia.
É uma poesia de muita coragem, de enfrentamento de vida, de pessoas e de sentimentos e, por ironia, existe de forma subjacente uma crença em um amor, não lúdico, mas sério.
O intimismo-realista dos temas traz também notas agradáveis da Natureza, que colore qualquer verso, por mais apagado que pudesse ser.
Normalmente, não existe métrica, os versos são soltos, modernos, livres, produzindo uma poesia agradável e envolvente.
É assim, que após a leitura de alguns de seus versos, os enigmas se decifram, identificando-se o leitor com eles e tornando-se confidente. Daí, o fantasma da Esfinge não mais existe...
Em resumo, tudo aponta para uma poetisa de muito futuro, com uma obra presa atualmente às circunstâncias e condições de modo, tempo e lugar.
Continue a voar, Isabel! E voe alto, porque o espaço é infinito e não tem fronteiras. Você é mais condor do que andorinha, apesar de nunca ter sido fácil ser andorinha...
Prof. Uilsom Franco Ramos

 

 

 

Prefácio

 

Isabel parece-me ter nascido com asas. Talvez pelo fato de, quando menina, ter morado à beira-linha, seu pensamento ter viajado junto aos trens que por ali passavam hora após hora...
Desde sempre conheci Isabel e sempre me encantei com seus versos. Para mim eles têm vida, pois à medida em que os leio, a alma da poeta me transpassa a carne e me perco nos devaneios dela. Ela vai do transcendente ao palpável, pois da mesma forma que se evapora nas suas entrelinhas, permite ser tocada: O que escreve tem vida.
Aqueles que conhecerem seus versos, ficarão enaltecidos por adquirirem sua obra; e os que não a conhecem, tenho certeza que à primeira página terão pressa em conhecê-la por inteiro e, muitas vezes, haverão de folhear-lhe as páginas. Com a preocupação de que alguma coisa lhes tenha escapado nas leituras anteriores.
Seja bem-vinda ao mundo mágico dos escritores, minha querida amiga e e incentivadora, Isabel.
Profª Maria Augusta Amorim Nunes

 

  

 

 para TRANSCENDÊNCIA

 

 

 

LIVRO DE VISITAS